• Relatório do 10º Festival Internacional de Arte Visual de Fajr

O Festival Internacional de Arte Visual de Fajr é o evento maior do Irã neste ramo artístico no que os artistas compartilham suas últimas obras com os amantes da arte. Convidamos-lhes Escutar um relatório sobre a décima edição deste festival.

A cerimônia de abertura do décimo Festival Internacional de Artes Visuais de Fajr,foi realizado no dia 23 de janeiro deste ano com a participação dos principais representantes no campo das artes visuais. Como se acostuma a cada ano, se homenageou  alguns ativistas e partidários das artes visuais. Na cerimônia, foram honrados o ex assessor cultural do Irã em Bulgária, a empresa de publicações Yasawoli,a Associação de Escultores, PressBook, o Escritório de Cultura e Orientação de Kerman, a Galeria Sarban e o Ministro de Estradas e Desenvolvimento Urbano.

O Festival Internacional de Arte Visual de Fajr considera-se um espaço para mostrar as diversas capacidades das visuais desde o século VII. De acordo com este enfoque, já é a sétima vez que este festival conta com oito ramos conhecidos das artes visuais, novos meios e sugestões que estão para perto de os discursos contemporâneos. Neste ano, mais de 10.600 obras de 53 países participaram na seção de concorrência e, finalmente, foram selecionadas 88 trabalhos.

Das obras selecionadas no décimo Festival Internacional de Artes Visuais de Fajr,  33  artistas mulheres e 58  homens. Oito obras pertenceram à artistas da Bélgica, Sérvia, Bangladesh, Iraque, Peru e Turquia. Assim mesmo, abriu-se uma exibição especial de obras de artistas de países como Afeganistão, Tajikistão, Iraque, Síria e países vizinhos do Irã.

O Festival Internacional de Artes Visuais de Fajr celebra-se a cada ano com o objetivo de apresentar ideias originais  e criar um espaço de interação entre os artistas de tal forma que se beneficiem uns à outros das capacidades clássicas e novas das artes visuais, bem como compartilhar as ideias originais deste campo.

O 10º Festival Internacional de Artes Visuais de Fajr, como nas edições anteriores, esteve organizado em base às tendências de convergência entre os ramos e as artes visuais , como o videoarte e o desenho que tiveram presença de alto nível neste período do festival.

Em decorrência do festival, não teve um enfoque na capital mas se assegurou a participação de diversas cidades de todo o país. Portanto, as províncias de Azerbaijan Ocidental e Oriental, Ardebil, Isfahan, Alborz, Ilama, Teerã, Chaharmahal  Bakhtiari, khuzestan, Fars, Qazvin, Gilan, Golestã e Hamedan estão entre as províncias que albergaram mostras do décimo Festival Internacional de Artes Visuais de Fajr.

Nesta parte do festival, com o objetivo de prestar atenção aos artistas das províncias e refletir seus trabalhos a nível nacional e com um enfoque interdisciplinar, deram uma cor diferente a este grande evento artístico do país. Ademais, pela primeira vez no festival deste ano,  dez casas de pintura privadas participaram diretamente no festival e exibiram suas obras.

Por outro lado, um novo projeto titulado "Milênio" foi definido no festival de artes visuais deste ano. O projeto "Milênio" é uma visão geral da posição das mulheres nas artes visuais no Irã. De fato, as  iranianas, no Médio Oriente, são únicas neste palco. São artistas de alta tendência contemporânea mas que seguem ao mesmo tempo a tradição social, que é produto de seus sentimentos singulares. As mulheres artistas no Irã trabalham muito bem e são muito ativas na criação de suas ideias e trabalhos. Este é um grupo em massa de pessoas que trabalham de forma regular e têm lucros valiosos. Por esta razão, sugeriu-se que as mulheres artistas participem em um projeto em particular no campo da escultura, a pintura e o desenho em um projeto determinado no festival deste ano. Neste projeto, pede-lhes às artistas que desenhem uma cadeira e depois a apresentem com os vínculos emocionais relacionados com esse objeto. Neste projeto, o símbolo do estado do artista e o objeto é uma relação emocional com a vida e o meio no que vive.

A razão para nomear este projeto como "Milênio" é que as mulheres desempenham um papel importantíssimo no gerenciamento geral da maioria dos países no terceiro milênio. No marco deste projeto, 22 obras de 100 artistas foram selecionadas e expostas durante o festival. Dado que as obras são muito similares entre si, este projeto mostra uma sequência geral de posições das mulheres nas artes visuais no Irã.

Um dos participantes no décimo Festival Internacional das Artes Visuais de Fajr enfatiza que o evento deve ser um lugar permanente para apresentar obras. Uma jovem artista estudante de pintura de terceiro ano, Fatemeh Sadat Fazayel Ardakani, participou do 10º Festival Internacional de Artes Visuais de Fajr com uma obra chamada "Massacre".  Este trabalho trata sobre a contaminação do ar e usa 2200 máscaras. Quando olha esta obra de longe, pode ver uma árvore, que s simboliza a devasta de árvores. A artista tem tratado de usar uma quantidade de máscaras para recrear um sicômoro em uma parede que recorde à audiência a amargura da contaminação do ar e a morte dos seres humanos. O uso da árvore de plátano de sombra é porque é a melhor árvore para a purificação do ar e um símbolo da vida . A Sra. Fazayel Ardakani diz: "A morte é uma realidade inevitável e esperam-nos a qualquer idade e lugar. Para nós, a morte por doença, os desastres naturais, entre outros motivos é familiar e parte da vida, mas não sabemos quantas baixas humanas, deixarão as guerras e a contaminação... Desafortunadamente, quando se trata da devasta discriminação de árvores a morte por contaminação do ar está-se generalizando, já que todos sabemos que a árvore é o melhor filtro para os contaminantes no ar, e a destruição da árvore conduz à destruição humana".

Amir Rad é outro participante do 10º Festival Internacional de Artes Visuais de Fajr e suas obras têm sido expostas no Instituto Saba. Rad apresentou dois projetos em decorrência do festival, um é um vídeo artístico que inclui obras do Irã, Espanha, Itália e  Estados Unidos. Estes videos são uma seleção de trabalhos que já têm sido apresentados em festivais internacionais.

O outro projeto de Rad titula-se "Performance arte" e foi realizado pelo grupo "Beta" na galeria Saba. Rad planificou 15 atuações diferentes durante o festival e, ao respeito, disse: "A execução de Performance art tem uma relação direta com a plataforma, pelo que é possível que tenhamos atuações diferentes em um  só dia.

O artista referindo ao enfoque do Festival Internacional de Artes Visuais de Fajr para as novas artes, diz: "As artes visuais no período contemporâneo abarcam uma ampla faixa de meios, e é natural que este festival, depois de estudar esta ampla área de expressão, se moverá para adiante. Por outro lado, deve ser tido em conta que é provável que muitos lugares comuns, como as galerias, por motivos econômicos, não queiram apresentar as novas obras de arte.  Então, eventos como o Festival Internacional de Artes Visuais de Fajr, como exemplos similares em outras partes do mundo, são uma boa oportunidade para a apresentação e o apoio de tais obras. Por suposto, minha intenção de apoio não é material, mas que se compreenda a importância da presença destes trabalhos e mostrar à audiência geral, é algo muito bom".

O artista alemão Rainer Goebbels viajou ao Irã para participar no festival deste ano e realizar atuações interactivas neste evento, após visitar o campo ferial, disse: "Esta exposição, propõe ideias que surgem de uma mente reflexiva e profunda, o que é bem conhecido em todo mundo".

Agregou que "ainda que seja que isto é só uma parte da arte visual do Irã, estes trabalhos são únicos em termos de sua ideia original e apresentação".

Goebbels, sobre algumas instâncias da exposição, descreveu: "Fascinou-me esta exposição, na que os sinos penduravam do teto, e o público podia as mover e com esse movimento produzir música. Como minha educação principal está no campo da música, interessei-me neste trabalho. Por outro lado, vi um video de Teerã que se emitiu no solo, tinha vozes em seu  redor, ou balões que pareciam borbulhas e muitas outras obras".

O artista alemão disse: "Vi efeitos nesta exposição pelo que posso dizer que os iranianos entendem de arte contemporânea na mesma linguagem universal que se supõe não apresenta a arte nacional, no entanto, há séculos da cultura iraniana nele". No final, expressou sua esperança de que possa lançar um projeto de multimídia no próximo ano para o Festival Internacional de Arte Visual de Fajr.

 

 

 

Tags

Mar 08, 2018 12:17 UTC
Comentários