• A Missão do Imam Sajjad, Manter viva a memoria do Movimento do Imam Hussein (A.S)

Às vezes, proteger e manter vivo um Movimento são mais difíceis e sensíveis do que a sua criação. O Imam Sajjad (AS) assumiu essa tarefa, nos momentos mais críticos da história do Islã.

A vontade divina foi determinada em manter vivo o Imam Sajjad em Karbala, para que pudesse liderar e dirigir, prudentemente e com inteligência os acontecimentos posteriores ao levante do seu pai, Imam Hussein (AS).

Comemoração de aniversário ou falecimento dos grandes homens divinos, incluindo o Profeta do Islã (P.E.C. E), é uma oportunidade para ter uma visão geral da sua conduta e histórias da sua vida. Nestes minutos limitados, se pode ter feito apenas uma passagem rápida pela conduta destes anciãos; espera-se que esse breve conhecimento lhes proporciona o incentivo para uma ponderação mais profunda sobre a vida deste grande personalidade.

Hoje é o décimo segundo mês de Muharram, o aniversário do martírio de Imam Sajjad (AS), o progênito do Hussein ibn-Ali (AS) e o bisneto do Profeta do Islã. A era do seu Imamato ( liderança da nação islâmica) que começou logo após a incidente de Karbala e o martírio do seu pai o Imam Hussein (AS), tem características notáveis. Ele desempenhou um papel crucial neste período. O Imam Sajjad (AS) tinha cerca de 24 anos no momento da tragédia de Karbala.

Neste programa, falaremos sobre as atividades de Imam Sajjad (a paz seja com ele) destinadas a manter vivo o movimento Ashura. Estamos no aniversário do martírio de uma grande personagem da família do Profeta do Islã, que em um período perigoso que coincidiu com os anos após o levante de Karbala, com inteligência, responsabilidade e gestão, assumiu a liderança do Imamato dos muçulmanos.

Ele é o Imam Ali Bin Al-Hussein, que pela vontade divina sobrevivência da tragédia de Karbala para ser o mensageiro deste grande evento. Expressamos nosso pêsame pelo martírio de Imam Sajjad a todos os queridos ouvintes da Voz Externa da República Islâmica do Irã e, para homenagear este grande Imam, referimos a alguns fragmentos de seus padrões da vida, particularmente durante os dias difíceis depois do levante do seu pai, o Imam Hussein (a paz esteja com ele).

Imam Sajjad, o progênito do Hussein ibn-Ali, nasceu no ano 36 da Hégira lunar. Sua vida durou 57 anos. A conjuntura importante da sua vida foi o período de seu Imamato (liderança espiritual), que começou logo após o martírio do seu pai. Ele durante a tragédia de Karbala estava doente e, portanto, não poderia estar presente no campo de batalha de justos contra os injustos. Um dos historiadores e estudioso do incidente de Karbala, Hamid ibne musulmão, escreveu: No dia de Ashura, após o martírio de Imam Hussein (AS), as tropas de Yazid aproximaram a Ali ibn Al-Hussein. Ele estava doente e adormecido em sua cama. Embora tivesse sido condenada a morte, todos os homens da linhagem de Hussein, ao vê-lo deitado na cama, não o mataram. Na verdade, a doença de Imam Sajjad no dia de Ashura tinha protegido uma sabedoria divina para sobreviver e dar continuidade ao caminho e o vivacidade do movimento do seu pai.

O período do seu Imamato durou 34 anos e uma parte importante de sua responsabilidade foi levar a mensagem do levante de Karbala para a nação do Islã. Ele assume o Imamato, quando a comunidade islâmica passava por um período de altibaixos, todos os valores religiosos tinham sido distorcidos e alterados pelos Omíadas. Pensamentos ruins, oportunismo, os leigos eram as peculiaridades mais vigentes nesta situação. Os fiéis e seguidores daquele guia foram muito poucos. No período do seu Imamato, a comunidade islâmica estava envolvida em uma crise de pensamento e da crença. O povo tinha sido afastado do Ahlul Bit (Família do Profeta), e o governo tirano e corrupto omíado tentava manter o povo distraído com assuntos insignificantes e entretenimento marginal. O período do Imam Sajjad é a época mais crítica do Islã, já que os califas como Yazid e seus sucessores governavam a comunidade islâmica.

Nenhum deles não promovia as virtudes e a humanidade. A corrupção e o capricho pelos governantes omíadas expõe o Islã a outro desvio.  

O Imam Sajjad passou a segunda metade de sua vida nesse ambiente, onde estava reprimido quem falasse bem da família do profeta, então as pessoas tentaram se mantiver a certa distância com a família do profeta, sob pena de serem assediados e agredidas. Por outro lado, a expansão das conquistas islâmicas, originou a integração de tribos e que diferentes países com diversas culturas aderiam à comunidade islâmica.

Essas questões levaram o Imam Sajjad a enfrentar uma situação muito difícil e complexa, no sentido de apresentar ideias para revitalizar o sistema intelectual do Islã e recriá-lo. Ele tentou oferecer ao povo o conhecimento sobre o conceito real de religião, e induzir na alma do povo, os pensamentos islâmicos. Assim, um dos caminhos da luta do Imam Sajjad contra o regime cruel e opressivo dos Omíadas era a iluminação e esclarecimento através da difusão do conhecimento puro e nobre da família do profeta.

Segundo narrado na história, ele transforma a mesquita do Profeta do Islã em uma escola de jurisprudência para abordar assuntos diferentes como teologia, comentários, narração, filosofia, gramática, misticismo e ética, e questões científicas e teológicas.

Os mesmos esclarecimentos do dia-a-dia aumentaram o número de amigos e fiéis do Imam Sajjad, e abriu caminho para a atividade do seu filho Mohammad baquer (SA) e o Imam Sadeq (As) nos próximos anos.

Assim, ele firme e decisivo, em oração, durante os dias após o evento Ashura e os próximos anos de seu Imamato, através de diferentes táticas e estratégias, tentou enfrentar os Omíadas. Nos dias após o evento de Karbala, pronunciava sermões comoventes, influentes e entusiasmados, e realizava atividades culturais e intelectuais.

Ao longo dos anos, o Imam tentou desnudar as escuras da ignorância e, portanto, fazer brilhar o sol do Islã sobre as pessoas. A consistência e a continuidade das atividades do Imam Sajjad no campo da conscientização intelectual e cultural, dia a dia, aumentaram o conhecimento das pessoas e esclareceram a verdadeira natureza do governo corrupto na opinião pública.

Ele, como os outros sublimes infalíveis, considerava que sua missão era combater a tirania e estabelecer a justiça na comunidade. Com métodos e ferramentas existentes se esforçou para explicar o conceito de obediência à flexibilidade. O povo muçulmano da era do Imam, devido à propaganda, atividades políticas e culturais dos governos ilegais, viveu na ignorância, no abandono e desinformado das realidades políticas e religiosas.

Em tal condição, o maior e mais importante responsabilidade de Imam Sajjad foi trabalhar para o renascimento do Islã nobre apresentado por Mohammad (saudações para ele e sua descendência), determinar a posição do Imamato e liderança da família do Profeta e enfrentar a ignorância político e religioso do povo.

Além disso, o monitoramento de eventos dentro da comunidade, especialmente o desempenho dos sábios (ulemás) e pensadores, foi outra medida valiosa do Imam Sajjad. A herança cultural mais importante de Imam foi seu livro “Sahifieh Sayadieh”. Este complexo valioso é um mar infinito de conhecimento e sabedoria islâmica, levanta questões ideológicas, culturais, sociais e políticas além da oração.

O Imam Sajjad neste livro considera que o objetivo final de qualquer ação é obter satisfação divina e se aproximar do Deus Todo-Poderoso e, neste sentido, convida os homens a orar e rezar para alcançar essa realidade singular. A retorica da oração que ele usou em Sahifieh Sayadieh, ensina uma linguagem sentimental e lógica que gera um entusiasmo na alma dos homens e os prepara para receber a realidade.

Este complexo iluminado, embora oferecido na margem de oração a Deus, é um sistema educacional absoluto. Ele deixou as mais excelentes lições teológicas, espirituais e religiosas numa eloquência perfeita e através de suplicas e oração. Uma questão sempre necessária para os homens. Em suas diferentes suplicas, ele nos diz que o eixo da vida dos homens em todos os estágios deve ser o Deus e o motivo e o objetivo desse eixo é a presença divina na existência do homem. Neste sentido, um vínculo de homens com Deus, é encontrado no Sahifieh Sayadieh, que introduz o homem na sabedoria e no conhecimento de Deus.

A primeira peculiaridade do sistema educacional que Sahifieh Sayadieh é a associação com a natureza humana. Imam Sajjad conhece plenamente as necessidades naturais dos homens e confia nelas para educá-las. Uma das inclinações naturais do homem é atender à busca de Deus e aproximá-lo.

O Imam usou essa necessidade e inclinação como um terreno para preparar as almas dos homens para que eles recebessem a bondade divina.

Foi narrado que o Imam Sajjad, nas diferentes conjunções de sua vida, reavivou a memória de Karbala. Mesmo quando lhe traziam comida, lembrando as dificuldades de fome e de sede que a família do Profeta, especialmente os filhos, passava e disse: "Quando ouvi sobre a morte dos filhos de Fatemeh, algo preso na minha garganta e lágrimas começaram a fluir dos meus olhos". Além de desvendar o rosto hipocrático dos califados corruptos e enfrentar suas políticas, outra atividade do Imam Sajjad se centrou na propagação dos fundamentos do Islã e na educação e formação de seguidores prudentes.

Assim, o Imam Sajjad, durante seus 34 anos de Imamato, enfrentou a onda de crueldade na comunidade daquela época. Quando Walid bin Abdul Malik, governante omíado, se sentiu incapaz de lidar com essa corrente global, decidiu matar o Ali ibne Hussein sem entender que a luz brilhante da verdade é eterna e é para sempre.

Imam Sayad foi envenenado por Walid, martirizando no ano 94 da Hégira lunar. Ele esteve no meio da maldade e rancor contra os governantes da sua época, cada um tentando silenciar a voz do Islã. Infelizmente, os pensamentos mesquinhos e egoístas dos califados omídas terminaram com estes serviços abundantes acadêmicos e espirituais do quarto Imam xiita.

 

Oct 02, 2017 16:41 UTC
Comentários