• Islamofobia no Ocidente (23)

Neste programa, abordamos a questão do fim do fenômeno de Daesh (sigla árabe do grupo terrorista ISIL) na Síria e no Iraque, como uma das principais correntes que foi fundada com o propósito de destruir a imagem do Islã e as razões para fortalecer a correntes anti-islâmicas no Ocidente.

No sábado, 9 de dezembro, as unidades do exército iraquiano realizaram um desfile militar para anunciar o fim da presença de Daesh na Zona Verde de Bagdá. Os iraquianos testemunharam o vôo de dezenas de helicópteros e aviões de combate no céu de Bagdá por ocasião da derrota total do ISIL. O primeiro-ministro do Iraque e o comandante em chefe das Forças Armadas, Haidar al-Abadi, anunciaram nesta ocasião 10 de dezembro como feriado. Além disso, a terceira conferência sobre como confrontar a mídia e o pensamento de Daesh foi inaugurada na quarta-feira, 13 de dezembro, em Bagdá. Mais de 120 especialistas de 42 países participaram desse fórum de dois dias. Nesse evento, presidido pelo primeiro-ministro iraquiano Al-Abadi, foram discutidas as medidas para lutar contra o pensamento de Daesh. Além disso, a experiência do Iraque em ganhar contra o terrorismo, bem como a divulgação da paz e da segurança internacional, foram outros temas dessa conferência.

A derrota do ISIL na Síria e no Iraque significou a destruição de um dos exemplos da demonização da imagem da misericórdia do Islã na opinião pública mundial, especialmente no Ocidente. Apesar de interpretações desviantes e violentas há muito existirem entre algumas tendências salafistas no Islã, apenas uma porcentagem muito pequena da população de um milhão e meio de muçulmanos no mundo tem percepções desviantes e irrealistas dos ensinamentos pacíficos e justos de a fé islâmica. Mas o que aconteceu com essa pequena seção da comunidade muçulmana que conseguiu atrair a atenção mundial e destruir a figura do Islã, cometiendo os crimes mais sérios? Na verdade, seus crimes são considerados outro rosto da islamofobia no Ocidente. Após o colapso da ex-União Soviética e dos regimes comunistas, o Ocidente perdeu seu inimigo mais importante. A política externa para a segurança global dos governos ocidentais baseada no intervencionismo, na sua direção, o bloco ocidental, só foi justificada pela existência de um inimigo chamado comunismo.

Após o colapso da antiga  União Soviética, como o Ocidente poderia justificar sua supremacia em todo o mundo? Mesmo a filosofia existencial da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), o pacto de segurança mais importante entre os países ocidentais, teria desaparecido. Desde o início das tentativas de substituir o perigo do islamismo em vez do perigo do comunismo, a propagação do extremismo e do terrorismo no mundo em nome do Islã foi o foco central dos think tanks (em espanhol, laboratórios de idéias ') da Europa e da América. O resultado do estudo desses grupos de pensamento na implementação de uma estratégia para substituir o perigo do Islã em vez da ameaça do comunismo foi fortalecer as correntes takfiri no mundo muçulmano. A raiz das correntes do takfirismo é fundada na Arábia Saudita e na seita do Wahhabismo.

A Arábia Saudita estava sob a influência e dominação do Ocidente. Após a Revolução Islâmica no Irã, os sauditas tiveram o sonho de se tornar um poder regional através de seus petrodólares e comprar armas dos EUA. e os países europeus. Os serviços dos espiões ocidentais, especialmente dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, com o apoio financeiro, político e intelectual dos Wahhabis, foram ativados nas escolas religiosas de Peshawar, no Paquistão e em outras escolas religiosas criadas em países africanos pobres, incluindo em algumas partes da Europa.

O objetivo era a formação de uma geração jovem e pobre, segundo os ensinamentos do wahhabismo. Ensinamentos que eram contrários aos ensinamentos libertadores, pacíficos e justos do Islã. Qualquer um, mesmo aqueles que não estão familiarizados com o Islã, estudando o Alcorão Sagrado e o Sunah do Profeta Mohammad (que a paz esteja com ele e seus descendentes) entende que não há relação entre o Islã e o pensamento extremista e violento do Wahhabismo . Durante muitos anos da atividade wahhabi da Arábia Saudita na região, apoiada pelos países ocidentais, eles criaram os talibãs no Afeganistão, a organização terrorista Al-Qaeda, ISIL, Boko Haram em África e grupos e os movimentos terroristas Takfiri no leste da Ásia. E, cada vez, esses grupos cometiam as mais graves atrocidades.

O propósito dos atos implacáveis e atrozes dos crimes de ISIL era destruir a imagem do Islã. ISIL e os grupos que coincidem com essa tendência, durante seus anos de crimes na Síria e no Iraque, tentaram aproveitar ao máximo os meios de comunicação, os ciberespaços e a Internet para se apresentarem como um grupo que não tem medo de cometer qualquer tipo de crime mesmo em frente as câmeras. De acordo com James Kami, ex-diretor do FBI dos EUA, "a propaganda do ISIL é estranhamente habilidosa.

Aproveitam as 23 línguas para divulgar suas idéias ". Eles tentaram criar medo em qualquer lugar através de massacres sanguinários. O crime mais simples cometido todos os dias foi decapitado. Queimar pessoas vivas, afogá-las, jogá-las de cima, explorá-las ou escravizar e estuprar mulheres em grupos é apenas uma parte dos crimes de ISIL. Esse comportamento não é lógico para um grupo que busca dominar um território e formar um governo. O primeiro ato de um grupo de pessoas que afirmam formar um governo é satisfazer as pessoas e criar a paz. Mas ISIL atuou de forma contrária a essa lógica. Eles intensificaram os medos nos territórios sob seu controle com crimes generalizados. É natural que tal grupo, com seus crimes constantes, tenha inimigos e seu governo não seja sustentável, então entendemos que todas essas violações perseguiram um objetivo principal, liderado por think tanks na Europa e nos Estados Unidos, que é prejudicar o perfil do islamismo. Mais notavelmente, a maioria dos meios de comunicação ocidentais, especialmente a mídia britânica e americana, usou menos frequentemente o termo ISIL até os últimos dias da vida desse grupo terrorista na Síria e no Iraque e, em vez disso, Eles preferiram se referir à palavra "Estado Islâmico do Iraque e Levante", e eles colocaram especial ênfase na condenação de crimes ISIL em nome do Islã.

A história atual tem servido tanto para destruir a imagem do Islã. Esses crimes foram o resultado do planejamento dos governos ocidentais visando aniquilar a imagem do Islã, com o apoio de alguns países árabes, incluindo a Arábia Saudita. Foi fechadoo caso de ISIL na Síria e no Iraque para a Resistência do Exército e os povos de ambos os países, com o apoio da República Islâmica do Irã, Hezbollah do Líbano e da Rússia. Mas não devemos ignorar o fenômeno da aparência das correntes takfiri de outra forma e sob outro nome. A islamofobia está se tornando mais forte no Ocidente.

Ainda precisam difamar o rosto do Islã e dos muçulmanos, e isso os levará a inventar novos motivos para prejudicar a imagem justa do Islã e seus ensinamentos pacíficos. Os pensamentos de Daesh continuam a ameaçar a comunidade muçulmana e é dever dos estudiosos e estudiosos muçulmanos compreender e revelar a verdadeira natureza dessa corrente para a opinião pública muçulmana e não muçulmana.

 

Dec 30, 2017 15:20 UTC
Comentários