• O Irã condena ataque aéreo saudita a ônibus estudantis iemenitas

Pars Today- Em comunicado na quinta-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Bahram Qassemi, expressou solidariedade às famílias dos mortos e feridos no último ataque aéreo saudita, mercado na província de Saada, no noroeste do Iêmen, no início do dia.

A rede de televisão al-Masirah do Iêmen disse que as vitimas eram um grupo de jovens estudantes que frequentavam as aulas de verão do Alcorão. O Ministério da Saúde do Iêmen disse que pelo menos 50 civis, a maioria crianças, perderam suas vidas e que outros 77 ficaram feridos no ataque, descrito por Qassemi como "crime de guerra".

A coalizão liderada pela Arábia Saudita que está em guerra contra o Iêmen continua  descaradamente e de forma desafiadora com o crime contra o povo iemenita, chamando o massacre de hoje como uma "ação legítima". Alegou que os ataques aéreos foram destinados a lançadores de mísseis usados ​​pelas forças armadas iemenitas.

A autoridade iraniana também pediu que as Nações Unidas, grupos de direitos humanos e outros atores influentes dobrem seus esforços e ajudem a interromper rapidamente esses atos de agressão.

Qassemi acrescentou que a escalada nos "bombardeios de áreas residenciais e alvos não militares era indicativa de sucessivas derrotas consecutivas das forças de coalizão no campo de batalha" contra os combatentes Houthi de Ansarullah e as forças aliadas do Iêmen - que têm defendido a nação contra o governo de Riad.

Campanha de agressão desde seu início em 2015.

A autoridade iraniana ainda criticou alguns estados por não terem acabado com seu apoio militar ao regime saudita e seus estados vassalos, apesar do derramamento de sangue no mais pobre estado da Península Arábica. Os países que fornecem ao regime saudita e seus aliados equipamentos militares "são cúmplices em seus crimes e devem ser responsáveis".

 

Aug 09, 2018 21:11 UTC
Comentários