• Genocídio silencioso dos muçulmanos em Myanmar

Neste programa se aborda o tema de atos desumanas dos budistas contra a minoria muçulmana, os Rohingyas em Myanmar.

Atualmente, muitos muçulmanos em todo o mundo enfrentam uma variedade de violência étnica, religiosa e racista. Em muitos países, o quadro apresentado do Islã é uma religião que promove a violência e o extremismo, enquanto os muçulmanos na Europa, na maioria dos países em crise na África, EUA e alguns países da Ásia Oriental são as verdadeiras vítimas de violência e extremismo. Podemos dizer que um dos seguidores mais oprimidos de religiões divinas são muçulmanos. Por um lado, devido à interpretação errônea do Islã e seus ensinamentos baseados na justiça e na promoção dos valores humanos e morais por correntes desviantes, como wahabismo, os muçulmanos são alvos de grupos terroristas e takfiris como Daesh na Síria, Iraque, Líbano e muitos outros países. Por outro lado, em muitos países da Europa e os EUA por um simples fato de serem muçulmanos, eles são perseguidos e massacrados. A minoria muçulmana em todos os países não-islâmicos é uma das comunidades mais tranquila e pacífica que se adapta às regras da sociedade no país de residência. Mantendo sua identidade islâmica tratar desempenhar um papel eficaz no desenvolvimento e na cultura do país onde vivem. Uma das minorias mais oprimidos, não só como um muçulmano, mas como uma minoria religiosa no mundo, são os Rohingyas, birmaneses que vivem na Ásia Oriental. A minoria muçulmana que está enraizada no território birmanês, especialmente no estado de Rakhine, situado em Myanmar ocidental (Burma). Desde 1992, o governo budista não reconhece Rohingyas como cidadãos e os considera Bengalis e imigrantes. Enquanto isso, a ONU descreve como a minoria mais perseguida no mundo.

Um jovem de 19 anos muçulmano imigrante de Myanmar conta sua história terrível, diz: "Eu nasci em Myanmar, mas o governo não me reconhece e me diz que eu não pertenço a Mianmar. Eu cresci em Bangladesh, mas o governo de Bangladesh me disse que eu não podia ficar lá. Como Rohingyas, encontro-me entre espada e parede”.

As imagens terríveis de ataques contra muçulmanos em Mianmar indicam claramente o sofrimento desumano dessas pessoas no século XXI. O governo militar, com 50 milhões de budistas que vivem lá, está disposto a aniquilar e destruir uma minoria de três milhões de pessoas. A ministra das Relações Exteriores birmana, a Premia Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, também permanece em silêncio sobre o genocídio, discriminação e violência contra muçulmanos de Rohingya. O único favor que fez Aung San Suu Kyi aos Rohingyas no estado de Rakhine nas últimas semanas foi ter permitido a jornalistas para entrar na área fortemente restringida aos muçulmanos. Os muçulmanos de Rohingya, em esta oportunidade rara, foram capazes de comunicar com os repórteres e denunciar a injustiça e sofrimento suportado. Um grupo de mulheres muçulmanas na presença de correspondentes relatou que no dia anterior um grupo atacou onde vivem e sequestraram muitos homens, mulheres e crianças.

Uma mulher sobre a detenção de seu filho diz: “Meu filho não é um terrorista”. Ele foi preso por supostas acusações, enquanto trabalhava no campo. Segundo um relatório recente da ONU, pelo menos 75 mil Rohingyas fugiram de suas casas em direção Bangladesh. Rohingyas devido às políticas discriminatórias e racistas dos extremistas budistas, apoiados pelo governo e militares de Myanmar, suportam a fome e outro sofrimento. O Programa Alimentar Mundial, em seu último relatório disse que mais de 80 mil crianças muçulmanas em Mianmar precisam de tratamento contra a desnutrição na parte ocidental do país, onde os muçulmanos são alvos de ataques budistas.

Crimes cometidos por budistas de Mianmar contra os muçulmanos neste país são equivalentes às atrocidades de grupos terroristas takfiris na Síria e no Iraque. A população Rohingya foi submetida a execuções sumárias, violações de gangues e o incêndio de aldeias inteiras. Em imagens lançada recentemente nas redes sociais pode ver como alguém com uma arma de choque tortura um menino de 3 anos sentado no chão, só porque seus pais pertencem à minoria Rohingya em Myanmar (Burma).

Mas essas imagens terríveis não afetam o coração humano de qualquer homem que ama a liberdade nem no Ocidente nem em Yangon, a capital de Mianmar. Aung San Suu Kyi, Prémio Nobel da Paz, ainda preferia como no período do regime militar, permanecem em silencioso ante os comportamentos racistas contra os Rohingyas. Quando uma figura destacada e libertadora como Aung San Suu Kyi considera liberalismo ocidental como critério de direitos humanos, não se pode esperar mais. No liberalismo ocidental, os direitos humanos é uma ferramenta para promover objetivos políticos. Portanto, no momento em que os governos ocidentais aproveitam para pressionar o governo militar de Mianmar e apresentam Aung San Suu Kyi como ícone da democracia. Esta mesma figura libertadora, para preservar a sua posição política, prefere permanecer em silêncio e ignorar o assassinato e genocídio de milhares de Rohingya só por causa de sua religião. Aung San Suu Kyi, quatro anos atrás em uma reunião com José Manuel Barroso, Presidente da Comissão Europeia, em resposta à grande preocupação da violência contra muçulmanos em Mianmar, tinha dito que não podia falar em nome dos Rohingyas. Ela tinha anunciado que duas semanas antes destas declarações, mais de 100 milhares de muçulmanos de quatro aldeias tinham sido deslocados e as suas casas tinham sido completamente queimadas.

As ações militares respaldadas pelo governo e o exército birmanês contra os muçulmanos é contrário aos ensinamentos de Buda. Ao matar muçulmanos de Rohingya, budistas extremistas prejudicam a imagem de Buda e seus seguidores na opinião das pessoas em todo o mundo. Quase todo o mundo conhece Buda e se não conhece seus ensinamentos, pelo menos já ouviu a história de sua vida, “um príncipe indiano, que está deixando sua vida de luxo do palácio paterno e, pela verdade, sofre muito até que cria uma escola baseada no slogan “Caminho do Meio”, ou seja, a adoção de moderação em todos os elementos da vida”. o Caminho do Meio refere-se à visão iluminada do Buda sobre a vida e as ações e atitudes que podem criar felicidade para si mesmo e para os outros; está baseado em esforço contínuo e dinâmico para aplicar a sabedoria budista para as interrogantes e desafios da vida e da sociedade. Entre os principais ensinamentos do budismo a que todos os budistas se referem em suas orações e sussurros são os cinco preceitos. Algum destes princípios diz: “Aceito o princípio da formação de se abster de matar”. “Aceito o princípio da formação de não tomar o que não foi me dado”. O relatório e as imagens comovedoras e terríveis que são publicados estes dias sobre o assassinato de muçulmanos em Mianmar são totalmente contrários aos princípios do budismo. Isto revela que, se uma religião afunda em extremismo religioso, seus seguidores ignoram até mesmo os ensinamentos mais básicos de sua fé. Monges em Myanmar, não só não hesitam em matar muçulmanos ou queimar e saquear seus bens, mas também sem qualquer misericórdia, incentivam os budistas comuns a tomar esta atitude.

 

Aug 03, 2017 04:22 UTC
Comentários