• A evolução do corpo e da alma no Dia da Natureza

Pars Today - Os iranianos no dia 13 de Farvardin, marcados no calendário persa como o Dia da Natureza, deixam suas casas e vão para as áreas naturais e bem temperadas da planície, deserto ou áreas arborizadas para finalizar o último dia de feriados do Eid Nowruz. Nestas localidades, familiares, parentes e amigos passam o dia no meio da natureza e retornam em anoitecer a suas casas.

Além disso, neste ano, o dia 13 Farvardin coincide com o último dia do "Etekaf" refere-se aos dias 13, 14 e 15 do mês de Rajab no calendário islâmico em que os devotos se reúnem nas mesquitas para rezar e permanecem três dias sem sair. Os fieis depois de os três dias de adoração, deixam mesquitas e voltam para suas casas após o pôr do sol, na esperança de esquecer a vida material.

É primavera e a brisa sussurra nos ouvidos das flores recorda que é hora de crescer e perfumar. Os brotos emergem do chão e a grama como um veludo verde cobre as planícies e os jardins. As montanhas estão cheias de flores silvestres e suas cores diferentes, amarelo, branco e vermelho, no meio da grama exuberante, cria um efeito especial no ambiente de primavera.

 Na mitologia iraniana, a idade do mundo é de 12 mil anos. Após este período, o mundo material acaba e os seres humanos retornam à sua posição eterna em um novo tempo. Mais claramente, as pessoas que estão neste mundo têm o dever de lutar contra o diabo e alcançar a vitória. Após este período, o mundo material acaba e os seres humanos retornam à sua posição eterna, isto é, ao paraíso. 

Portanto, eles se referem os primeiros doze dias "a festa do nascimento de seres humanos" e é uma parábola de doze mil anos de vida e batalha contra o mal, até que o décimo terceiro dia que também é uma alegoria do milênio XIII e o começo de sua libertação do mundo material. Esta crença na antiguidade iraniana causou que o décimo terceiro dia de Nowruz, fosse o dia especial em que a chuva de primavera regasse os jardins secos. 

Como o terceiro dia de Etekaf, que é um dia especial de bênção e por que os devotos, após três dias de jejum e oração imploram misericórdia para com o seu Senhor. Sobre os benefícios da oração há uma narração do Imam Sadiq (paz esteja com ele), no qual ele diz uma genuína adoração é uma oração que abre as portas do céu e para os que anunciam a realização de oração (Moazen) não há outra recompensa que o Paraíso.

 Os antigos persas consideram o 13º de Farvardin como um símbolo da vida humana no paraíso. A queda da chuva de primavera faz com que vivifiquem as vegetações e o frescor da terra como índices de paraíso, esta crença levou a considerar o dia especial 13º de Nowruz, como a chuva de primavera que vivifica a terra. Então as pessoas vão para a planície e enfrentam neste dia para derrotar o demônio da seca. 

Hoje, embora o mundo tenha testemunhado uma aparente renovação dos seres humanos, a vida mecânica tornou o homem alienado de si mesmo. Na vida humana com muita rotina, as pessoas vivem costumes que os distanciaram de sua verdade como substituto divino na terra. Portanto, para escapar desses hábitos, o homem precisa ter um lugar para pensar e purificar seu interior visa receba a presença do Senhor. 

No Irã antigo, o valor dos dias não era o mesmo. O primeiro mês do ano era divido por cinco em que em cada período de cinco dias os governantes se dedicavam a certas atividades em relação aos seus subordinados. Alguns monarcas levaram os primeiros cinco dias do ano para dedicar-se à aristocracia e os outros cinco dias para subordinados e funcionários reais, e os outros cinco dias para os guardiões e cortesãos e mais cinco dias para as pessoas da cidade e os cinco dias finais do mês para os camponeses em particular. Com a classificação dos dias marcavam as diferenças entre as pessoas e assim valorizavam os dias. 

Mas, na cultura islâmica, o critério para avaliar os tempos é diferente e, às vezes, o valor é maior. Porque, do ponto de vista dos estudiosos islâmicos, o tempo no mundo natural tem um efeito esotérico no reino. Em certos momentos, seres humanos suplicantes, como limalha de ferro no campo magnético de um imã forte, se movem mais rápido em direção a um excelente destino, de se aproximar de Deus. 

Portanto, o islamismo não é um elemento estranho na vida das pessoas. De fato, o Islã cobre todos os espaços e se adapta a diferentes condições.

Tags

Apr 01, 2018 22:37 UTC
Comentários