• Defesa sagrada e valores permanentes

Pars Today- A defesa sagrada do povo do Irã é o documento da manifestação de uma nação que, confiando em Deus e respeitando os princípios humanos, resistiu diante da frente opressora. Portanto, os oito anos de resistência iraniana, com todos os seus altos e baixos, deixaram uma lembrança e uma cultura permanente. Nesta cultura, a recuperação da pátria não foi o único objetivo dos combatentes; mas que eles, para mostrar seu poder ao inimigo invasor, escolheram o caminho da resistência.

O período da Defesa Sagrada tem características únicas, diferentes das outras guerras da história. Uma das particularidades mais claras é o desenvolvimento da cultura do sacrifício. Dadas as esperanças que o Alcorão Sagrado dá sobre a situação dos mártires, no período do grande profeta do Islã (saudações a ele e seus descendentes) havia também essa boa cultura entre os combatentes. Deus na sura da Família de Imran considera os mártires vivos. No versículo 169 desta surata , lemos:

"E não pense que aqueles que caíram por Deus morreram, pelo contrário, eles estão vivos e apoiados com o seu Senhor." Segundo o Alcorão, os mártires são felizes por causa das bênçãos que Deus lhes deu.

O martírio representa no Islã uma morte inteligente, cujo objetivo foi dado no caminho de Deus. De acordo com esta religião, uma pessoa que morre no caminho dos objetivos supremos, a fim de estabelecer a lei e a justiça, alcançará os mais altos graus de humanidade.

O martírio, por um lado, combinou com amor e sacrifício e, por outro, produz reforma e mudança de sociedade. O mártir dá sua vida para reativar a vida humana no corpo da sociedade. A defesa dos combatentes do Islã teve o valioso apoio da cultura do martírio. É por isso que, em todos os momentos da batalha, houve uma onda de sacrifícios e seu ambiente foi repleto de cenários de defesa e bondade.

O mártir Mahmud Eftekhari escreveu: O martírio é o dom da fé. Uma herança que resta dos profetas. O martírio é para acabar com a incapacidade e o enfraquecimento. O martírio destrói o sistema de opressão. Os mártires são como estrelas no céu da história.

A guerra multilateral imposta por Saddam e seus partidários contra o Irã criou uma grande massa popular de unidade e solidariedade em um povo que pagou com a revolução islâmica um alto preço por sua liberdade. A nação iraniana, confiando na fé, continuou sua luta e resistiu aos ataques dos invasores; de uma maneira que ele pudesse obter das múltiplas dificuldades da guerra, valores como coragem, grandeza e sacrifício. Embora por muitos anos, as fronteiras sul e oeste do Irã tenham sido o local do sacrifício dos filhos desse território, a implacável fé espiritual dos jovens transformou a terra das frentes em um lugar sagrado.

Os comandantes do corpo dos guardiões da revolução islâmica do Irã declararam a forte resistência dos combatentes nas diferentes operações, considerando-os uma das razões importantes para a vitória das forças iranianas. O combatente martirizado Mahdi Zeinodin em poucas palavras sobre a resistência e sua influência na vitória disse que "somente as pessoas que apóiam sua fé em Deus podem permanecer no campo de batalha, pessoas que sempre invocam o nome de Deus em dificuldades e vitórias. Resistir com firmeza contra os inimigos, bem como as montanhas ilhadas.Estas são as características claras dos combatentes.No campo de combate, a resistência é a chave para a vitória.

A bravura dos comandantes tem sido um exemplo para o mundo inteiro durante os 8 anos de defesa sagrada. Os comandantes de alto escalão, contrariando as regulamentações normais nos exércitos do mundo, marcharam valentemente para as posições do inimigo, onde às vezes se dedicavam ao exato reconhecimento e avaliação das forças e equipamentos do inimigo.

Um dos exemplos da bravura dos combatentes iranianos durante a defesa sagrada foi a abstenção de bombardear regiões civis do Iraque. Os iranianos, para destruir os invasores, nunca ignoraram os regulamentos de integridade ou humanitários, nunca usaram os métodos do exército de Saddam como o bombardeio de escolas, áreas residenciais e hospitais, criando pânico e medo entre a população. Essa característica é algo sem precedentes na história das guerras.

Mas, por outro lado, Saddam, além de bombardear as cidades e regiões residenciais do Irã, usou massivamente bombas químicas. Os combatentes e as forças de artilharia do Irã, embora pudessem retaliar o exército iraquiano e bombardear as regiões residenciais, nunca usaram esse método. O comportamento humanitário e benevolente dos combatentes iranianos com prisioneiros iraquianos é também outro exemplo de coragem e respeito pelos direitos humanos no cenário de defesa e guerra. Quando os combatentes do islamismo pararam as forças iraquianas, ajudaram-nas e dedicaram-se às suas feridas.

A fraternidade e solidariedade nas frentes de batalha tiveram uma ampla reflexão. Os combatentes do Islã perseguindo os ensinamentos do Alcorão Sagrado, se comportaram com grandeza diante dos inimigos. A fraternidade e a profunda comunhão dos combatentes haviam transformado as frentes de batalha num grande centro de fraternidade; de uma forma que o calor desse afeto era sentido em todas as frentes de combate. Aqueles que foram à guerra tiveram tantos amigos e irmãos que não queriam voltar para sua cidade ou vila depois de alguns meses.

Por outro lado, um dos valores que os combatentes do Islã possuíam era sua desatenção ao mundo. Os jovens lutadores iranianos desprezavam os benefícios enganosos do mundo e, com um espírito cheio de amor, participavam das frentes de defesa de sua pátria islâmica.

Imam Khomeini (que ele descanse em paz) considerou que ignorar a vida mundana requer poder espiritual e disse: meus irmãos! Você superou os prazeres inúteis do mundo na frente e considera uma vida verdadeira para desfrutar de uma vida espiritual e permanente. Você é atualmente vitorioso, não importa se você falha ou ganha.

 

Tags

Sep 23, 2018 15:01 UTC
Comentários