• Líder: O sonho ruim de limitar o programa de mísseis do Irã nunca se tornará a realidade (+fotos)

Pars Today- O líder da Revolução Islâmica aiatolá Seyed Ali Khamenei se dirigiu a milhares iranianos reunidas no mausoléu do Imam Khomeini vindo de todo o país para participar do 29º aniversário do falecimento do fundador da Revolução Islâmica Imam Khomeini (RA).

Líder da Revolução Islâmica aiatolá Seyed Ali Khamenei, proferiu um discurso que tradicionalmente em todos os anos em uma cerimônia especial programada no Mausoléu do Imam Khomeini no sul de Teerã, faz para milhares de iranianos e estrangeiros que participam do aniversário do falecimento do pai-fundador da revolução islâmica, o Imam Khomeini.

Líder da Revolução Islâmica O aiatolá Seyed Ali Khamenei ordenou à Organização de Energia Atômica do Irã (AEOI) que faça os preparativos para o enriquecimento de urânio até um nível de 190.000 SWU sem nenhum atraso.

O aiatolá Khamenei fez os comentários em uma cerimônia realizada no Mausoléu Imam Khomeini, no sul de Teerã, para comemorar o 29º aniversário do falecimento do fundador da República Islâmica ao falar sobre o acordo nuclear do Irã com o grupo de países P5 + 1, que é oficialmente conhecido como Plano Integral de Ação Conjunta (JCPOA).

“Parece que, do que dizem, alguns governos europeus esperam que a nação iraniana atue com sanções e desista de suas atividades nucleares e continue observando limitações [ao seu programa nuclear]. Eu digo a esses governos que esse sonho ruim nunca se tornará a realidade ”, disse o Líder.

Enfatizando que a nação e o governo iranianos não podem tolerar ser sancionados e colocados na “custódia nuclear”, o aiatolá Khamenei ordenou à AEOI que tome medidas urgentes para fazer os preparativos para iniciar o enriquecimento de urânio “até um nível de 190.000 SWU em conformidade no âmbito do JCPOA ”e tomar outras medidas preliminares que o presidente ordenou a partir de amanhã.

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou em 8 de maio que Washington estava abandonando o acordo nuclear entre o Irã e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - EUA, Grã-Bretanha, França, Rússia e China - e a Alemanha.

Trump também disse que iria restabelecer as sanções nucleares dos EUA ao Irã e impor "o mais alto nível" de proibições econômicas à República Islâmica.

Em outra parte de suas observações, o Líder afirmou que todas as medidas tomadas pelos inimigos contra a República Islâmica foram resultado de seu desespero e confusão diante do governo islâmico.

As medidas contra a República Islâmica mostram o quão desesperadas estão estes governos em seu confronto com o Irã, em vez de ser um sinal de seu poder, disse o aiatolá Khamenei.

O Líder acrescentou que as medidas tomadas pelos inimigos da nação iraniana podem retardar a marcha para frente da nação, mas não podem impedir seu progresso.

“O Imam (Khomeini) nunca se sentiu fraco, nem mostrou fraqueza diante dos inimigos, mas sempre se opôs a eles com poder”, disse o líder, acrescentando que, ao lidar com conspirações de inimigos, o Imam Khomeini nunca cedia passivamente, mas enfrentava com  planos calculados.

O aiatolá Khamenei observou ainda que, ao lidar com inimigos, a República Islâmica do Irã dá prioridade às potencialidades e capacidades domésticas da nação e não tem absolutamente nenhuma confiança no inimigo.

"Estamos bem conscientes do plano do inimigo e o divulgamos para as pessoas", disse o Líder, mencionando as pressões econômicas, psicológicas e práticas como três componentes principais do complô do inimigo contra a nação iraniana.

O principal objetivo que buscam através de pressões econômicas e sanções não é apenas pressionar o governo iraniano, mas sim desiludir a nação iraniana com o sistema islâmico, disse o Líder, acrescentando que com a ajuda de Deus e através de esforços feitos por autoridades e o povo, o inimigo nunca alcançará esse objetivo.

O aiatolá Khamenei afirmou que uma das medidas psicológicas adotadas pelos inimigos contra a nação iraniana é transformar seus pontos fortes em desafios, a fim de despojar a nação desses pontos fortes.

O Líder acrescentou que, quando o Irã precisava de urânio enriquecido para fins médicos, os inimigos colocam todos os tipos de obstáculos no caminho da nação para impedir que ela alcance a tecnologia nuclear. No entanto, disse o Líder, os jovens iranianos conseguiram dominar essa tecnologia apesar dos esforços dos inimigos.

Referindo-se ao apoio do Irã aos povos oprimidos do mundo, especialmente o povo da Palestina, o aiatolá Khamenei enfatizou que o apoio aos oprimidos é uma fonte de crédito para o Irã no mundo e o país continuará apoiando as nações oprimidas e as forças de resistência na região e da integridade dos países da região.

Quanto às pressões práticas dos inimigos sobre o Irã, o Líder acrescentou que o principal passo dado pelos inimigos nesse sentido é alimentar a agitação por meio da exploração de protestos e reuniões pacíficas que as pessoas possam realizar para dar voz às suas demandas, enfatizando que o povo iraniano deve permanecer vigilante em face dos inimigos.

As cerimônias deste ano coincidem com o mês sagrado do Ramadã com centenas de milhares de muçulmanos iranianos em jejum que descem no mausoléu do Imam Khomeini, ao sul da capital Teerã.

Mais de 300 correspondentes estrangeiros estarão cobrindo o evento. O maior aeroporto do Irã, que recebeu o nome de Imam Khomeini, será fechado por quatro horas das 16:00 às 20:00, hora local, enquanto a cerimônia estiver acontecendo.

Centenas de convidados estrangeiros, incluindo acadêmicos e pesquisadores, também participam das cerimônias.

Aiatolá Seyed Rohollah Mousavi Khomeini

Nascido em 1902, Seyed Rouhollah Mousavi Khomeini tornou-se o líder icônico da luta da nação iraniana nos anos 1970 contra a tirania monárquica secular.

Imam Khomeini encabeçou um protesto popular contra as políticas do regime tirano Pahlavi, que era um aliado fundamental dos EUA. Ele foi preso e exilado em 1963 na época de protestos. Após a liberação, ele fez um discurso histórico na cidade sagrada de Qom, onde criticou a "lei de capitulação" concedendo imunidade aos americanos em solo iraniano.

Na era pré-Revolução, Imam Khomeini passou mais de 15 anos no exílio por sua dura oposição ao último monarca, Mohammad Reza Pahlavi, que o imã acreditava ser marionete das potências imperialistas ocidentais.

Enquanto no exílio, Imam Khomeini continuou a guiar a revolta contra o regime Pahlavi, que culminou na vitória da Revolução Islâmica em 11 de fevereiro de 1979.

Em abril do mesmo ano, os iranianos participaram de um referendo nacional para o país se tornar uma república islâmica.

Imam Khomeini faleceu em 3 de junho de 1989 aos 87 anos de idade.

 

Tags

Jun 04, 2018 17:30 UTC
Comentários