• Marcha e manifestações do Dia Mundial de Al-Quds no Irã na mídia global

Pars Today- As massivos passeatas do Dia Mundial de Al-Quds no Irã, realizadas na última sexta-feira do mês sagrado do Ramadã, com objetivo de expressar apoio à causa palestina, tiveram repercussão na mídia global.

Os comícios deste ano no Irã e em outros países parecem ser muito mais importantes, pois os partidários do povo palestino saíram às ruas para denunciar a transferência da embaixada dos EUA e o recente assassinato e ferimento de muitos palestinos na fronteira de Gaza com o Israel.

O Independent escreveu que os manifestantes queimaram bandeiras israelenses e americanas e uma efígie do presidente dos EUA, Donald Trump, nas ruas de Teerã, em resposta à sua decisão de transferir a embaixada dos EUA para a cidade sagrada de Al-Quds (Jerusalém), reconhecendo-a como a verdadeira capital israelense.

O Independent citou ainda o presidente do Irã, Hassan Rouhani, em seu discurso: "O Dia Mundial de Al-Quds deste ano é especial".

'Este ano, além de ser o 70º aniversário da ocupação do território palestino, estamos testemunhando que a Jerusalém, que é respeitada por todos os muçulmanos, foi denominada como a capital do regime ocupador sionista  pelos Estados Unidos , contrariando  todos os regulamentos internacionais ”, disse o jornal britânico citando presidente Rouhani.

"Este ano, também estamos testemunhando mais tirania e crimes contra o povo oprimido da Palestina, especialmente os moradores de Gaza", acrescentou, citando o presidente iraniano.

A agência de notícias russa Sputnik, por sua parte, forneceu aos seus leitores fotos tiradas do comício de Al-Quds em Teerã, relatando: "Milhares de pessoas tomaram as ruas de inúmeras cidades iranianas para apoiar o Estado palestino e se opor à ocupação israelense, bem como condenar a violência que ocorreu durante a Grande Marcha de Retorno e a mudança dos EUA para realocar sua embaixada na cidade disputada de Jerusalém (Al-Quds em árabe). '

As manifestações anti-israelenses deste ano visam opor-se à violência que eclodiu como resultado dos confrontos entre as forças israelenses e os manifestantes palestinos ao longo da fronteira da Faixa de Gaza, escreveu Sputnik.

Associated Press (AP), também, informou sobre as manifestações do Dia Mundial de Al-Quds no Irã, referindo-se à história do evento anual.

O Irã marcou o Dia de Al-Quds desde o início de sua Revolução Islâmica em 1979, escreveu a AP, referindo-se à declaração do fundador da República Islâmica Imam Khomeini em apoio à causa palestina.

A Agencia France Presse (AFP), como outra importante agência global de notícias, escreveu que os iranianos tomaram as ruas no Dia de Al-Quds, enquanto o país está sob o crescente pressão de Washington e seus aliados.

"O Irã realizou seu dia anual de protestos contra Israel na sexta-feira, determinado a mostrar desafio em um momento de crescente pressão dos Estados Unidos e seus aliados regionais", escreveu a AFP.

Citando o o presidente do Parlamento do Irã, Ali Larijani, escreveu: "Os Estados Unidos, a Arábia Saudita e Israel querem colocar o Irã em um canto, mas não sabem que com essa ação estão ameaçando sua própria segurança".

A agência de notícias francesa também descreveu a atmosfera geral nas ruas principais de Teerã durante as manifestações, dizendo: "O clima, como sempre, era uma mistura de raiva política e diversão para a família, com crianças cantando em palcos e jogando dardos em retratos de  líder israelense Benjamin Netanyahu e o saudita prendem o príncipe Mohammad bin Salman.

Enquanto isso, a agência de notícias chinesa Xinhua, em seu relatório sobre o Dia Mundial de Al-Quds no Irã, se referiu aos slogans entonados pelos manifestantes e à indignação demonstrada pelos manifestantes pela continuação da ocupação israelense, bem como pela mudança da embaixada dos EUA.

"Os manifestantes gritavam slogans anti-israelenses e anti-EUA e carregavam cartazes condenando a ocupação contínua de Israel de terras palestinas, o assassinato de manifestantes de Gaza por Israel e a mudança da embaixada norte-americana de Tel Aviv para Jerusalém", escreveu a Xinhua.

A Xinhua então citou Larijani dizendo que "sob o novo plano, os Estados Unidos e Israel não querem que os refugiados palestinos retornem à sua terra natal nem queiram impedir a construção de assentamentos israelenses na Cisjordânia".

"Eles querem dar dinheiro aos palestinos para que as pessoas renunciem ao direito de retornar à pátria", disse Larijani, segundo a agência de notícias.

O povo palestino luta há 70 anos e seu problema não é dinheiro, ele teria dito.

 

Tags

Jun 09, 2018 17:46 UTC
Comentários