• Violação dos direitos humanos no Ocidente da ilusão à realidade (22-2018)

Pars Today-Como as nossas saudações aos nossos ouvintes da Voz em português da radiodifusão da Republica Islâmica do Irã, hoje abordaremos o jogo dos Estados Unidos no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Atualmente, o caso dos direitos humanos se tornou a manchete e o destaque de notícias mais lidas e mais vistas no mundo. Neste contexto, as organizações que defendem os direitos humanos têm múltiplas atividades que visam elevar a situação dos direitos humanos e enfrentar a violação dos direitos humanos em todo o mundo. A entidade de direitos humanos mais importantes do mundo é o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC). 

O Conselho de Direitos Humanos é um órgão inter-governamental de 47 membros, que além de promover e proteger os direitos humanos, também combate violações de direitos e faz recomendações aos países.

Trata-se de um fórum para discutir todas as temáticas de direitos humanos e situações que requerem atenção, ao longo do ano. Os membros são eleitos pela Assembleia Geral da ONU. Uma das diferenças entre o Conselho de Direitos Humanos e o Comitê de Direitos Humanos é sua característica legal.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU tem que estudar todos os casos de violação dos direitos humanos em países e tomar as medidas necessárias. Além disso, para ajudar a levantar a situação dos direitos humanos, deve fornecer serviços de consultoria e assistência técnica sobre o compromisso dos governos com os direitos humanos. Também tem que desenvolver relatórios rotativos sobre a situação dos direitos humanos de  países. 

Dada à importância dos direitos humanos, lamentavelmente, testemunhamos recentemente a saída dos Estados Unidos do Conselho de Direitos Humanos da ONU. A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, na terça-feira, 19 de junho, em uma conferência de imprensa em Washington, informou sobre a decisão de seu país de deixar o Conselho de Direitos Humanos da ONU. parte do órgão internacional.

A decisão foi anunciada pela embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, em coletiva de imprensa em Washington. "Por muito tempo o Conselho de Direitos Humanos tem sido um protetor de agressores dos direitos humanos e uma fossa de preconceito político", acusou a diplomata.

"Os regimes mais desumanos do mundo continuam escapando do escrutínio", acrescentou Haley, afirmando que os EUA "continuarão liderando os direitos humanos fora desse conselho erroneamente batizado. Se ele for reformado, ficaremos felizes em retornar", disse. "Damos este passo porque nosso comprometimento não nos permite continuar fazendo parte de uma organização hipócrita, autocentrada, que faz gozação dos direitos humanos."

 

Haley, disse que o órgão global é "um esgoto de preconceito político". "Damos esse passo porque nosso compromisso não nos permite continuar fazendo parte de uma organização hipócrita e egoísta que se burla dos direitos humanos", disse Haley.

Ele também denunciou que o Conselho tem um "preconceito crônico contra Israel" e pediu reformas do mesmo.

A diplomata norte-americana acusou o Conselho de defender muito debilmente os direitos humanos e argumentou que essa entidade não merece esse nome. Por outro lado, Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, acusou o Conselho de Direitos Humanos da ONU de ser uma organização dualista e apontou que alguns de seus membros são os piores representantes dos direitos humanos no mundo. Ele também argumentou que a maioria dos direitos humanos é ignorada no mundo, enquanto seus estupradores estão sentados nos assentos do Conselho e julgam as pessoas que são melhores do que eles. Pompeo disse ainda que este Conselho é a favor daqueles que se aproveitam dos direitos humanos e da confiança política.

Anteriormente, os EUA já haviam acusado o Conselho de Direitos Humanos da ONU de adotar uma postura hostil contra o regime sionista. Há um ano, a própria Haley havia solicitado reformas neste Conselho, mas aparentemente os EUA decidiram não esperar mais por essas reformas. Naquela época, Nikki Haley criticou o Conselho por acusar o regime sionista, enquanto negligenciava as medidas de alguns países, que em sua opinião, violavam os direitos humanos.

A decisão dos EUA de se retirar do Conselho de Direitos Humanos da ONU enfrentou várias críticas. Antônio Guterres, o secretário-geral da ONU, emitiu uma declaração lamentou a saída dos Estados Unidos desta entidade das Nações Unidas. Em resposta à saída dos Estados Unidos do Conselho de Direitos Humanos da ONU, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse que preferiria que o país permanecesse no órgão.

Em comunicado emitido pelo porta-voz Stéphane Dujarric, o chefe da ONU disse que o órgão com sede em Genebra era parte da “arquitetura” de direitos humanos das Nações Unidas, que tem papel importante na promoção e proteção dos direitos humanos no mundo todo.

Da mesma forma, em mensagem no Twitter, o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al-Hussein, descreveu a notícia como "decepcionante, se não realmente surpreendente". "Dada à situação dos direitos humanos no mundo de hoje, os EUA deveriam estar intensificando [os esforços], e não recuando", escreveu.

O presidente do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, o esloveno Vojislav Suc, por sua vez, alertou que o "multilateralismo e os direitos humanos estão sendo hoje diariamente desafiados", e o órgão funciona como um espaço único para discutir situações extremas e resolver problemas.

"As ações [do conselho] levam a resultados significativos para as incontestáveis vítimas de direitos humanos em todo o mundo", acrescentou o diplomata.

Por seu turno, a União Europeia (UE) lamentou  que os Estados Unidos tivessem abandonado o Conselho de Direitos Humanos da ONU e advertiu que essa decisão corre o risco de minar o papel de Washington como defensor das liberdades fundamentais e da democracia.

“Os Estados Unidos sempre foram defensores das liberdades fundamentais e a decisão de deixar o Conselho representa o risco de minar o seu papel de defensor da defesa dos direitos humanos e da democracia”, afirmou, em nome da UE, Deyana Kostadinova, embaixadora da Bulgária, país que detinha a presidência rotativa do bloco comunitário. A diplomata disse que a UE “partilha o objetivo de melhorar a eficácia” do Conselho, mas explicou que esse objetivo deve ser alcançado internamente. “A UE continuará a apoiar o multilateralismo e o sistema das Nações Unidas e especialmente a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que orgulhosamente celebra seu 70.º aniversário este ano”, concluiu.

Além disso, o governo do Reino Unido lamenta a decisão do governo dos EUA de deixar o UNHRC, disse o chanceler britânico Boris Johnson. Em sua opinião, "esta organização é o melhor instrumento que a comunidade internacional tem para lutar contra a impunidade em um mundo imperfeito e alcançar muitos dos nossos objetivos internacionais".

O presidente do Comitê de Assuntos Internacionais da Câmara Alta do parlamento russo, Konstantin Kosachov, em reação à decisão dos EUA, indicou que um país que tem poder e está seguro em suas posições, em qualquer condição, comprova sua veracidade, mesmo se é em minoria. Atualmente, os EUA falam em condições de que seus líderes, diante dos olhos espantosos de todo o mundo, mantenham as crianças longe de seus pais imigrantes indocumentados.

Nesse contexto, apenas o regime sionista acolheu a saída dos Estados Unidos do Conselho de Direitos Humanos da ONU e considerou-a uma decisão corajosa. A decisão, contudo, foi comemorada por entidades israelenses e grupos que defendem os direitos judaicos. Ao saudar a saída americana, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que seu país é "a única democracia genuína no Oriente Médio".

O gabinete do primeiro-ministro do regime israelense, Benjamin Netanyahu, considerou a medida dos EUA uma decisão contra o dualismo e as mentiras do conselho de direitos humanos da ONU. O escritório de Netanyahu argumentou que este Conselho por muitos anos mostrou que é uma organização enviesada, hostil e anti-israelense que vendeu sua missão de defender os direitos humanos. Ele então critica que este Conselho, em vez de estudar a violação dos direitos humanos nos países, adote medidas contra Israel, que, em sua opinião, é a única democracia em toda a região do Oriente Médio.

Desde que Donald Trump assumiu a presidência nos EUA, em janeiro de 2017, esse país reduziu sua colaboração com a ONU. Os EUA reduziram sua ajuda financeira a essa organização e também se retiraram da organização educacional, científica e cultural da ONU, isto é, da UNESCO e do pacto ambiental dessa organização, conhecido como Acordo de Paris.  

A decisão, contudo, foi comemorada por entidades israelenses e grupos que defendem os direitos judaicos. Ao saudar a saída americana, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que seu país é "a única democracia genuína no Oriente Médio".

Enquanto isso, os ditos e fatos de Trump contradizem claramente os direitos humanos e a liberdade de expressão. Trump é conhecido por sua forte postura anti-imigrantes e anti-muçulmana e como uma pessoa que não tem medo de insultar os outros, mesmo verbalmente. De fato, o atual presidente dos Estados Unidos considera os mexicanos como criminosos, os muçulmanos como terroristas e os africanos como cidadãos de "um país de merda". A vitória do magnata republicano nos EUA fortaleceu os movimentos racistas e violentos dentro e fora do país e eles não poupam esforços para violar os direitos humanos e as liberdades pessoais e cívicas das pessoas.

No palco da política externa, a eleição da Arábia Saudita, país famoso por violar direitos humanos e pioneiros no massacre de cidadãos indefesos na guerra contra o Iêmen, como o primeiro destino da viagem de Donald Trump ao exterior após sua chegada ao poder, mostra o nível do seu compromisso com os direitos humanos. Além disso, o apoio de Trump a continuação da construção de assentamentos sionistas nos territórios palestinos e o reconhecimento oficial de Al-Quds como a capital de Israel provocaram protestos e críticas de defensores dos direitos humanos.

A saída dos Estados Unidos do Conselho de Direitos Humanos da ONU mostra as profundas mudanças no plano governante dos Estados Unidos. A ONU e as entidades dependentes dessa organização foram criadas pelos poderes vitoriosos da Segunda Guerra Mundial. Na realidade, essas entidades foram criadas de tal maneira que os poderes vitoriosos da Segunda Guerra Mundial tiveram uma influência maior sobre eles. Na verdade, a Carta Magna das Nações Unidas foi escrita com base nos interesses das potências vitoriosas nessa luta global. Os EUA, à frente dessas potências, durante os anos da Guerra Fria e depois do desmantelamento da União Soviética e dos sistemas comunistas, se esforçaram para tirar proveito da ONU. Por outro lado, Quando o esboço de uma resolução foi levantado no Conselho de Segurança da ONU ou em outras entidades da organização internacional, considerando os interesses e políticas de Washington, o representante dos EUA o vetava. No entanto, as Nações Unidas e as organizações que dependem dela, como o Conselho de Direitos Humanos e a organização científica e cultural da ONU, isto é, a UNESCO, não ignoram facilmente as demandas e solicitações dos países fracos. Ademais, a mudança das equações no sistema internacional e a queda do poder dos EUA no cenário mundial fizeram com que o governo norte-americano já não tivesse esse antigo domínio e influência na ONU e nas organizações dependentes dele para impor suas políticas. A saída dos EUA da UNESCO, do Acordo de Paris e do Conselho de Direitos Humanos da ONU, argumentando neste último caso, as críticas fracas do Conselho ao massacre hostil dos palestinos pelo falso regime israelense falam da queda do poder de Washington e sua incapacidade As medidas adotadas por Trump nas últimas semanas antes de os migrantes e sua saída do Conselho de Direitos Humanos mostram que o governo dos EUA procura impor uma nova definição de direitos humanos baseada no racismo e apoio para os direitos humanos. Regime criminoso de Israel. Essa definição de direitos humanos é conhecida como "direitos humanos norte-americanos". Ao contrário de 70 anos atrás, os EUA não têm mais o crédito, o poder e a influência que desfrutaram após a Segunda Guerra Mundial, quando impuseram demandas a outros países. Mesmo os aliados europeus dos EUA tomaram medidas contra as políticas unilaterais da Casa Branca e claramente as confrontaram. Agora, o governo dos EUA, com essas medidas, só conseguiu se isolar no cenário mundial e suas políticas perderam sua influência anterior e ninguém mais as respeita.

 

Jul 24, 2018 09:12 UTC
Comentários