• Direitos Humanos Islâmicos

Pars Today- Bem-vindo ao 24º episódio semanal da série Islamic Human Rights. Neste episódio, continuamos a discutir diferentes pontos de vista da religião divina do Islã e do Ocidente sobre a Liberdade.

Todos os pensadores aceitam o conceito de liberdade. No entanto, as diferenças de seus pontos de vista estão relacionadas aos limites da liberdade. A disputa entre pensadores e filósofos está relacionada com os limites que estabelecem para a liberdade.

Os pensadores ocidentais expressaram suas opiniões sobre os limites da liberdade. Por exemplo, alguns deles afirmam que os limites da liberdade são definidos por lei, e se alguém quer ser livre, ele deve ser libertado dentro do quadro de regras e regulamentos. Além disso, os pensadores ocidentais afirmam que o homem é livre desde que sua liberdade não prejudique a liberdade dos outros.

Na prática, nenhuma comunidade tem liberdade absoluta e a existência de regras e regulamentos é necessária para a administração e gestão da humanidade. Enquanto isso, qualquer lei, em sua natureza inata, restringe uma espécie de liberdade. No Ocidente, a lei apenas regula e administra a comunidade.

Embora, no Ocidente, digam que a liberdade é restrita pela lei, essa lei em si é o produto das aspirações e inclinações dos indivíduos. Isso ocorre porque no Ocidente, a lei é unicamente definida e aprovada pelos legisladores, e regras e regulamentos atendem seus interesses pessoais e coletivos. Além disso, no Ocidente, a adequação da lei não é necessariamente por sua compatibilidade com os valores humanos. As aspirações e inclinações das maiorias dos membros da comunidade levam ao estabelecimento da lei e do sistema.

Deveria perceber que isso não reflete a natureza real desses desenvolvimentos. Se alguém estudar os problemas que o Ocidente enfrenta, ele perceberá claramente que a liberdade no Ocidente está definida, com base nas demandas dos estratos superiores da comunidade, que são os ricos e os poderosos. Assim, as necessidades das pessoas não são realmente atendidas nas comunidades ocidentais.

Como foi mencionado na semana passada, a liberdade na perspectiva islâmica equivale à libertação da servidão de alguém que não seja o único criador do mundo, Deus Todo-Poderoso. Enquanto isso, quais são os limites da liberdade na visão do Islã?

No Islã, além dos obstáculos externos que restringem a liberdade humana, como as potências coloniais e os opressores; uma série de fatores internos também foram especificados que limitam a liberdade humana. Os defensores da liberdade na campanha ocidental contra os fatores externos que limitam a liberdade humana. No entanto, o Islã mantém uma visão mais ampla e mais profunda e leva em consideração outro conjunto de obstáculos, como alguns traços característicos humanos que empurram a humanidade para a inação e a fragilidade. Esses obstáculos incluem corrupção e desejos carnais. Assim, na visão do Islã, fatores internos também podem restringir a liberdade humana. Para que o homem seja livre, ele não deve estar sob o jugo de seus desejos carnais e luxúria.

Em um sentido mais amplo, no ponto de vista islâmico, se uma nação não é mantida em cativeiro por seus sentimentos, traços negativos, corrupção, medo e ganância, não seria dominada por poderes opressivos e dominadores. Esta é uma das principais diferenças nas visões do Islã e do Ocidente em relação à liberdade.

A liberdade islâmica é uma benção divina que foi concedida à humanidade com base no monoteísmo e na servidão do homem em relação ao Deus Todo-Poderoso. Essa liberdade é emparelhada com obrigações e responsabilidades, e leva a humanidade a crescer e materializar todos os talentos humanos. No Islã, existe um forte vínculo entre a vida da humanidade no mundo material e seu destino no futuro, e todas as condutas do homem desempenham um papel efetivo na verdadeira prosperidade do homem.

A religião divina do Islã colocou ênfase na piedade, na purificação da alma e no auto-crescimento, que de fato levam à libertação do homem do jugo dos obstáculos internos. A piedade impede o desvio do homem do caminho justo e a purificação da própria alma permite ao homem se livrar dos traços da corrupção. Se um indivíduo é piedoso e devoto, ele realmente alcançou a verdadeira liberdade e pode sair vitorioso diante dos poderes das palavras.

Por isso, no Islã, a liberdade não é apenas definida como a libertação da humanidade do jugo dos limites exteriores. No ponto de vista islâmico, derrotar as restrições internas concede a maior liberdade à humanidade.

No ponto de vista islâmico, a anulação das regras e regulamentos islâmicos sobre si mesmo é uma obrigação divina; cuja violação leva à punição do violador de Deus Todopoderoso. Isso ocorre porque, na visão da religião divina do Islã, a manutenção de seus direitos pessoais é uma obrigação.

Enquanto isso, no Ocidente, os limites da liberdade são estabelecidos por interesses materialistas. Em outras palavras, esforços árduos são feitos para proteger os interesses dos indivíduos, mesmo que esses interesses sejam errados e não éticos. A educação e a educação são os domínios em que a liberdade da humanidade foi enfatizada. No Ocidente, o know-how superior não é transferível e a transferência de tecnologia para países em desenvolvimento é proibida, porque se esses conhecimentos e tecnologias forem transferidos, o Ocidente não poderá mais monopolizar essas tecnologias e o poder materialista e A dominação das potências mundiais seria prejudicada.

Assim, a liberdade no Ocidente mantém limites ilógicos. Por exemplo, no Ocidente, a crítica do regime sionista de Israel é proibida e leva a punições severas. No entanto, no Ocidente, nenhum limite é estabelecido na violação de valores éticos e virtudes.

 

Tags

Jan 10, 2018 13:46 UTC
Comentários