• Zakariya Razi, o Grande Médico Iraniano-Islâmico

Pars Today- Todos os anos a República Islâmica do Irã comemora um dos seus maiores cientistas, que, apesar do transcurso de mais de um milênio, continua a influenciar os desenvolvimentos médicos.

Mohammad ibn Zakariya Razi, foi um polímata iraniano / islâmico, médico, alquimista, filósofo e figura importante na história da medicina. Um pensador polivalente que fez contribuições fundamentais e duradouras a vários campos e é particularmente lembrado por inúmeros avanços na medicina através de suas observações e descobertas. Um dos primeiros proponentes da medicina experimental, ele se tornou um médico de sucesso e serviu como médico-chefe dos hospitais de Ray, perto da cidade moderna de Teerã e em Bagdá, no Iraque. Como professor de medicina, ele atraía estudantes de todas as origens e interesses e era compassivo e dedicado ao serviço de seus pacientes, ricos ou pobres. Fique conosco para uma reportagem sobre sua vida e seus tempos.

Razi, que era conhecido no Ocidente  como Rhazes, nasceu e faleceu na cidade histórica de Ray, que é hoje um subúrbio ao sul de Teerã, a capital iraniana. Embora seu tratado “A Vida Filosófica” ou “Kitab as-Sirat-al-Falsafiyya”; também chamado de Apologia, é um esboço amplo de sua vida. Parecia que nasceu em sua família com certo nível de educação e riqueza, o que, posteriormente, possibilita a jovem cientista o seu acesso nos estudos eruditos que suas obras atestam amplamente. Além disso, circunstâncias confortáveis ​​explicariam facilmente o relatório sobre sua ocupação inicial como cambista. Sua própria posição na vida mais tarde teria assegurado o registro de sua morte. 

Como aludido acima, Razi passou a maior parte de sua vida em sua cidade natal, Ray; no entanto, os estudos médicos e a prática de medicina, ocasionaram anos de ausência de Ray. Dizem que ele viajou para Bagdá como estudante e, mais tarde, como diretor de seu hospital, enquanto em Naishapur e Bukhara, região no Irã atual frequentava sob os governantes samanides.

Zakariya Razi levou o medicamento à nova perfeição. Em seu livro "al-Hawi fi't-Tibb" ou Autoridade em Medicina, pesquisou e introduziu mais de 700 medicamentos fitoterápicos e suas características. Este é um trabalho único na história da medicina e discute várias doenças em detalhes, juntamente com seu tratamento para o qual nem Galen, nem Hipócrates e outros médicos gregos tinham qualquer pista. 

Razi também teve acesso aos livros do famoso centro acadêmico iraniano pré-islâmico, Jondi Shapour perto de Ahvaz, que foi enriquecido pelas obras de estudiosos cristãos nestorianos que foram expulsos do Império Romano devido a diferenças polêmicas com os trinitarianos. Embora Razi viesse a incorporar o ideal de Galeno de que o excelente médico também fosse um filósofo. O próprio Razi menciona como seu professor Abu Zayd Ahmad bin Sahl al-Balkhi, mas ele também conduziu debates epistolaristas com dois dos companheiros da cidade de Abu Zayd, Abu'l-Qassim Abdullah ibn Ahmad al-Ka'bi e Abu'l-Hussain Shahed. Dúvidas relativas a Galeno demonstra a atitude crítica de Razi em relação às autoridades clássicas. No que diz respeito aos estudantes de Razi, o único nome a ser transmitido é Yahya ibn Adi, que mais tarde foi um proeminente discípulo do famoso filósofo Abu Nasr Faraabi.

Os escritos médicos de Raazi parecem confirmar os relatos dos biógrafos sobre sua posição nos hospitais de Ray e Bagdá, respectivamente. Como algumas fontes queriam, ele era tão procurado tanto por estudantes quanto por pacientes que atendia apenas aos casos mais intratáveis, referindo-se a todos os outros, por grau de severidade, a seus alunos e assistentes júnior e sênior. De qualquer forma, ele generosamente cuidou de pacientes indigentes (como testemunhas atestam) e dedicou um tratado especial às necessidades daqueles que tiveram que fazer sem tratamento especializado, como fica evidente no livro “Man la yahdhuruhu at-Tabib”, que significa Todas as pessoas. Seu próprio médico ou o que fazer na ausência de um médico.

Por outro lado, a perspicácia médica de Razi não poderia deixar de atrair a atenção dos poderosos; de fato, sua familiaridade com os príncipes da sua época despertou críticas por violar os princípios da vida filosófica. Além de estudar e escrever, ele lutou pela perfeição humana praticando a vida filosófica, que ele viu incorporada em Sócrates. O esboço de Razi da boa vida em Apologia inclui ocupação lucrativa, procriação da espécie e, geralmente, o gozo medido de bens mundanos. Quanto à sua própria conduta na vida filosófica, além de estudar e escrever, fala expressamente sua moderação geral em aquisições materiais; a busca de reivindicações legais; em comida, bebida, entretenimento, vestido, montaria, etc. Os livros e tratados de Razi são perto de duzentos títulos. Subsumindo todo o seu trabalho sob filosofia, ele, por sua vez - e ao longo das linhas aristotélicas estabelecidas - divide a filosofia em ciência natural e metafísica, por um lado, e a matemática, por outro. Ao tentar entender a epistemologia de Razi - aprendendo como progresso ilimitado e infinito - e, especificamente na medicina e alquimia, sua atitude em relação à aprendizagem de livros versus conhecimento adquirido empiricamente, deve-se tomar cuidado para distinguir suas afirmações programáticas (por exemplo, "Dúvidas relativas a Galeno") e sua prática real. Em sua monografia muito célebre, mas pouco estudada, "Sobre varíola e sarampo”, ele analisa essas devastadoras doenças transmissíveis. As traduções gregas e latinas das obras de Razi foram impressas repetidamente na Europa medieval, até meados do século XIX.

O mais volumoso dos trabalhos de Razi, é uma compilação póstuma de seus cadernos médicos e arquivos que serviu principalmente seu projeto de uma enciclopédia médica islâmica sob o título "al-Jam'e"(não confundir com "al-Hawi" ). O imenso volume de “al-Hawi” não poderia deixar de afetar sua transmissão de manuscritos. É plausível que o único e mais influente dos livros de Razi fosse seu compêndio médico “Livro para Mansur”., um volume pesado que combinasse teoria e prática. Seu sucesso é ilustrado por um grande número de manuscritos em árabe original, em hebraico, e na versão latina de Gerard de Cremona de 1175. Correspondendo com o formato dos escritos médicos de Razi - variando de enciclopédias até as mais breves monografias, que foram desenhadas como referências úteis para os longínquos praticantes - suas audiências imaginadas vão de colegas eruditos a leigos. Seus interesses temáticos igualmente abrangentes incluem desde anatomia até distúrbios específicos; para dietética (incluindo medicina sexual), matéria medica e farmácia; a questões deontológicas; e estabelecer as atitudes das pessoas em relação à medicina e seus praticantes. Além disso, Razi contratou textos autorizados de sua disciplina - especialmente Hipócrates e Galeno - em comentários, revisões e emulações. 

Razi se destaca entre os filósofos islâmicos por sua ética e suas doutrinas metafísicas e físicas, embora ele não ignore a lógica. Entre as obras físicas de Razi, seu tratado sobre visão merece menção especial por sua rejeição da teoria da extromissão de Galeno e dependência excessiva de Euclides. 

O moderno Instituto Razi, em Teerã, e a Universidade Razi, em Kermanshah, receberam o seu nome.  O Dia Nacional de Razi ( 'Dia de Farmácia') é comemorado no Irã a cada 5º do mês iraniano de Shahrivar (26 ou 27 de agosto). 

Em junho de 2009, o Irã doou um "Scholars Pavilion" ou um monumento doado pela República Islâmica do Irã ao Escritório das Nações Unidas em Viena, agora localizado na praça central Memorial do Centro Internacional de Viena. O monumento apresenta as estátuas de Raazi, Ibn Sina, Abu Rayhan Biruni e Omar Khayyam.

 

Tags

Aug 26, 2018 11:48 UTC
Comentários