• A grosseria desse regime desonesto (EUA)  parece não ter limites

Pars Today - Ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, criticou os Estados Unidos por lançar um violento ataque verbal ao Tribunal Penal Internacional (TPI), dizendo que a grosseria desse regime desonesto parece não ter limites.

"Os EUA ameaçam impor sanções contra TPI e até processam seus juízes nos tribunais americanos. Até onde vai chegar esta arrogância?" Zarif disse nesta terça-feira em um post em sua conta oficial no Twitter.

"Quando a comunidade internacional responderia o suficiente e obrigará os EUA a agir como um estado normal?" ele perguntou.

Em um discurso na Sociedade Federalista, um grupo conservador, em Washington, DC, na segunda-feira, o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, ameaçou sancionar os juízes do TPI que planejam investigar supostos crimes de guerra cometidos por americanos no Afeganistão, considerando-a um ataque à soberania dos EUA.

"Os Estados Unidos usarão todos os meios necessários para proteger seus cidadãos e aliados em processos injustos por parte deste tribunal ilegítimo", disse Bolton.

O ICC disse em uma declaração que continuaria a investigar crimes de guerra "não intimidados" pela ameaça da administração Trump de sanções contra seus juízes.

“O tribunal foi estabelecido e constituído sob o Estatuto de Roma, o tratado fundador do tribunal - do qual 123 países de todas as regiões do mundo fazem parte e prometeram seu apoio por meio da ratificação - como um instrumento para garantir a responsabilização por crimes que chocam a consciência de humanidade.

O tribunal é uma instituição judicial independente e imparcial”, afirmou. "O TPI, como um tribunal de justiça, continuará a fazer seu trabalho sem desmoronar, de acordo com esses princípios e com a ideia abrangente do estado de direito", acrescentou o comunicado.

Os Estados Unidos - sob a presidência do republicano George W. Bush - e seus aliados invadiram o Afeganistão em 7 de outubro de 2001 como parte da chamada guerra de Washington contra o terrorismo. A ofensiva removeu o regime dos talibãs do poder, mas depois de mais de uma década e meia, as tropas estrangeiras ainda são enviadas para o país. Depois de se tornar presidente em janeiro de 2009, o presidente Barack Obama, um democrata, prometeu acabar com a guerra no Afeganistão - um dos mais longos conflitos da história dos EUA -, mas ele não cumpriu sua promessa. Trump, que falou contra a guerra do Afeganistão, e a considerou a invasão de 2001 e após a ocupação do Afeganistão como a "guerra de Obama".

Mas Trump também anunciou o envio de milhares de tropas para o país devastado pela guerra. Ele disse que seus pontos de vista mudaram desde que entrou na Casa Branca e que continuaria a intervenção militar "enquanto nós vemos determinação e progresso" no Afeganistão.

 

Tags

Sep 11, 2018 17:40 UTC
Comentários