Agosto é o mês de mobilização para uma causa de extrema importância para a saúde dos nossos bebês.

Isso porque nesta primeira semana do mês é celebrada a Semana Mundial de Aleitamento Materno, que tem o objetivo de facilitar e fortalecer a conscientização social para a importância da amamentação. Objetivos são buscar o apoio dos governos e diversos setores da sociedade para promover, proteger e apoiar a amamentação. Construir alianças sem conflitos de interesses para fortalecer as políticas e programas de aleitamento materno e alimentação infantil. Mobilizar e desenvolver ações para a promoção, proteção e apoio à amamentação […].

Há mais de 20 anos em todo o mundo, terá como tema “Amamentação e Trabalho: Para dar certo, o compromisso é de todos”. A ideia é mostrar que a amamentação é um direito das mulheres que trabalham. 

Estabelecida desde 1992 pela World Alliance for Breastfeeding Action(WABA), a Semana Mundial de Aleitamento Materno, que conta com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), tem o objetivo de facilitar e fortalecer a mobilização social para a importância da amamentação. Comemorada entre os dias 1 a 7 de Agosto, já envolve mais de 120 países, considerando-se as iniciativas e esforços globais relacionados com o tema.

No mundo todo, a cada ano, mais de 10 milhões de crianças com menos de cinco anos morrem de doenças que podem ser prevenidas e tratadas. Há várias intervenções preventivas e terapêuticas eficazes e de baixo custo que podem ajudar a reduzir o número de mortes entre crianças menores de cinco anos. A principal delas é o aleitamento materno até os seis primeiros meses de vida do bebê, no mínimo. Em 2017 celebra-se o 25º aniversário da Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) que busca desencadear ações conjuntas em prol da amamentação. A proteção, promoção e apoio da amamentação são os três pilares fundamentais para aumentar e consolidar as taxas de aleitamento materno, tanto em países em desenvolvimento como em países desenvolvidos. A SMAM é o momento mais importante no ano para a promoção da amamentação em todos os meios de comunicação que tenhamos acesso.

O leite materno é uma bênção divina que pode garantir a saúde e a prosperidade de crianças desde a sua nascença até o final da vida. O leite materno é o único alimento que a criança necessita dos primeiros seis meses da vida e, posteriormente, até o final do segundo ano de sua vida assegurando parte principal dos energéticos e nutrientes necessários. A amamentação é recomendada no Alcorão Sagrado e as narrativas dos anciões do Islã, enfatizam também cada vez mais os centros científicos em todo o mundo.

Hoje, os dados científicos mostram que a mudança na composição do leite materno desde o nascimento do bebê até o final da etapa de alimentação está de acordo com as necessidades alimentarias e imunologias do bebê. Já que nos primeiros dias após o nascimento da criança, o primeiro leite matriz produz é o colostro que, dada a combinação de itens tais como hidratos de carbono, lépidos, proteínas, cálcio, fósforo, vitaminas, células, imunoglobulinas, lactoferrina, cloro de sódio, albumina do soro e outras substâncias tornam o alimento ideal para a criança, de fato, proporciona imunidade à criança durante o período mais sensível e vulnerável das suas vidas.

Embora não tenham sido muitos anos que se prestam a atenção aos direitos e os problemas das crianças, em documentos como a Declaração dos Direitos Humanos e da Convenção sobre os Direitos da Criança, a religião divina do Islã durante muitos séculos se abordou os direitos de crianças e atribuiu deveres especiais a este respeito aos pais. Deus, através de sua sabedoria e grandeza, designou o leite materno como a nutrição mais completa para as crianças. A este respeito, uma parte do versículo 233 da Surata a “Vaca”, no Alcorão sagrado, Deus diz: "As mães devem amamentar seus filhos durante dois anos inteiros, se desejam um aleitamento materno completo". O Profeta do Islã (P.E.C.E) sobre a importância da nutrição do bebê pela amamentação advertiu: "Não há melhor leite, do que leite materno para a criança."

A amamentação tem muitos benefícios para a mãe e o bebê. Quando a mãe amamenta seu filho, ele sente prazer e satisfação e boa consciência, abraçando seu bebê para amamentar. Então essa troca e intercambio cria uma profunda emoção entre mãe e filho. O leite materno é o alimento perfeito e pronto sempre e disponível em todos os lugares e a sua composição muda o crescimento do bebê. Este leite é o único sob o aspecto da digestão alimentaria, estar livre de germes e infecções e não causa doenças alérgicas ou outras enfermidades. Sua composição contém proteínas, gorduras, minerais e vitaminas e temperatura é adequado para o corpo humano e controle a ansiedade bebê. Porque o bebê durante o desenvolvimento fetal -9 meses de gravidez- familiarizou-se com o organismo interno e escutando o pulso de coração de sua mãe, irritar-se com a falta de comida, falta de sono ou doença, recebendo o peito da sua mão e ouvir o ritmo do seu coração, ele rapidamente tranquiliza. Portanto, o coração de uma mãe é o melhor e a mais bela música suave para o bebê. Segundo os psicólogos, a uma distância de 30 cm, se mantem o melhor intercambio emocional entre mãe e filho que dá tranquilidade ao bebé e satisfação a sua mãe.

Beneficiar de uma alimentação e nutrição adequada é considerado um dos direitos inalienáveis ​​do bebê, de acordo com a fé islâmica. O Profeta de Allah (P.E.C. E) disse: “Um dos direitos da criança (que são as obrigações do pai), é que seu pai só lhe forneça um alimento saudável e licito”.

O corpo saudável pode afetar a saúde da alma e corpo e uma nutrição adequada afeta a saúde física, portanto, abordar o estado nutricional das crianças, de forma indireta, significa alimentar o espírito. Então, quando UNICEF sublinhou prevenir a desnutrição infantil e comunica o projeto de lei sobre nutrição com leite materno para que os Estados programassem a lei nacional do seu país, a República Islâmica do Irã, foi um dos primeiros países que tomou a iniciativa, preparou um projeto de lei e entregou-o à Assembleia Consultiva islâmica (Parlamento). Em 1374 (1995) foi aprovada uma lei que não apenas monitorara as regras de entrada e distribuição de leite suplementar e os alimentos lácteos complementares, mas também enfatizou apoio às mães durante a amamentação, com medidas como o direito de licença de maternidade e amamentação, licença amamentação por hora, preservar a segurança do emprego e acesso ao jardim de infância. Na linha de apoio às mães que amamentam, o período de licença de maternidade aumentou de 4 a 9 meses e mãe, ao abrigo deste regulamento, que podem depois que o bebê tem 24 meses, beneficia-se de pelo menos uma hora e meia de intervalo por dia. Ministérios e empresas públicas para atender o número de mães que amamentam seus bebês, devem tomar medidas como preparar um local adequado.

O importante é que o sucesso da mãe em alimentar um bebê e conseguir leite suficiente está diretamente relacionado com o apoio de seu marido e pai de seu filho. Em meio de uma vida tensa de hoje, é o dever de o pai fornecer garantias à mãe durante a lactação. As mães geralmente não acreditam no leire suplementar, mas muitas vezes sob a condição de stress, são forçados a recorrer a leite de fórmula. Tranquilidade e confiança em si, são fatores que melhoram a amamentação e incentivam a mãe a dar a comida saudável para o seu bebé.

 

Aug 02, 2017 12:33 UTC
Comentários