• Liga Árabe tenta resolver problemas regionais em vez de culpar o Irã

Pars Today- O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Bahram Qassemi disse que a Liga Árabe deve tomar medidas para ajudar a restaurar a estabilidade na região, em vez de repetir suas mentiras e alegações infundadas contra Teerã.

Qassemi fez as declarações na segunda-feira em resposta ao comunicado final da 29ª cúpula da Liga Árabe. "Esta afirmação, similar a declarações anteriores, estava focada em repetir afirmações falsas e infundadas e mentiras contra a República Islâmica, em vez de se concentrar em encontrar a fonte dos problemas da região", disse ele.

"A declaração final da liga estava claramente sob a pesada sombra das políticas destrutivas da Arábia Saudita", acrescentou. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã ressaltou ainda que as políticas de Teerã se baseiam no respeito à soberania de outros países e na manutenção de boas relações com seus vizinhos.

Durante a cúpula, o rei saudita Salman bin Abdulaziz criticou a influência de Teerã nos países árabes, alegando que violava os princípios do direito internacional. “Renovamos nossa forte condenação de atos terroristas realizados pelo Irã na região árabe e rejeitamos sua flagrante interferência nos assuntos internos dos países árabes”, disse ele.

A liga também pediu uma investigação internacional sobre o uso "criminoso" de armas químicas na Síria. "Nós enfatizamos nossa absoluta condenação do uso de armas químicas contra os irmãos sírios e exigimos uma investigação internacional independente para garantir a aplicação do direito internacional a todos que comprovadamente usem armas químicas", disse seu comunicado final.

A cúpula se realizou após dois dias que Estados Unidos, França e Grã-Bretanha atingiram três locais, um em Damasco e dois na cidade de Homs, na Síria, que o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou estar "associado à capacidade de armas químicas". Governo sírio.

Os três países ocidentais anunciaram que os ataques foram realizados como uma medida punitiva contra Damasco por um suspeito ataque de gás venenoso que supostamente foi conduzido em sete de abril pelo governo sírio em Douma, a maior cidade de Ghouta-Leste, perto da capital síria que matou 60 pessoas e feriu centenas de outras.

Apr 16, 2018 04:20 UTC
Comentários