• Kim Jong-un e Donald Trump assinam documento

Pars Today- O presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder da Coréia do Norte, Kim Jong-un, assinaram um documento descrito pelo líder americano como importante e abrangente, após uma reunião histórica entre os dois em Cingapura.

Trump também disse que depois de assinar o documento no Hotel Capella, na ilha Sentosa, em Cingapura, na terça-feira, ele esperava que a desnuclearização na Península Coreana começasse "muito rapidamente".

Foram meses de avanços e recuos. A cimeira esteve quase certa, chegou a ser cancelada, mas esta terça-feira em Singapura faz-se história: Donald Trump e Kim Jong-un reuniram-se pela primeira vez e deram um aperto de mão cujas imagens correrão o mundo por estes dias.

Os líderes da Coreia do Norte e o dos Estados Unidos estão frente a frente pela primeira vez. A desnuclearização da península coreana mas, acima de tudo, a paz, são temas em cima da mesa.

Entre EUA e Coreia do Norte não há apenas um oceano de separação. Há décadas de tensão de uma guerra na península que nunca foi inteiramente resolvida. Na verdade, o fim da guerra nunca foi formalizado. E o apoio que norte-americanos deram aos sul-coreanos é ainda relembrado no seio do isolado e empobrecido vizinho do Norte.

Tem agora a palavra a diplomacia pelas mãos de duas figuras invulgares, à sua maneira, na atualidade da política internacional. De um lado o líder de um regime fechado, sob pressão, e com necessidade de apresentar uma vitória aos seus. Do outro o líder de uma potência democrática que vem de um G7 sob críticas e que chega aqui com a possibilidade de levar também a sua vitória, para mostrar não só aos seus apoiantes mas também aos críticos.

O que está no documento?

O documento assinado na terça-feira diz que os EUA e a Coréia do Norte "se comprometem a estabelecer [sic] novas ... relações de acordo com o desejo dos povos dos dois países pela paz e prosperidade".

A Coréia do Norte também reafirmou seu compromisso de trabalhar "rumo à completa desnuclearização da Península Coreana", uma formulação ampla que poderia significar a desnuclearização em etapas em troca de uma série de possíveis compromissos americanos ao longo do caminho.

No entanto, não havia nenhuma palavra sobre tais compromissos dos EUA, incluindo a remoção de duras sanções contra a Coréia do Norte e garantias de segurança que Pyongyang havia exigido como condição para desnuclearizar.

Os EUA e a Coréia do Norte também concordaram em trabalhar pela paz na península e abordar os casos de prisioneiros de guerra e desaparecidos em ação (MIA) da guerra da Coréia dos anos 1950, na qual os EUA estavam do lado sul-coreano.

Antes de assinar o documento, Kim disse que os dois líderes tiveram uma reunião histórica “e decidiram deixar o passado para trás. O mundo vai ver uma grande mudança ”.

O presidente dos EUA disse que havia formado um "vínculo muito especial" com Kim e que o relacionamento dos EUA com Pyongyang seria muito diferente.

"As pessoas ficarão muito impressionadas e as pessoas ficarão muito felizes e vamos cuidar de um problema muito perigoso para o mundo", acrescentou.

Perguntado se ele convidaria Kim para a Casa Branca, Trump respondeu: "Absolutamente, eu vou."

A reunião e o aperto de mão

Trump e Kim se conheceram no Capella Hotel no início do dia.

O primeiro encontro entre um presidente dos Estados Unidos e um líder norte-coreano começou às 9h da manhã, horário local, com um aperto de mão, produzindo imagens transmitidas ao vivo pela televisão nos Estados Unidos e além.

Os dois líderes se encontraram um a um, acompanhados de tradutores, por cerca de uma hora.

Trump e Kim falam com a mídia

Os dois líderes abordaram a mídia antes de entrar em sua discussão cara-a-cara. Trump disse estar confiante de que as conversações serão um "tremendo sucesso" e que "teremos um relacionamento tremendo, não tenho dúvidas".

Kim disse que “não foi fácil chegar aqui” e que “os velhos preconceitos e práticas funcionaram como obstáculos, mas nós os vencemos e estamos aqui hoje”.

"Muitas pessoas no mundo vão pensar nisso como uma forma de fantasia de um filme de ficção científica", disse o líder norte-coreano, segundo os repórteres da associação.
 

Tags

Jun 12, 2018 10:40 UTC
Comentários