• Seria vital para EU manter em vigor o acordo nuclear do Irã: disse Mogherini

Pars Today- A chefe de política externa da União Europeia, Federica Mogherini, reiterou o seu forte e inequívoco compromisso com a plena implementação do acordo nuclear assinado em 2015 com o Irã, dizendo que preservar o acordo seria vital.

"Os europeus sempre deixaram claro, a União Europeia sempre deixou claro que para nós, manter o acordo em vigor era vital. É um interesse estratégico para a União Europeia e vamos nos comprometer com ele", afirmou a chefe de política externa da União Europeia, na segunda-feira antes da reunião do Conselho de Relações Exteriores do bloco em Luxemburgo.

O presidente dos EUA, Donald Trump, é um crítico severo de o acordo nuclear, oficialmente conhecido como Plano Integral de Ação Conjunta (JCPOA), alcançado entre o Irã e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, China. , Rússia - mais a Alemanha. Segundo o acordo, as sanções nucleares postas em prática contra o Irã foram suspensas em troca de cortes no programa nuclear de Teerã.

O presidente dos EUA, em 12 de janeiro, ao prorrogar a suspenção de sanções contra o Irã, ameaçou retirar-se do acordo se não fossem corrigidas algumas "falhas desastrosas".

Ele disse que queria que os aliados europeus da América usassem o período de 120 dias do alívio das sanções para concordar com medidas mais duras e novas condições; caso contrário, Washington sairia do acordo.

Mogherini apontou ainda para o prazo final de 12 de maio e disse: "Estamos fazendo tudo o que podemos para trabalhar com nossos amigos americanos para garantir que todas as partes permaneçam totalmente comprometidas com a plena implementação do acordo, como é o caso até agora".

Ela mais uma vez confirmou o total cumprimento por parte do Irã de seus compromissos nucleares no âmbito do JCPOA, dizendo que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) também verificou a adesão do país ao acordo através de 10 relatórios que até este momento emitiu sobre atividades do Irã.

Desde o Dia de Implementação do JCPOA em janeiro de 2016, a AIEA tem monitorado o cumprimento por parte do Irã de seus compromissos nucleares sob o acordo nuclear e tem consistentemente verificado o cumprimento da República Islâmica.

Em um discurso em uma reunião trimestral da Assembleia de Governadores da AIEA em Viena em março, o diretor-geral da agência nuclear da ONU, Yukiya Amano, confirmou mais uma vez a concordância do Irã com o acordo nuclear de 2015, alertando que seria uma grande perda qualquer colapso do acordo.”.

"A partir de hoje, posso afirmar que o Irã está implementando seus compromissos nucleares... Se o JCPOA fracassasse, seria uma grande perda para a verificação nuclear e para o multilateralismo", acrescentou Amano.

Mogherini também enfatizou que preservar a credibilidade da AIEA era "crucial" e disse: "O trabalho está em andamento e acreditamos que seria essencial permanecermos unidos nisso". Ela acrescentou que a UE não previu nenhuma decisão de impor novas sanções contra o Irã na segunda-feira.  

"Como você sabe, já temos sanções contra o Irã; não relacionadas a armas nucleares. Não espero que os ministros [estrangeiros da UE] tomem decisões sobre isso hoje", disse a chefe de política externa da UE.

O chefe da Organização de energia nuclear iraniano disse no início do mês que seria humilhante para a Europa seguir o exemplo da política dos EUA sobre o JCPOA.

Quando perguntado sobre a possível reação dos países europeus no caso do presidente dos EUA decidir abandonar o acordo nuclear com o Irã, Ali Akbar Salehi disse: “Esta é uma questão muito complicada em termos políticos e precisa de uma análise extensiva…. É suficiente dizer que será politicamente depreciativo para a Europa seguir a política dos EUA sobre o JCPOA ”inquestionavelmente, porque prova que os países europeus não têm independência no seu processo de tomada de decisão.

Apr 16, 2018 20:00 UTC
Comentários