• Um dia no museu da paz do Irã

O bombardeio químico de Sardasht, foi uma invasão química horrível do Iraque contra o Irã que gerou muitas consequências. Esta cidade foi a primeira vítima de armas químicas no mundo após o bombardeio nuclear de Hiroshima. Comunidades globais pela influência dos aliados de Sadam Hussein inclusive os Estados Unidos, têm tomado medidas consideráveis para encobrir este crime.

Uma outra parte deste crime barbérie, coincidindo com a semana de Defesa Sagrada expostos  a vista dos visitantes no Museu da Paz de Teerã.

Comemora-se o Dia Mundial da Paz todos os anos no final de setembro que é comemorado com o objetivo de um mundo livre de guerras e de violência e paz entre as nações, nacionalidades de várias minorias. O Museu da Paz de Teerã,no dia 18 de setembro foi  local de comemoração do Dia  mundial da paz .

Nesta reunião estiveram presentes os embaixadores dos Países Baixos e  Bulgária no Irã, "Susan Trstal" e "Khrysto Pulendakf" o diretor do Instituto de Pesquisa  Cultural, Artes e Patrimônio do Turismo, Mohammad Beheshti, "o representante do Parlamento islâmico de Sardasht " Rasul Khezri "e um grupo de veteranos de guerra e vítimas de armas químicas.

Nessa reunião, o veterano de química e membro do conselho de administração do museu, Sr. Salehi disse que neste ano novamente comemoramos o Dia Mundial da Paz, que em muitas partes do mundo a partir do Iemen , Iraque e Síria e muitos países , as pessoas são privadas da bênção e paz, e os desastres humanitários trágicos causados pela ganância de indivíduos, grupos e nações poderosas, que colocam a paz em condições mais oprimidas deste século. No Islã, a paz está enraizada no Alcorão Sagrado e da tradição do profeta e sempre o diálogo em lugar de guerra, a paz em lugar de violência, a tolerância em lugar de intolerância e perdão em lugar de vingança, tem sido a língua de interação para todos.

Embaixador holandês em Teerã,foi o próximo orador do evento. Ela chamou de solução pacífica da disputa nuclear um sucesso para as relações diplomáticas e resolver problemas através do diálogo e disse: “Estes métodos levam os melhores resultados para o país e seu povo. No mundo de hoje, agora se vê os terríveis conflitos, mas de qualquer maneira pode resolver pelas formas tradicionais de resolução de tais problemas que é o diálogo, mas ao mesmo tempo pode resolver da maneira tradicional, que é o mesmo diálogo, para resolver a crise.”

A cidade de Sardasht em tempo de guerra foi imposta ao alvo de ataques químicos de Sadam Hussein. Este ataque resultaram na morte de 110 civis residentes e outras 8.000 pessoas que estavam expostas a gases tóxicos e envenenamento . O representante de  Sardasht do parlamento islâmico "Khezri" em nome das vítimas das armas químicas na cidade, leu a mensagem das vítimas em nome do Dia Mundial da Paz. Em uma parte da mensagem lê: com as condições atuais do mundo, vítimas de armas químicas são como tesouros culturais da humanidade não consideram-se geografia do Irã e para dar informações sobre as pessoas no mundo tentaram mostrar as consequências do uso de armas de destruição maciça e perigos. Regressar para as virtudes morais, simpatia justiça é a única maneira de Sardasht e seus mensageiros estaremos seguindo a  paz. A luta pela paz duradoura através do diálogo, conscientização e educação, atividades cívicas, redes internacionais e buscando pontos em comum está enraizada na crença das pessoas.

O Museu da Paz, que foi o local para a realização desta reunião, localizado no "Parque Shahr" um dos mais antigos parques de Teerã. A idéia da criação deste museu formado em visita de membros da Associação para apoiar as vítimas de armas químicas em Teerã responsáveis pela coordenação da rede mundial de museus da paz em 2005. Visita de Hiroshima, no mesmo ano, reforçada inclinação para a formação de um museu da paz em Teerã. Os fundadores do Museu da Paz em Teerã experientes inspiradores do mundo e para mostrar as consequências desagradáveis resultantes da guerra imposta e envolvendo violações contra o povo do Irã, que fundou o Museu da Paz em Teerã.

O Museu da Paz de Teerã, é o primeiro Museu da paz no Médio Oriente, que iniciou em 2011  Teerã e, até agora, muito visitado por turistas nacionais e internacionais . O Museu da Paz de Teerã, é  membro de redes internacionais dos museus da Paz, que  sua sede no Museu de Haia, na Holanda. Membros ativos do Museu relacionadas com as vítimas da guerra e armas químicas como símbolos de vida e mensageiros da paz e outros movimentos populares e Museus da paz em todo o mundo. Neste museu funcionários estavam tentando promover a cultura de paz ou significado político, mas no seu significado social e cultural.

Hoje em dia os museus da paz têm extendido em todo o mundo. Embora a guerra ainda exista no mundo, mas o crescimento dos museus da paz, é os esforços para fazer avançar a paz. No Museu da Paz de Teerã, também tem reiterado da catástrofe do uso de armas químicas contra o Irã com o eixo principal do museu narrativa e mostrar a violência da guerra e a importância da paz. O Museu da Paz de Teerã pode ter uma semelhança com a entrada das Nações Unidas porque a ONU na entrada para o museu, escreveu; "Os filhos de Adão são membros uns dos outros" [Os seres humanos são membros de um todo], escrito pelo poeta Saadi. A diferença é que também, na entrada do Museu da Paz de Teerã, há uma réplica de um lutador com uniformes verdes e máscaras para evitar o gás, que é um símbolo de lesões e inocência dos veteranos de armas  em massa, mas o chefe da Organização das Nações Unidas é o símbolo dos sacrifícios dos seres humanos.

Também na entrada do  museu, não a história de sua fundação é observado, porque a paz é um esforço eterno da humanidade. A arquitetura do museu é simples e sua sala central com cúpula azul, conhecido como o núcleo da estrutura. Na primeira porta de entrada  existem cartões de dois ex-guia do museu que foram mortos devido aos ferimentos de armas químicas. As vítimas da guerra são as pessoas que podem ser Meritas narradores seguros de verdades graves de enviados guerra e paz. Então os veteranos e vítimas de ataques químicos por Sadam que muitos deles ativados como membros voluntários da Associação "apoiar as vítimas de armas químicas"este museu apresenta  como um guia.

Este grupo de vítimas estão muito interessados em aumentar o seu destino e como um símbolo vivo das violências da guerra, eles explicaram voluntariamente as suas experiências para os visitantes e a geração jovem.Um desativado químico "Mohammad Zangabadi" uma vez por semana para turnê pelo  Museu da Paz de Teerã é uma das vítimas da guerra imposta a fornecer informações aos visitantes para se  familiarizarem com as consequências das armas químicas.

Na Sala de Guerra  do  Museu têm mostrado quatro dos símbolos dos maiores belicista das guerras mundiais que estavam  em diferentes períodos. Os quatro são: Caim que matou seu irmão Abel, Zahhak na mitologia iraniana é um símbolo do mal e do abate, Hitler queria conquistar o mundo e na história Saddam, cujo nome é mencionado malvado .

Na outra parte do museu da paz que tem se destacado na cultura religiosa e as formas de participação de cada pessoa no caminho de promoção da paz e da amizade. Este museu tem tentado levar ao conhecimento dos visitantes com o movimento pela paz mundial e, especialmente, os personagens e organizações.

Uma parte de museu é dedicado a programas de educação e realização de oficinas e conferências educacionais sobre o tema da cultura, a reconciliação, a paz e os direitos humanitários internacionais, para ensinar os participantes. Além disso neste museu de paz tem um estudo documentário que pode marcar o destino das vítimas de guerra como documentos históricos. A biblioteca da paz no museu têm  diferentes fontes das obras relativado no direito internacional até o estabelecimento da paz e da história oral de vítimas de guerra, e mostra as obras de artistas iranianos e estrangeiros.

No Museu da  Paz, revisou a história das armas químicas também. O primeiro uso de gás mostarda e fósforo está relacionado a 1917 e 1915. A maioria do uso de gás mostarda era imposta a guerra do Iraque contra o Irã que mais de 1.800 toneladas de gás mostarda, 140 toneladas de blister e 60 toneladas de gás sarin foi usada contra o Irã. A Guerra imposta contra o Irã é o maior crime depois da Primeira Guerra Mundial química vêm  buscando vítimas, efeitos nocivos, tais como bronquite crónica e problemas respiratórios e úlcera da córnea. A negligência das organizações internacionais para condenar esta ação, tornou-se mais ousado o exército iraquiano baasista no uso desses gases, e as estatísticas mostram que durante os anos finais da guerra ocorreu aumento do uso de armas químicas.

No final do hall do Museu da paz está o primeiro documento dos direitos humanos escrito pelo Ciro, o Grande, o símbolo de paz e amizade iraniana. Há uma imagem que está escrito, mesmo quando todas as pessoas na terra possam viver em paz e amizade, sempre enviará uma mensagem de paz e amizade para o mundo.

No Museu da Paz tem fundido no sentido de introduzir as dimensões terríveis das armas químicas em oito anos de guerra imposta de Defesa Sagrada, portanto, uma grande parte do Museu tem dedicado apresentar as armas de matança em massa e sua influência sobre as pessoas até hoje . Na   saída dessa seção está o memorial monumento que foi dedicado ao ataque nuclear dos EUA sobre Hiroshima e Nagasaki. Esta homenagem histórica para os sobreviventes do desastre e também prestou homenagem ao Japão por causa de seu papel no desenvolvimento da segunda onda de museus de paz estabelecidos depois da Segunda Guerra Mundial.

Paz no mundo está até gora mais de 150 museus, 50 museus realizadas no Japão. No final da visita o Museu da Paz, o Museu de Belas artes bibliotecas é uma boa fonte para estudos em áreas especializadas sobre a paz.

 

Oct 02, 2016 21:16 UTC
Comentários