• Irã: a soberania e a dignidade aos 39 anos do triunfo revolucionário

Pars Today- No momento, não existe um ataque mais constante e ilegal do que aquele executado pelos Estados Unidos e seus aliados incondicionais contra a República Islâmica do Irã.

Já estão passando 39 anos da agressão pelos governos norte-americanos - desde 1979 até à data atual- que não perdoam o povo iraniano se libertando de sua influência prejudicial. Para Washington, um país que busca seu próprio caminho de desenvolvimento, que tem os conceitos de soberania e dignidade como alvos, imediatamente se torna um inimigo irreconciliável. É claro que os Estados Unidos aspiram à dominação mundial, sob a premissa de que os países e seus povos estão lá para servir e permitir que o chamado "modo de vida americano" seja mantido, apesar do dano gerado em termos de respeito pelos direitos humanos, instabilidade nos cinco continentes, danos ambientais planetários e desequilíbrio entre nações em questões políticas, econômicas e militares.

Os Estados Unidos não estão à procura de amigos ou parceiros horizontais. Precisam de governos servos e obedientes que executem suas políticas hegemônicas e que, no caso do Oriente Médio, encontram sua expressão prática no fortalecimento das relações com duas das ideologias mais extremistas do mundo: o Sionismo israelense e o Wahabismo saudita. Eles, juntamente com o imperialismo dos EUA, geraram uma tríade que trouxe a morte e a dor a grande parte do Oriente Médio, do Magrebe e da Ásia Central. Parceiros na destruição e morte, na ânsia de dominação e submissão dos povos, mas, desde 1979, encontraram um rival que não se deixa dominar e que colocou uma dura batalha em defesa, não só de sua soberania, mas também em apoio a nações como a Síria, o Iraque, o povo iemenita e a Palestina como líder do Eixo da Resistência: A República Islâmica do Irã.

Uma República Islâmica com uma revolução vitoriosa e referência indubitável, para muitos povos do mundo, que completa em esses 11 de fevereiro, 39 anos desde aquela epopeia histórica, que mudou a correlação de forças até então existente na Ásia Central e Oriente Médio e com grande influência em o mundo islâmico, gerando o que se consolidou como o despertar islâmico. Um processo revolucionário chamado Daheye Fajr ou Década de Alvorada, que começa em primeiro de fevereiro de 1979 com o regresso a Teerã, de Paris, do líder religioso exilado Imam Khomeini, que encoraja a nação persa a intensificar sua luta revolucionária, finalmente, a queda do regime monárquico dos Pahlavi em 11 de fevereiro.

Estados Unidos: uma presença indesejada

A política desestabilizadora dos Estados Unidos contra o Irã, direta ou indiretamente, remonta ao menos setenta anos. Na verdade, após o fim da Segunda Guerra Mundial, Washington decidiu que, no âmbito do confronto Leste-Oeste - a chamada Guerra Fria - o Irã seria uma peça fundamental para conter os esforços hegemônicos da ex-União Soviética. Assim, consolidou-se um duplo pivô reacionário e com caraterísticas de gendarme de interesses do Ocidente no Oriente Médio: o Irã monárquico e a criação artificial da entidade sionista em 1948. Ao mesmo tempo, apoiou a conformação do regime criminal sionista em Terra palestina, os Estados Unidos desenvolveram uma estreita relação com Mohammad Reza Pahlavi, o Xá do Irã.

Em 1951, Mohamed Mosadeq foi eleito primeiro ministro do Irã, que tentou, em agosto de 1953, nacionalizar a indústria do petróleo. No mesmo mês, o Xá assina um decreto pelo qual  descarta Mossadeq, uma decisão resistida pela população forçando Mohammad Reza a fugir para Roma. Durante o curso deste processo, o chefe da CIA, Allan Dulles, chega à capital italiana, para coordenar as ações que levaram ao derrube do Mossadeq. O Xá volta ao Irã e começa a desenvolver uma política de profunda repressão. Apoiado nisso pela policia secreta fundada em 1957, o SAVAK (Sazeman-e Ettela'at va Amniyat-e Keshvar), a “Organização de Inteligência e Segurança Nacional”, cujos fundamentos, treinamento e direção estavam nas mãos da CIA.

O reinado opressivo do Xá continuou sem grandes retrocessos, no ponto de repressão, morte e exílio de seus oponentes, tornando-se fantoche e aliado mais fiel dos Estados Unidos, juntamente com Israel na região, com quem trabalharam juntos para servir a Interesses ocidentais no mundo islâmico. Além disso, Mohammad Reza reconhece Israel, como nenhum outro país da região fez, e estabelece relações estreitas entre a CIA, o Mossad e o SAVAK. Tão íntimo foi esse relacionamento, que funcionários da monarquia persa solicitaram, em 1979, aos oficiais do Mossad, assassinar o Imam Khomeini, convencido de que, dessa forma, poderiam parar a revolução iraniana. A tentativa fracassou.

Foram 39 anos de uma dura batalha de Revolução que sofreu múltiplas agressões, como foi o caso da guerra imposta entre 1980 e 1988 por regime iraquiano presidido pelo Saddam Hussein, encorajado por Washington a atacar o Irã e destruir a esta revolução jovem. A tentativa fracassou e a chamada Santa Defensa consolidou ainda mais a revolução, que começou pouco a pouco a se tornar o poder regional que é hoje, causando preocupação nos antigos poderes hegemônicos na região. Um Irã consolidado à luz de uma mensagem e uma prática que chama a conquista, a defesa e a consolidação da soberania e da dignidade como eixos fundamentais para a construção de uma identidade como país.

A consolidação e o impulso da Revolução Islâmica de Irã não têm tido isento de problemas. Em um cenário regional complexo, onde o Irã quebrou o mito da invisibilidade do Ocidente e suas marionetes regionais. Um quadro regional que destacou o enorme e transcendental papel desempenhado pela nação persa, na busca da defesa da soberania e autodeterminação dos povos da região. Uma revolução que teve suas próprias contradições e como não a ter? Se for um processo político vivo, em desenvolvimentos permanentes, com altos e baixos, com dificuldades, com pessoas mobilizadas, mas que é capaz de separar as águas daqueles que, aproveitando as demandas econômicas lógicas, tentam desestabilizar o país, fazendo o jogo em Washington e aliados, que aproveitam cada lacuna, oportunidade para tratar de quebrar a unidade revolucionaria em o Irã.

O sionismo como braço executor

O Irã tem definido, como o principal inimigo dos povos do Oriente Médio, o sionismo, tendo razão e motivo nele, porque essa ideologia não somente tem um comportamento colonialista, racista e criminal, como o apoio incondicional dos Estados Unidos, que através da influência e do poder político, econômico e militar do Comitê de Assuntos Públicos Americano-Israelense (AIPAC por suas siglas em inglês) gera a política externa dos EUA, mesmo que isso signifique estar contra o direito internacional, organismos como a ONU e suas instituições, contra os seus próprios sócios europeus, como tem sido demonstrado pelo fracasso de Washington em cumprir os Acordos do Plano Integral de Ação Conjunta (JCPOA) - O sionismo no Oriente Médio é o braço executor do imperialismo em uma simbiose sedenta de sangue, ocupando nesta ação a corrupta monarquia saudita.

39 anos após o triunfo da revolução, reedita minhas palavras, expressadas há algum tempo no contexto do concurso internacional Fajr convocado pela “Radio Voz Exterior do Irã” e, assim, significar e destacar o papel desempenhado pelo Irã na região. Um papel que brilha com mais força do que nunca, após o triunfo na assinatura do acordo nuclear, seu decidido apoio à causa do povo palestino. Como também o sustenta outorgado aos povos da Síria, do Iraque, do Iêmen e do Bahrein.

Somente a República Islâmica do Irã conseguiu conter o ímpeto do terrorismo global com filhos bastardos, criados, organizados, financiados e armados por Washington e seus aliados: somente o Irã, juntamente com o Eixo da Resistência e posteriormente com a incorporação das Forças Aeroespaciais Russas foram efetivas para combater, conter e depois destruir esses grupos terroristas, ao  contrário de uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, mais preocupada com a fragmentação da Síria e do Iraque do que a luta contra o terrorismo.

As autoridades políticas e religiosas do Irã advertiam constantemente que os Estados Unidos, desde o triunfo da revolução iraniana em 1979, foram determinados a destruir a nação persa. Por isso, sustentei e reiterei em cada aniversario do Triunfo da Década de Alvorada,  que uma das ferramentas usadas pelo imperialismo e seus parceiros sionistas e wahhabitas é mexer no fogo da ignorância, das denúncias infundadas, das ações desestabilizadoras, o mundo das sanções e do bloqueio para causar desconforto na população e criar um cenário que lhes permita implementar uma guerra contra o Irã.

Tudo isso no âmbito do que o autor francês Jean Michel Vernochet, num inestimável livro intitulado "Irã: a destruição necessária" sustenta o respeito ao papel predador de Washington e seus aliados: "devemos que destruir o Irã, claro que sim! Não só para evitar o seu eventual acesso à arma atômica (algo improvável), não só porque a independência do Irã pode pôr em causa a preeminência regional de Israel, torre de vigia ocidental no Oriente Médio ... É necessário manter, a todo custo, a posição dominante de Israel na região, que depende do monopólio regional da arma atômica ".

É evidente que o assinalado é a prova da hipocrisia e dos duplos padrões de Washington, que tendem a "rasgar roupas face ao programa nuclear iraniano", reafirmadas pelas autoridades políticas e religiosas deste país, como um programa de natureza pacífica em que foi aprovado no Acordo Nuclear assinado com o G5 + 1 e, no entanto, o governo de Donald Trump endossa a entidade sionista, que possui entre 200 a 300 artefatos nucleares. Subjuga a população palestina, cujo território ocupa militarmente. Agrida os vizinhos como a Síria e o Líbano, apoiando os movimentos terroristas de Takfiri e ações desestabilizadoras através de seus serviços de inteligência. Assassina cientistas nucleares iranianos, apoia operações políticas como o referendo curdo-iraquiano, em uma conduta de impunidade absoluta, sem que os organismos internacionais sancionem o governo colonialista presidido por corrupto Benjamin Netanyahu.

O Irã, consciente dessa realidade da impunidade que o sionismo tem - beneficiando do apoio financeiro, militar, político e diplomático de Washington e do lobby sionista nos Estados Unidos - não negligencia a defesa de sua revolução. O Irã está ciente de suas responsabilidades, não só em relação à proteção de sua sociedade, mas também ao papel que ela desempenha no Eixo da Resistência. O presidente iraniano Hassan Rouhani disse que "A nação iraniana, mais unida e poderosa do que nunca, dará uma resposta esmagadora aos inimigos durante as grandes marchas de 11 de fevereiro, quando o país comemora o 39º aniversário da vitória da Revolução Islâmica de 1979". Isso implica uma enorme carga simbólica porque a demonstração de unidade, determinação e integração da sociedade iraniana é a melhor maneira de enfrentar os ataques agressivos de seus inimigos.

O Irã em um cenário complexo, com dificuldades econômicas, com agressões ativas à ordem do dia por Washington e seus filhos bastardos, está dando uma mensagem contundente de fidelidade aos seus princípios e ideais. Conduta estranha em um mundo onde os poderes geralmente servem indignamente a hegemonias estranhas às culturas, crenças, história e relações de vizinhança. Um Irã que nos ensina que a resistência é parte da linguagem da vitória, tendo em mente a série de tramas vividas pela nação persa em 2017, que incluiu atentados em sua capital e no santuário de Imam Khomeini. A polícia de sanções criada por Washington, o apoio a grupos violentos, que tentou canalizar as legítimas aspirações da sociedade iraniana por meio de desestabilização.

Não foi por acaso que os ataques no Irã em junho do ano 2017 tiveram lugar após a visita de Donald Trump à Arábia Saudita e a Israel. Os dois lugares escolhidos para os ataques eram altamente simbólicos: o parlamento que representa o poder popular e o mausoléu de Khomeini, o fundador da República Islâmica. Isso irrita as potências imperialistas e seus parceiros sionistas e wahhabitas as alianças do Irã, sua participação ativa na defesa da paz no Iraque e na Síria. Após 39 anos da Revolução, o Irã permanece firme na defesa de sua soberania, dignidade e hoje com a necessária a economia de resistência, conceitos básicos para entender o processo iraniano.

Além das diferenças políticas, o Irã concorda com a defesa irrestrita da Revolução Islâmica e em que o inimigo comum é os Estados Unidos e seus sócios sionistas e wahhabitas. Quase quatro décadas após o triunfo, a política de cerco dos EUA não cede, mas todos os dias a Revolução iraniana faz passos gigantes na região, pelo triunfo definitivo contra o imperialismo, o sionismo e o wahabismo: os grandes males do nosso mundo. O objetivo de Washington, Tel Aviv e Riad é desestabilizar o Irã, cercá-lo, agitar a sua sociedade e, assim, livrar-se da espinha que atravessaram desde fevereiro de 1979.

Por: Pablo Jofré Leal 

Feb 12, 2018 14:59 UTC
Comentários