• Islamofobia no Ocidente

Pars Today- A transferência da embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém foi realizada com os massacres dos palestinos, os principais proprietários do território palestino.

O exército sionista lançou um banho de sangue na demonstração das dezenas de milhares de palestinos que protestavam contra a transferência da embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém. Milhares de manifestantes palestinos se reuniram para protestar contra a transferência, mas Israel os repeliu por bala e defensores dos direitos humanos na declaração conjunta não disse a Israel que o protesto nos direitos civis para todas as pessoas. Na história do mundo, nenhuma abertura da embaixada foi acompanhada pelo assassinato de 58 seres humanos. Este registro desumano atribuído em conjunto a Trump e Netanyahu.

Enquanto Netanyahu, filha de Trump e seu noivo em nome do presidente dos Estados Unidos celebravam a nova embaixada dos EUA e falavam sobre a paz nos territórios ocupados, o falso exército do  regime de Israel atacando os palestinos em protesto lançou outro banho de sangue.

Nesse assassinato brutal, 58 palestinos foram martirizados e 2700 feridos, e entre os mortos havia seis crianças e adolescentes com menos de 18 anos. Mais da metade dos feridos foram feridos com as balas reais. Além disso, um bebê palestino morreu por causa da inalação de gás lacrimogêneo durante os confrontos.

Comparar o que aconteceu no dia da abertura da embaixada dos EUA em Jerusalém, dentro e fora da embaixada, é suficiente para invalidar as reivindicações dos direitos humanos dos EUA. Se tais crimes ocorreram em um país que não estava de acordo com as políticas dos EUA, Trump e seus companheiros expressaram sua preocupação com as violações dos direitos humanos, fizeram ameaças contra eles e impuseram sanções por humilhação.

O dia sangrento da abertura da embaixada dos EUA em Jerusalém permanecerá na memória de todos os palestinos, muçulmanos, amantes da liberdade e buscadores de justiça do mundo, como um dia sombrio na história da ocupação sionista.

Em tal atmosfera, Donald Trump colocou a culpa pelo massacre do povo palestino pelos sionistas no "Dia Nakba" sobre o Hamas.

A natureza do regime criminoso de Israel e seus defensores é evidente para a opinião pública, e o reflexo do assassinato dos palestinos na marcha do Dia da Terra representa bem esse fato no nível da mídia ocidental.

Libération, o jornal francês de extrema esquerda, um dia após o assassinato de palestinos no Dia Nakba, alocou sua primeira página com "Jerusalém-Gaza, uma embaixada e um massacre" manchete para a transferência simbólica da embaixada dos EUA para Jerusalém e eventos mortais, publicando uma foto em close-up dos palestinos feridos nos confrontos sangrentos na fronteira de Gaza.

De acordo com o Libération, os piromaníacos dos eventos mortais do dia Nakba são dois homens: o presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. "De fato, os dois homens descartaram simbolicamente o cancelamento do estabelecimento do Estado palestino, pela comemoração da transferência da embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém", acrescentou o jornal. Libération também publicou uma caricatura de Donald Trump.

A caricatura retrata Donald Trump andando, enquanto uma nuvem negra de chamas de fogo de sua cabeça apareceu no céu. Na foto, Donald Trump, enquanto grita, diz: "Estou chegando para estabelecer a paz no Oriente Médio".

 

Tags

Jun 05, 2018 05:25 UTC
Comentários