• Tiroteio em hotel de Las Vegas: Número de mortos sobe para 58

O hospital de Las Vegas está a receber vítimas do tiroteio, desconhecendo-se, até ao momento, o número exato de feridos.

De acordo com a informação avançada pela polícia de Las Vegas, citada pelo The Independent, está a ser realizada uma investigação, motivada pelo relato de testemunhas que afirmam ter visto um atirador perto do Mandalay Bay Casino Resort and Casino, em Las Vegas, EUA.

Um porta-voz do Hospital Las Vegas, citado pelo The Telegraph, confirmou que pelo menos duas pessoas foram mortas e 24 ficaram feridas na sequência do tiroteio. 

Nas redes sociais, há utilizadores a partilhar imagens do hotel bloqueado e há, inclusive, quem afirme, avança o jornal britânico, que há um atirador no 32.º andar do hotel que já disparou contra um guarda-costas e um agente da polícia.

Há 50 mortos confirmados e mais de 100 feridos no tiroteio que ocorreu nas imediações do hotel Mandalay Bay Casino Resort and Casino, em Las Vegas, EUA.

A informação é confirmada pela pelo xerife local, citado pela Associated Press.

De acordo com a informação da Polícia Metropolitana de Lagas Vegas, o autor dos disparos já foi abatido, desconhecendo-se, até ao momento, aos motivações que terão estado na base do crime.

Identificado o autor de tiroteio em Las Vegas

As autoridades confirmaram, por volta das 8h, que um suspeito foi abatido, garantindo que se trata de uma "investigação ativa". Inicialmente reportava-se que poderia haver mais do que um atirador ativo mas, por volta das 08h35, a polícia de Las Vegas garantiu não acreditar que haja mais atiradores.

Em conferência de imprensa na manhã desta segunda-feira (2), a polícia confirmou que o atirador foi encontrado no 32.º andar do Mandalay Bay hotel and Casino, sendo que o mesmo poderá ter disparado desse andar para a rua. O nome do atirador é Stephen Paddock, americano de 64 anos.

As autoridades não identificaram o atirador, mas garantiram estar à procura de uma mulher, Marilou Danley, que viajou com ele para Las Vegas.

As autoridades pediram à população para evitar a área, na avenida principal de Las Vegas, que se encontra totalmente cortada neste momento. Pedem, igualmente, para que não sejam compartilhadas imagens em tempo real para não comprometer os agentes que estão no local.

Trump envia condolências a vítimas do "terrível tiroteio" em Las Vegas

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manifestou hoje condolências às vítimas e familiares de vítimas do "terrível tiroteio" que fez 50 mortos e 200 feridos num festival de música 'country' em Las Vegas.

"Profundas condolências e solidariedade às vítimas e seus familiares do terrível tiroteio de Las Vegas. Deus vos abençoe!", escreveu Trump no Twitter.

Daesh reivindica massacre em Las Vegas

O Daesh reclamou responsabilidade pelo tiroteio que fez mais de 50 mortos e mais de quatro centenas de feridos.

Num comunicado publicado na agência Amaq, citado pelo Independent, o grupo terrorista garante que o autor do massacre é um "soldado".

“O atacante de Las Vegas é um soldado do Estado Islâmico em resposta ao pedido para atacar países da coligação”, pode ler-se.

Não é possível verificar a veracidade da reivindicação, mas surge dias depois do Daesh ter divulgado um discurso onde o líder do grupo incentiva a “um ataque intensivo depois de outro contra os infiéis”.

As autoridades identificaram o autor do tiroteio como Stephen Paddock, de 64 anos. O norte-americano tinha cerca de dez armas no quarto de hotel, local onde a polícia acredita que se terá suicidado.

Porém, desconhecem até ao momento quais as motivações do autor do tiroteio e dizem não ter dados suficientes para classificar o ataque como terrorista.

Papa "profundamente triste" com tiroteio em Las Vegas

"Profundamente triste ao saber a notícia do tiroteio em Las Vegas, o Papa Francisco expressou a sua proximidade espiritual em relação a todos os afetados com esta tragédia sem sentido", anunciou o Vaticano numa nota.

"Ele elogia os esforços da polícia e do pessoal dos serviços de emergência e promete rezar pelos feridos e por todos os que estão mortos", segundo o texto assinado pelo "número dois" da Santa Sé, o cardeal Pietro Parolin.

Um atirador disparou no domingo à noite em Las Vegas sobre uma multidão que assistia a um concerto ao ar livre, matando pelo menos 50 pessoas no que constitui o tiroteio mais mortífero nos Estados Unidos em décadas.

Pelo menos 400 outras pessoas ficaram feridas.

FBI descarta ligação de atirador de Las Vegas com Daesh

FBI afirmou na tarde desta segunda-feira (2)que Stephen Paddock, responsável por matar dezenas de pessoas e deixar outras centenas feridas em Las Vegas, não tinha ligação com o grupo extremista Daesh, que assumiu a responsabilidade pelo ataque.

Paddock, de 64 anos, abriu fogo contra milhares de pessoas que participavam de um show de música country na cidade na noite do último domingo, matando ao menos 58 e ferindo outras 515. De acordo com a agência Reuters, ele teria se convertido ao islã há alguns meses, e, segundo o Daesh, estaria agindo em nomo do grupo. No entanto, em declarações à imprensa, o agente especial Aaron Rouse disse que não há conexão entre o atirador e a organização.

"À medida que esse evento se desenrola, não determinamos, até este ponto, qualquer conexão com um grupo terrorista internacional", afirmou, acrescentando que o FBI continuará investigando exaustivamente a tragédia, considerada a pior do tipo na história dos Estados Unidos. Com informações do Sputnik.

Pai do atirador foi um dos criminosos mais procurados pelo FBI

Benjamin Hoskins Paddock foi detido em 1961 depois de ter assaltado um banco em Phoenix, no estado norte-americano do Arizona.

O homem, que na época tinha quatro filhos, também era suspeito de outros assaltos a bancos, mas estes nunca foram provados. Depois de ser apanhado pela polícia, Benjamin foi preso, mas tentou fugir da prisão, tendo sido então transferido para outro estabelecimento prisional de onde conseguiu, em 1968, escapar.

Nesta fase, Stephen Paddock, o atirador de Las Vegas, tinha apenas oito anos, conta o jornal New York Daily News.

Benjamin entrou então para a lista dos criminosos mais procurados pelo FBI na qual era descrito como um “psicopata” que andava sempre com armas para assaltar bancos.

“Ele também tem tendências suicidas e deve ser considerado como muito perigoso”, lê-se no poster do FBI datado de 1969.

Oct 02, 2017 07:11 UTC
Comentários