• Três países europeus abrem o comércio com o Irã independente do dólar dos EUA: disse a Rússia

Pars Today- O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, diz que os três principais signatários europeus de um acordo nuclear com o Irã concordaram estabelecer laços comerciais com o Irã independente do dólar dos EUA.

Desde que o movimento unilateral dos Estados Unidos em maio para se retirar do acordo nuclear, as empresas europeias estão sob a crescente pressão de Washington para cortar os laços comerciais com Teerã.

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou em 8 de maio que Washington estava abandonando o acordo nuclear e que planeja restabelecer as sanções nucleares dos EUA ao Irã e impor "o mais alto nível" de proibições econômicas à República Islâmica.

Lavrov disse na segunda-feira que a decisão da França, Alemanha e Grã-Bretanha cobraria  principalmente às pequenas e médias empresas. Ele acrescentou que as partes restantes do acordo nuclear iraniano concordaram em elaborar medidas para proteger as empresas dos países das sanções dos EUA. O ministro russo criticou a decisão "ilegal e inaceitável" de Washington de voltar a impor sanções ao Irã. "Todos concordam que esta é uma política absolutamente ilegal e inaceitável, mas, é claro, isso dificilmente pode ser mudado e haverá bastante luta nas esferas comercial, econômica e política", disse Lavrov.

Desde que o presidente dos Estados Unidos retirou Washington do acordo nuclear histórico, os países europeus têm se esforçado para garantir que o Irã receba benefícios econômicos suficientes para persuadi-lo a permanecer no acordo.

As partes restantes do acordo prometeram permanecer no acordo. Teerã condicionou sua permanência no acordo a avanços práticos na Europa para garantir os seus benefícios do acordo.

O primeiro grupo de sanções é imposto ao setor automobilístico iraniano, ao comércio de ouro e a outras indústrias, e outras sanções ao petróleo e transações com o banco central do Irã entrarão em vigor em 6 de novembro.

Empresas europeias que trabalham no Irã enfrentam penalidades potenciais dos EUA, já que a maioria das transações é atualmente conduzida com o dólar americano. Desde a sua saída do JCPOA, o governo Trump embarcou em uma nova campanha de alarmismo entre as empresas europeias ativas no Irã, ameaçando-as com pesadas penalidades caso optassem por permanecer no Irã quando as sanções americanas voltassem ao seu lugar.

As ameaças de Washington já assustaram uma série de empresas europeias e gigantes de energia do Irã.

O chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, disse na sexta-feira que todos os signatários restantes do acordo nuclear de 2015 têm vontade política para resistir à decisão dos Estados Unidos de se retirarem do acordo.

No entanto, ele alertou que, se os lados europeus falharem em cumprir seus compromissos, o Irã adotará suas próprias medidas para conter a retirada dos EUA do JCPOA.

Na quarta-feira, o Parlamento Europeu concedeu permissão ao Banco Europeu de Investimento (BEI) para fazer negócios no Irã, enquanto os europeus se esforçam para criar mecanismos que salvem o JCPOA sem os EUA e protejam seus laços comerciais com Teerã em face do retorno das sanções americanas.

"Estamos concedendo ao BEI a possibilidade de investir no Irã se forem encontrados projetos adequados", disse Siegfried Muresan, parlamentar do Partido do Povo Europeu (EPP), de centro-direita.

Em um telefonema com seu homologo francês, Emmanuel Macron, em junho, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse que a República Islâmica deixará o acordo nuclear multilateral se não se beneficiar do acordo após a retirada dos EUA.

Rouhani disse: "Se o Irã não puder desfrutar dos benefícios do acordo, será praticamente impossível permanecer nele".

Tags

Jul 11, 2018 03:55 UTC
Comentários