• Brinquedos assassinos: como o grupo do Daesh revolucionou a guerra

Pars Today- Desde 2014, o grupo do Daesh esteve intimamente envolvido em novos métodos de guerra assimétrica que influenciaram a natureza do próprio conflito.

O uso de propaganda de alta qualidade e bem produzida, o uso extensivo das mídias sociais como ferramenta de recrutamento e guerra de informações e sua brutalidade singular separaram Daesh da maioria de outros grupos armados sub-estaduais.

No entanto, no campo do uso improvisado e comercial de drones em prateleira, Daesh tem sido parte integrante de uma revolução, e que provavelmente terá profundos efeitos sobre a condução do conflito por todas as partes.

Ao longo de 2017, a mídia vinculada a Daesh divulgou mais de 200 ataques realizados por seus drones, que tinha capturado também as imagens. Esta mídia revelava uma grande quantidade de informações que se pode usar para examinar a conduta de sua campanha aérea no Iraque e na Síria. Elas variam de imagens ou vídeos e incluiu não só os ataques, mas também vislumbres de um programa de armas que efetivamente criou uma força aérea única composta inteiramente por drones. Este artigo extrairá algumas das lições que aprendemos com um ano de ataques de drones do Daesh.

Em primeiro lugar, deve-se notar que esta é uma informação inteiramente extraída das fontes do Daesh. Isso significa que cada ataque que essas imagens e vídeos representam é matéria que o Daesh pretendia divulgar. Não terão incluído os ataques que falharam, ou as bombas que não atingiram seu alvo. Mesmo acomodando-se a isso, é evidente que esses drones podem ser impressionantemente precisos.

Vários dos ataques mostram que as bombas caíram nas escotilhas abertas dos veículos e, pelo menos, um ataque em Raqqa, em outubro, aterrou imediatamente ao lado de um veículo depois de terem caído de uma altura de cerca de 1.000 pés.

Embora Daesh tivesse retratado, essas bombas tinham caído de aviões, mas parecia improvável que essa técnica tivesse sido usada em combate. Tentando atingir um alvo deixando bombinhas de um drone movente seria um exercício difícil e exigiria um alto grau de treinamento e habilidade.

Daesh não parece ter lançado nenhuma imagem ou vídeo que mostre isso realmente acontecer. Em vez disso, a análise das mídias associadas a esses ataques indica que todas essas bombas foram retiradas por aviões de asa rotativa que poderiam passar o mouse sobre o alvo, o que ajuda a explicar sua precisão.

Esta imagem, tirada de um clipe de quatro segundos  supostamente disparada a partir de um drone de Daesh, mostra a precisão de um ataque de seus drones  deixando cair este bombom para destruir um carro estacionado principalmente sob a cobertura. O bomblet cai entre os prédios e destrói o veículo.

A precisão com que essas bombas podem ser largadas amplia a aparente falta de força de fogo. Muitos exemplos de drones de Daesh que foram derrubados só têm espaço para uma única bomba. Em um tiroteio, uma única granada de 40 mm não faria muita diferença, mas quando ela pode ser jogada exatamente no lugar certo no momento certo, uma única munição pequena pode potencialmente ter um efeito explosivo estratégico. Isso foi demonstrado em outubro de 2017 quando atacou um depósito de munições do governo sírio em Deir az-Zour [veja a imagem principal no topo deste artigo]. Usando dois pequenos drones e duas pequenas bombas, eles destruíram uma grande quantidade de munições pertencentes a um exército já atado com dinheiro. Em um nível tático, esses drones podem deslocar e suprimir seus objetivos com grande efeito. Ao passar por um grupo de lutadores ao alcance do ouvido, esses drones sozinhos podem criar o medo de morte ou lesão apenas por sua presença.

É notável que, assim que as tropas ouvirem o zumbido dos drones, eles correm para a cobertura, espalhando-se em todas as direções. Esses drones também são precisos o suficiente para atingir alvos de alto valor, como grupos de comando, veículos de combate e antenas de comunicação. Essa eficácia os torna uma adição única e poderosa ao arsenal de grupos insurgentes, permitindo que eles conduzam ataques consistentemente precisos em metas importantes, uma capacidade que, na maioria dos casos, os atores sub-estaduais anteriormente não possuíam. Essas imagens também mostram a base industrial do grupo do Daesh e a capacidade de produção de armas nascente.

As munições que eles usaram nesses ataques variam de bombas que parecem ter suas barbatanas feitas de latas, munições fabricadas em massa produzidas em fábricas dedicadas em  armamentos. Cada design de bomblet tem uma história própria e pode indicar quando e onde foi criado.

Mosul, Deir az-Zour e Raqqa parecem ter sido os três principais centros da atividade do drone de Daesh, e as bombas lançadas em cada local possuem características identificáveis. Mosul viu um uso pesado de granadas de 40 mm e bombas feitas sob medida, as unidades em Raqqa usavam uma cauda de madeira esculpida em uma forma de estrela única, enquanto o Deir az-Zour viu o uso de bombas tipo "abacaxi" e barbatanas básicas de metal.

Exemplos de diferentes bombas caseiras encontradas em Mosul (esquerda), Raqqa (centro) e Deir az-Zour (direita). A mira vermelha adicionada à imagem é uma marca registrada dos vídeos de propaganda IS para identificar munições e alvos.

Considerando a padronização que é evidente em algumas dessas bombas, não é surpreendente que pareça haver uma certa quantidade de produção em massa. Mosul também viu o uso de uma bomba produzida em massa que poderia ser usado como uma bomba de drone, atirada à mão ou disparada de um rifle modificado. Utilizou uma detonante padronizada que também foi utilizada em uma grande variedade de munições. Em Raqqa, parece que pode ter usado oficinas menores para produzir essas bombas, a julgar por um vídeo que foi lançado em outubro. As bombinhas em Raqqa eram geralmente distinguidas por uma cauda de madeira em forma de estrela que estava ligada a uma variedade de ogivas. Esta gama de métodos de fabricação parece ter levado ao fabrico de bombas que parecem variar em design e qualidade. Embora este alcance possa estar relacionado à preferência local, parece provável que as cadeias de suprimentos para essas regiões também tivessem um efeito significativo sobre a construção. Enquanto as unidades de Daesh em Mosul, uma grande cidade industrializada, usavam uma bombardeia padronizada e aparentemente multiuso, ataques em outras regiões mostravam bombas que pareciam ser de qualidade questionável.

O processo de fabricação de bombas [Imagem fixa tirada do video de propaganda de Daesh]

Com sua versatilidade e pegada logística relativamente baixa, os drones improvisados ​​ ​​não só foram usados ​​por Daesh para soltar pequenas bombas - também foram empregados para realizar o reconhecimento, ajustar o fogo de artilharia e coordenar as tropas na batalha. Esta é outra capacidade que tem sido limitada principalmente aos atores estaduais nos últimos anos, embora os drones tivessem sido anteriormente utilizados em papéis semelhantes pelo Hamas, FARC, Lashkar-e-Taiba e, claro, pelo Hizballah, mesmo em uma escala muito menor.

A Daesh integrou com sucesso seus drones em outros tipos de operações, principalmente no seu programa de Dispositivo Explosivo Improvisado (SVBIED) Suicide Vehicle-Born Improvised Explosive (SVBIED).

Na batalha por Mosul, Daesh implantou centenas de carros-bomba suicidas, muitos dos quais foram pegos na câmera por drones. Esses vídeos formaram uma parte fundamental da propaganda de Daesh, demonstrando sua capacidade de liberar destruição em uma escala comparável aos ataques aéreos. No entanto, parece que Daesh não usou apenas drones para gravar os vídeos: eles também usaram imagens ao vivo dos drones para direcionar os motoristas para seus alvos. Considerando que muitos destes SVBIEDs foram blindados, deixando uma pequena fenda para que o motorista percebesse a consciência situacional fornecida pelos drones teria sido uma parte vital na orientação de um carro-bomba suicida para seu alvo.

Um excelente exemplo desse tipo de uso combinado de armas de drones foi capturado pela propaganda de Daesh de Mosul.

Um drone de Daesh observa um pequeno grupo de Forças de Segurança iraquianas antes de deixar uma bomba e parece ferir vários soldados. O drone então ganha altitude para mostrar a cena inteira, incluindo um veículo ISF que se inverte de sua posição, presumivelmente para ajudar os feridos. Segundos depois, um SVBIED, usando a confusão que o drone criou, se precipita contra o veículo militar iraquiano e detona enquanto as tropas internas estão distraídas.

Este ataque brutalmente eficaz mostra como os drones podem ser combinados com outras armas para ampliar sua eficácia, transformando um carro bomba fortemente blindado em um míssil guiado.

 

Tags

Mar 02, 2018 09:40 UTC
Comentários