• Presidente Rouhani:

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse que o povo iraniano defrontar com um "grupo pequeno e minoritário" dos perturbadores e criminosos que exploram nos últimos dias os protestos contra as condições econômicas em várias cidades iranianas.

Falando em uma reunião com vários legisladores iranianos na segunda-feira, Rouhani disse que a nação combateria o pequeno grupo que abusou de protestos como um pretexto para cantar slogans em violação das leis e das demandas das pessoas, insultar como santidades e os valores da Revolução Islâmica, e danificar uma propriedade pública.

"O inimigo não permanecerá em silêncio em relação ao progresso e grandeza da nação, mas também há pessoas enganadas entre os manifestantes que têm demandas legítimas", complementou.

O chefe executivo iraniano enfatizou que os inimigos do Irã não verdade tolerar como conquistas do país na arena diplomática, particularmente não confronto com os EUA eo regime israelense, e alguns deles ameaçaram explicitamente que iriam causar problemas regionais contra Teerã.

Rouhani sublinhou a importância de reforçar a unidade nacional, em particular entre os três ramos do governo, como uma melhor maneira de enfrentar essas questões e resolver os problemas do povo.

"Eu acredito que o que aconteceu nos últimos dias foi, aparentemente, um tipo de ameaça, que deveria ser transformada em uma oportunidade", disse o executivo-chefe iraniano. Ele observou que nem todas as pessoas que participaram dos protestos receberam pedidos de estrangeiros e, de fato, um grupo de pessoas que vieram às ruas por causa de seus "sentimentos e problemas".

Desde quinta-feira, grupos de manifestantes iranianos organizaram protestos em várias cidades para expressar sua raiva sobre o aumento dos preços e condições econômicas. A violência esporádica entrou em erupção durante os protestos, causando várias mortes.

"Nós somos uma base de dados e com base na Constituição e nossos direitos de cidadania, o povo e completamente livres para expressar suas críticas e até mesmo o protesto", afirmou o Presidente, reiterando que a maneira de expressar críticas e protestos deve levar a melhor das condições do país e da vida das pessoas.

 

 

Jan 02, 2018 04:14 UTC
Comentários