• Dia Internacional da Mulher

O dia 8 de março foi nomeado como dia internacional da mulher. É uma boa oportunidade para revisar a situação das mulheres no mundo e pesquisar os movimentos futuros e as oportunidades.

Uma das questões destacadas durante algumas décadas é a igualdade de gênero, que os líderes mundiais têm lembrado como um dos mais importantes programas de desenvolvimento do terceiro milênio. A igualdade de gênero é uma forma de obter maiores rendimentos, reduzir a mortalidade infantil, melhorar a saúde, aumentar a produtividade e ajudar a desenvolver. Devido à importância deste tema, desde os primeiros anos do século XXI perseguiram-se vários objetivos, como a educação das mulheres, o empoderamento das mulheres como produtoras, alcançando o caminho para aumentar a participação das mulheres em postos governamentais e decisões políticas importantes. Segundo os experientes, apesar dos planos das duas primeiras décadas do século XXI, a maioria das mulheres seguem enfrentando graves dificuldades em muitas áreas.

Uma das metas mais importantes em longo prazo da ONU sobre igualdade de gênero e empoderamento é o tema da educação das mulheres. Segundo os experientes dos países pobres, por cada ano de educação primária das mulheres, seus rendimentos aumentam em uma média de 10%, mas ainda há países que nunca têm podido oferecer o mesmo acesso às oportunidades educativas. Em muitos destes países, a discriminação de gênero e as brechas de gênero são claramente visíveis desde a escola primária. Por exemplo, em Chade, só  55% das estudantes podem continuar sua educação na escola secundária. Portanto, Chade chama-se o país mais pobre neste sentido. Após Chade, Costa do Marfim, Paquistão e Iêmen têm a brecha de gênero mais alta em termos de meninas que assistem à escola secundária. Em termos gerais, a alfabetização como o lucro educativo mais importante é muito diferente entre homens e mulheres nestes paises. Em Malí, só  25% das mulheres sabem ler e escrever, em comparação com  43% dos homens. Em Chade, a taxa de alfabetização das mulheres é de 28% em comparação com  47% entre os homens. A baixa taxa de alfabetização das mulheres nestes países tem criado problemas para o desenvolvimento. Cabe destacar que inclusive nos denominados países desenvolvidos, apesar do fato de que as mulheres superaram em número o rendimento à universidade e a aquisição da educação superior, seguem padecendo desigualdade no emprego.

Segundo uma pesquisa exaustiva publicada em 2015, se as mulheres compartilham uma parte igual com os homens na economia, $ 20 biliões ou 26% se agregarão ao produto interno bruto mundial para 2025. Estes $ 28 biliões são equivalentes ao produto interno bruto dos EUA. E China em conjunto. As estatísticas são indicativas do fato de que o empoderamento econômico das mulheres não só é efetivo para as mulheres e a família, mas que também tem lucros dramáticos para o desenvolvimento econômico da sociedade. No entanto, nas circunstâncias atuais, só 50% das mulheres no mundo estão empregadas. Enquanto as estatísticas mostram a presença de 77% dos homens no mercado trabalhista. E as mulheres que estão empregadas , em média, ganham  menos 24% do salário em comparação com os homens que fazem o mesmo trabalho com a mesma qualificação e habilidade, especialmente na Ásia, África e América Latina. Recebem menos salários e vêem-se privados de serviços sociais, seguros e oportunidades trabalhistas para progredir. Apesar do exagero propagandística dos governos industrializados ocidentais, as mulheres estão atrapadas com a mesma situação em muitos destes países.

Por exemplo, em Inglaterra, o salário em média, das mulheres empregadas é bem mais baixo que o dos homens. Ainda que nas últimas duas décadas esta brecha reduziu-se, as mulheres com frequência trabalham em trabalhos mau remunerados e obtêm menos salários que os homens nos mesmos empregos.

As trabalhadoras de escritório na Grã-Bretanha ganham  60% dos ganhos de seus colegas masculinos, e as vendedoras ganham  57% do que ganham os homens no mesmo trabalho.

De acordo com a estimativa do foro econômico mundial, dado o crescimento atual da participação econômica das mulheres, levará 81 anos para que as mulheres tenham a mesma presença no lugar de trabalho. Isto tem forçado à comunidade global a reduzir as brechas de gênero em oportunidades econômicas para impulsionar o empoderamento econômico das mulheres para o 2030. Por suposto, conseguir este objetivo depende de resolver o problema maior, isto é, a violência que se aplica contra as mulheres na maioria dos países.

Relatórios impactantes de todo mundo mostram violações dos direitos básicos das mulheres, o que reflete o amargo fato de que a violência contra as mulheres tem mudado de forma, enquanto na natureza é o mesmo. Isto pode ser visto nos resultados da pesquisa do Gallup Research Institute, que  publicou faz um tempo, Os resultados de um estudo realizado em mais de 160 países revelaram que mais de 2 bilhões de mulheres descreveram suas condições de vida como dolorosas. Só um quarto delas (620 milhões) vive em condições tolerante . Segundo a pesquisa de Gallup, a maioria das mulheres que descrevem sua vida como pessoas difíceis vivem em países com uma grande instabilidade social, econômica e de segurança, como Afeganistão, Grécia e Ucrânia. O ponto a destacar é que todos estes países estão sofrendo os distúrbios, o caos e o derramamento de sangue que têm sido instigados pelos regimes ocidentais que como dizem defensores dos direitos humanos e os direitos das mulheres.

Segundo os experientes, ainda que desde o começo do século XXI consideraram-se os direitos das mulheres e seu empoderamento e igualdade de gênero, as condições e os preparativos necessários têm sido ignorados para sua materialização. Em particular, atualmente não existe apoio ou vontade política no âmbito dos direitos das mulheres e os governos não atribuem fundos adequados. Os servidores públicos das Nações Unidas em assuntos da mulher acham que se o empoderamento das mulheres tem prioridade em todos os países e os líderes mundiais cumprem suas promessas e obrigações na Conferência Mundial de Mulheres de Beijing em 1995, ainda há esperanças de que para o 2030 a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres no mundo se realizará.

Em resumo, deve ser dito que o ser humano contemporâneo nunca saboreará a doçura da igualdade e a justiça para todos a não ser que regresse a Deus e os ensinos genuínos dos mensageiros divinos e abandone as leis e regras imperfeitas e decadentes estabelecidas pelas mentes corruptas.

 

Mar 08, 2018 15:55 UTC
Comentários