• Herzog: Israel está à beira de uma guerra civil

O líder da oposição israelense, Isaac Herzog, alerta para a crescente ódio e racismo propagada por políticos da extrema direita deste regime.

“Estamos na iminência de uma revolta de ódio, racismo e escuridão e próximas excursões e seremos testemunhas de mortos com base em ódio interno enraizado aqui" disse Herzog em um discurso no parlamento do regime de Tel Aviv. 

Segundo o líder da oposição, em estes momentos se está ouvindo o ódio promovido pelos rabinos militares contra as mulheres, por parte dos judeus contra judeus. 

Herzog acusou o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, do prevalecimento e escalada da atitude fascista nos territórios ocupados palestinos. "Quem encabeça este governo permanece em silêncio sobre a extensão do ódio, sem fazer nada para terminá-lo e tomar medidas contra os seus líderes, ou impedir que aqueles que estão por trás de tais atos continuam recebendo fundos", disse ele. 

Anteriormente, o político israelense de 55 anos tinha denunciado a recente aprovação de uma lei controversa, patrocinado pela Netanyahu, autorizando o aumento de controles aqueles ONGs que financiam mais de 50% do seu orçamento com fundos provenientes de governos e organismos estrangeiros. “Herzog disse que a lei, criticada pela comunidade internacional, simboliza o fascismo que está florescendo na sociedade israelense”. 

Netanyahu tem sido repetidamente acusado até mesmo por autoridades israelenses de ser um promotor de racismo. Em maio passado, o ex-premiê israelense Ehud Barak disse que este regime tem sido afetado pelas sementes do fascismo.

Jul 19, 2016 12:12 UTC
Comentários