• Mais operações, mais segredos, mais dinheiro: o Mossad recruta 7000 espiões

ParsToday - O serviço de inteligência israelense (Mossad) recebeu grandes mudanças, com o aumento de orçamentos e de pessoal, juntamente com a aparente multiplicidade de operações e o uso de novos métodos nos últimos anos.

De acordo com o seguinte relatório divulgado na sexta-feira pelo jornal israelense, Haaretz, foi de dois anos e meio desde Yossi Cohen foi nomeado chefe do Mossad e da agência de espionagem passou por uma série de mudanças: está desfrutando de aumento dos orçamentos do governo, está usando novos métodos e está participando de mais operações.

 O Mossad atualmente emprega cerca de 7.000 pessoas diretamente, tornando-se a segunda maior agência de espionagem no Ocidente, depois da Agência Central de Inteligência dos EUA. (CIA, por sua sigla em inglês). Há um aumento no ritmo do número de funcionários. A maior parte desse aumento ocorre em áreas relacionadas à tecnologia e ao ciberespaço.

 O Mossad de Israel, a segunda maior organização de espionagem do Ocidente, tornou-se mais rico e sofisticado com menciona Yossi Cohen. Mas o diretor é muito próximo de Netanyahu?

Uso de novos métodos

A evolução tecnológica está forçando as agências de espionagem a adotar diferentes métodos de operação: não apenas indicação de agentes para países inimigos e recrutamento de fontes de inteligência locais, mas também enganar as pessoas para agir como agentes sem o seu conhecimento, usando mercenários e confiança em novas capacidades, como ataques cibernéticos. Para evitar a identificação biométrica, bem como evitar as câmeras de segurança, as organizações de espionagem são forçadas a fazer um uso maior dos agentes locais involuntários. Em alguns casos, operações complexas envolvendo um grande número de participantes se realizavam sem que a agência enviasse uma única operação para o território inimigo. A espionagem da Coréia do Norte, por exemplo, aparentemente usou esses métodos.

O relatório recorda o assassinato do engenheiro do Movimento Palestino de Resistência Islâmica (HAMAS), Fadi al-Batsh, há quatro meses, atribuído ao Mossad. Os assassinos o alcançaram na capital da Malásia, Kuala Lumpur, em 21 de abril, e nada foi detectado pelas câmeras de segurança.

Ele também citou o assassinato de Mohammed Alzoari, um engenheiro que vive em Sfax, Tunísia, 14 de dezembro de 2016, que não foi bem documentado por câmeras de segurança e foi realizado pelos mesmos cidadãos do país e sem presença de um israelense no campo.

Uma mão livre

O Mossad sob o Cohen é um grande corpo que usa uma variedade de meios e é ativo em muitos países. Por sua vez, o primeiro-ministro Netanyahu dá a Cohen a carta branca para fazer o que quiser. O orçamento da organização cresceu de forma constante durante o mandato de Cohen; Parece que nenhuma solicitação não é cumprida. Em 2019, o orçamento de serviços secretos – o Mossad e serviço de segurança nacional Shin Beth- aumentaram de 10 bilhões de shekels (atualmente cerca de US $ 2,73 bilhões), o dobro do que era há uma década, véspera do retorno de Netanyahu ao poder. Também marcará um aumento acentuado em comparação com o orçamento de 2018, que é de 8,67 bilhões de shekels.

O Estado não divulga detalhes sobre quanto dinheiro é alocado para as duas agências, mas uma fonte familiarizada com os procedimentos de financiamento diz que o principal aumento foi no orçamento do Mossad. Houve uma época em que o Mossad era uma organização pequena e o Shin Bet era uma grande corporação. O Mossad está alcançando o Shin Bet em um ritmo vertiginoso.

O Mossad está ativo na Ásia, na África. A mensagem do Mossad ao primeiro-ministro é que as operações podem ser realizadas em todos os países do mundo, a qualquer momento.

O relatório também observou que após a assinatura do acordo nuclear das potências mundiais com Teerã, há três anos, alguns órgãos de inteligência de Israel mudaram sua ênfase para outras áreas, sob a suposição de que a nuclearização iraniana não estava mais na agenda. Mas Netanyahu continuou a se opor ao acordo, e Cohen decidiu fazer do Irã a principal prioridade de seu primeiro plano de três anos, uma decisão que ajudou a dar início à operação para levar o arquivo nuclear iraniano a Israel.

Cohen endossou a medida incomum adotada por Netanyahu quando foi ao público, com uma conferência de imprensa em 30 de abril, sobre o confisco do arquivo iraniano. Seu pensamento era que a publicidade poderia ajudar a aumentar a dissuasão de Israel.

Sobre a questão síria, Cohen, juntamente com outros funcionários de alto escalão do setor de defesa, está seguindo uma postura agressiva à qual o primeiro-ministro é muito atento. Cohen acredita que Israel pode agir livremente e agressivamente contra alvos iranianos na Síria, sem risco de confronto com o Hezbollah.

Cohen realiza muitas missões diplomáticas para Netanyahu na Europa, nos Estados Unidos, na África e nos países árabes. Ele tem laços estreitos com chefes de organizações de inteligência estrangeiras e frequentemente os hospeda na "aldeia" isolada do Mossad. Seus briefings com homólogos internacionais têm uma mensagem política uniforme: Irã, Irã, Irã, como a abordagem do Primeiro Ministro.  

 

Tags

Aug 25, 2018 21:13 UTC
Comentários