• Comandante iraniano anuncia o fim da sedição no país

Esta quarta-feira deve ser considerada o ponto final da "sedição" no Irã, diz o comandante em chefe do Corpo de Guardas da Revolução Islâmica (IRGC), que pede aos inimigos do país que assumam a futilidade de ameaças à segurança iraniana.

Com esta proclamação, o major-general Mohammad Ali Jafari condenou os tumultos e os atos violentos cometidos no país em protestos recentes que foram realizados sob o pretexto de dificuldades econômicas, entre outros motivos.

Os Guardas Revolucionários do Irã disseram na quarta-feira que a agitação que abalou o Irã durante vários dias estava no fim e que um máximo de 15 mil pessoas haviam participado em todo o país.

"Hoje podemos anunciar o fim da sedição", disse Mohammad Ali Jafari, comandante da Guarda Revolucionária. "Havia um máximo de 1.500 pessoas em cada lugar e o número de perturbadores não excedeu 15.000 pessoas em todo o país", disse ele no site de Guardas.

"Um grande número de perturbadores da ordem publica no centro da sedição, que receberam treinamento de contra-revolucionários ... foram presos e haverá uma ação firme contra eles".

Jafari disse que os Guardas, uma força de segurança paralelo diretamente ligado ao líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, apenas intervieram "de forma limitada" nas províncias de Esfahan, Lorestan e Hamedan.

Protestos sobre problemas econômicos estouraram na segunda cidade de Mashhad em 28 de dezembro e se espalharam rapidamente por todo o país, voltando-se contra o regime em geral. Pelo menos 21 pessoas morreram na agitação, com manifestantes atacando edifícios governamentais e postos policiais em algumas áreas.

"Os contra-revolucionários intervieram massivamente nas mídias sociais", disse Jafari.  Ele disse que milhares tinham bases no exterior e treinado pelos Estados Unidos, enquanto os "monarquistas" internos e os apoiantes do grupo exilado da oposição dos Mujahideen (MKO) também estavam envolvidos.

"A falta de ação" de autoridades iranianas para encerrar apoiadores online da agitação "reforçou os problemas", afirmou. "Mas, uma vez que as restrições foram iniciadas, os problemas diminuíram".

 

 

Tags

Jan 03, 2018 14:29 UTC
Comentários