• Direitos Humanos Islâmicos

Pars Today- Bem-vindo ao 27º episódio semanal da série Direitos Humanos islâmicos. Hoje, discutimos a perspectiva da religião divina do Islã em relação à liberdade.

Como lembrete,  foi dito que a liberdade de pensamento é uma das liberdades fundamentais da humanidade, para a qual a religião sagrada do Islã dá uma atenção especial. Também foi mencionado que o Islã mantém uma visão delicada e especial em relação à liberdade de pensamento, que o distinguiu de outras escolas humanas de pensamento.

As crenças humanas podem estar em duas bases. Às vezes, as crenças humanas estão enraizadas em pensamentos livres. Isso significa que o indivíduo seleciona sua crença com base na contemplação e na liberdade de pensamento. No entanto, às vezes, uma crença é imposta ao homem. Essa imposição de pensamento pode ocorrer através de vários meios, que podem incluir a imitação de antepassados, sem qualquer vestígio de ponderação e contemplação.

O homem se acostuma com suas crenças. Segundo os pensadores, o homem se acostuma com algo através de duas abordagens. A crença humana poderia ser baseada na contemplação. No entanto, às vezes, o homem começa a acreditar em algo devido a sentimentos, imitação dos pais, impacto do ambiente, inclinações pessoais ou interesses pessoais. Tal crença não é baseada em sabedoria e prudência.

Tal crença obstrui a contemplação. A liberdade de pensamento, de acordo com esta definição, é baseada em qualquer outra coisa que não a sabedoria, e deixa o impacto mais prejudicial sobre o indivíduo e a comunidade. O ponto importante é que, de acordo com a religião divina do Islã, a liberdade de pensamento não tem sentido neste caso. Isto porque neste caso, a liberdade é equivalente a ser mantida em cativeiro pela ignorância. Na visão do Islã, dado que neste caso a capacidade da humanidade de pensar livremente foi sabotada, outra força é necessária para libertar a humanidade. Ele deve ser capaz de libertar-se dessas cadeias para poder pensar livremente para escolher uma crença baseada em sabedoria e contemplação. Este é um dos maiores serviços que um indivíduo pode prestar à humanidade. Uma das realizações dos profetas foi que eles erradicaram as crenças supersticiosas e ignorantes das pessoas, de modo que o indivíduo seria capaz de pensar livremente sobre si mesmo, seu destino e suas crenças. Assim, a religião divina do Islã aprova a liberdade de pensamento e as crenças que estão enraizadas na liberdade de pensamento.

 No entanto, todas as crenças não são baseadas na sabedoria correta . O Islã é contra crenças que não são baseadas na liberdade de pensamento. Esta é a delicada diferença do Islã sobre o tema da liberdade de pensamento com as visões de outras escolas de pensamento.

A outra diferença delicada do Islã com as outras escolas de pensamento, especialmente com os pensadores ocidentais, é a diferença nos princípios da liberdade de pensamento. Os pensadores ocidentais basearam a liberdade de pensamento nos princípios de respeito da humanidade e na natureza pessoal da religião.

O princípio da respeitabilidade da humanidade significa que o homem é respeitável, e o respeito pela humanidade é em respeito às crenças do homem, sejam elas justas ou falsas. No entanto, como foi dito, todas as crenças não são corretas na visão da religião divina do Islã. Na visão dessa religião sagrada, somente crenças baseadas na liberdade de pensamento são aceitáveis, enquanto crenças baseadas em superstições, imitação cega e tradições ignorantes são negadas pelo Islã, porque elas não têm nada a ver com a sabedoria humana. Por exemplo, se alguém adora pedras ou ovelhas, na opinião do Islã, sua crença não é respeitável. Isso porque, se ele contemplar com sabedoria e prudência, ele percebe que tal crença o aprisionou e obstruiu sua liberdade de pensamento.

Após a aceitação de uma falsa crença pela humanidade, ele obstrui sua liberdade de pensamento. Isto é porque o homem está ligado às suas crenças. É possível que os homens concluam que as vacas deveriam ser adoradas através da liberdade de pensamentos lógicos? Este não é o caso. Tais crenças estão enraizadas em outros fatores além da sabedoria. Geralmente, aqueles que querem reprimir os outros promovem inicialmente essas crenças falsas para cumprir seus objetivos ameaçadores.

Há um paradoxo absoluto no mundo contemporâneo. Por um lado, eles dizem que a sabedoria humana deveria ser livre. Por outro lado, eles dizem que o homem também deve ser livre em suas crenças, o que significa que um idólatra ou alguém que adora vacas também deve ser livre em suas crenças. No entanto, o fato é que essas crenças são contra a liberdade de pensamento.

Os pensadores ocidentais dizem que os indivíduos são respeitados porque são seres humanos. Então, tudo o que alguém acredita deve ser respeitado. A religião divina do Islã também aponta que a humanidade é respeitável. No entanto, o Islã acredita que a liberdade de pensamento não inclui todas as crenças da humanidade. Isso é porque a humanidade pode se acorrentar. Na visão do Islã, o respeito à humanidade está ligada na sua orientação para o caminho do progresso e da perfeição. Se respeitarmos qualquer crença ignorante e supersticiosa, de fato desrespeitamos o talento e a dignidade humanos.

Além disso, em contraste com a visão dos pensadores ocidentais, que acreditam que a visão da maioria pode ser imposta à minoria, o Islã não concorda com essa perspectiva ocidental. O Islã acredita que, no que diz respeito à liberdade de pensamento, a opinião da maioria não deveria ser o critério. Isso significa que o homem não deve seguir cegamente a maioria da comunidade.

O outro tópico de importância é que o julgamento das pessoas sobre si mesmo também não deveria ser o critério. Isso ocorre porque às vezes os comentários das pessoas têm a intenção de mudar a crença de uma pessoa.

 

Tags

Apr 07, 2018 12:55 UTC
Comentários