• A lua ao lado do sol; por ocasião do nascimento de Hazrat Ali (A.S)

Pars Today- Hoje é o décimo terceiro dia de Rajab do calendário lunar, aniversário do nascimento de Hazrat Ali ibne Abitaleb e, para esta gloriosa ocasião, preparamos um programa especial que esperamos que seja do seu agrado e interesse.

"Considere um oceano. A explicação de todas as suas dimensões, num relance ou mesmo em um longo estudo, não é possível. Para cada lado que você tenta focar, você encontrará um mundo de grandeza. Vários mares  de profundidade, vários organismos aquáticos e formas de vida e maravilhas marítimas. Se você deixar esta seção e entrar em outra parte do oceano, o mesmo acontecerá. Onde quer que veja, você verá as maravilhas divinas.

Este é um exemplo incompleto da figura de Hazrat Ali. Para cada lado que você olhar para este personagem, você verá uma maravilha dele. Não é um exagero, mas um reflexo da inferioridade de um ser humano que estudou durante anos, a vida de Hazrat Ali e compreendeu esse sentimento em seu interior, que é impossível acessar essa grande personalidade com os meios usuais de compreensão, isto é, mente e memória e percepções comuns. O oceano de Hazrat Ali tem maravilhas em todo lugar!

O que ouviram foi parte de um discurso do líder da Revolução Islâmica, o aiatolá Seyed Ali Khamenei. Nós parabenizamos todos vocês, queridos ouvintes, no aniversário do nascimento do primeiro crente do Islã e um devoto irmão e ajudante do Mensageiro de Deus (P).

Hazrat Ali ibn Abi Taleb, nasceu no décimo terceiro dia de Rayab (sétimo mês do calendário lunar). Sua chegada ao mundo ocorreu em condições estranhas no trigésimo ano de Am-olfil (ano 599 dC), na Caaba, isto é, na Casa de Deus. Ele era filho de Abutalib, e seu avô Abdulmutallab , por sua vez, o filho de Hashem. Sua mãe  Fátima, filha de Asad bin Hashem bin Abd Menaf. Mais uma vez parabenizamos o aniversário do nascimento de Hazrat Ali, sucessor do Profeta do Islã.

São  da natureza. As violetas dançam à bela canção dos rouxinóis, a grama cresce e revive a terra seca, é a hora de meditar e ver a grandeza do Criador. Segundo Hazrat Ali: "Os belos jardins convidam a todos para a alegria e as belas pétalas das flores, surpreendem a todos e encantam qualquer espectador ... Deus criou as nuvens para restaurar as partes mortas da Terra."

O livro Nahjul-Balagha (A Cúpula da Eloquência) contém belas descrições das maravilhas da criação. O Hazrat Ali, com a sua profunda compreensão e compreensão do universo, através deste livro, convida todos a juntarem-se ao êxtase da primavera. Em uma descrição dos pássaros, ele se refere ao pavão: "As aves mais incríveis da criação são os pavões. Seu corpo é forte e bem construído e as penas apertadas de suas asas e cauda estendida têm belas cores e nuances e artisticamente combinados e organizados que se abrem como um guarda-chuva quando ele se move em direção ao seu parceiro. Muitas vezes orgulhosamente ele estende sua cauda para que, arqueando e abri-lo sobre sua cabeça, se parece com uma bela vela multicolorida de um navio muda a sua posição como e quando o barco que você deseja. Ao comparar as cores das penas de um pavão com várias coisas, pode-se dizer que é como um buquê no qual flores de diferentes cores e nuances foram arranjadas artisticamente. Se você compará-lo com uma jóia, então você vai dizer que pedras preciosas de cores diferentes foram lindamente definidas. "

Agora, "se você abrir seus pensamentos para entender o segredo da criação, as provas claras lhe dirão que o Criador da pequena formiga é o mesmo Criador da grande árvore . A precisão da separação na criação de tudo está escondida nas complexas diferenças que existem na criação de qualquer fenômeno vital ... Então, pense no sol e na lua, e a árvore e a planta, a água e a rocha, a diferença de noite e dia, e a ebulição dos mares, e a abundância de montanhas, e as diferenças de línguas, tudo isto é um sinal claro do Senhor. Ai daqueles que negam o que é digno de louvor!

O filósofo cristão Antoine Barra diz: "Embora eu tenha lido mais de 25 vezes, o livro Nahjul-Balagha, que é entrelaçado com eloquência e retórica, toda vez que o leio, vejo alguns exemplos novos de humanidade que marcam este livro e Eu descubro mais sobre sua magia ".

Barra, que está escrevendo o livro "Ali, o filósofo do Islã", continua dizendo: "Ah Ali! Você está cheio de sabedoria. Com o seu livro, eu clarifico todas as coisas. Seu grande livro, é como o Evangelho, me inspira ”.

Durante sua infância, Ali recebeu ensinamentos diretos do Profeta do Islã. Quando ele cresceu, o profeta Mohamad (saudações a ele e seus descendentes) aumentou sua educação. O Imam, a este respeito, disse: "Eu o estava seguindo como um bebê  procurando pela mãe. Todos os dias, ele estabeleceu um sinal de sua própria ética e ordenou que eu o seguisse. Quando eu era criança, ficava ao lado dele, aproximava-se do peito dele e me deitava na cama.

Imam Ali, que testemunhou a abordagem do Profeta ao seu Senhor, superou outros no Islã, tornando-se o primeiro companheiro do Profeta de Maomé. Hazrat Ali também narrou o seguinte: "Todos os anos eu fui à caverna de Hera. Eu vi e ninguém viu, exceto eu. Naquela época, além do Mensageiro de Deus e Khadiya não havia outro muçulmano em outro lugar, eu fui o terceiro. Eu fui o terceiro a ver a revelação e a profecia e senti o cheiro da profecia ".

Durante o tempo da sedição de Qoraish, ele deitou-se no leito do Profeta para passar por ele, pondo em perigo sua vida para que o Profeta pudesse empreender sua imigração. A partir de então, ele estava sempre ao lado do Profeta, enquanto a lua brilhava ao lado do sol. Ele participou da maioria das guerras, entre elas liderou as de Khandagh e Khayber. Na guerra de Khandagh, ele lutou contra o bravo Amar ibne Abdud. Ali o acertou e o pegou, ele o atacou novamente e então Ali o terminou. Então o mensageiro de Deus veio. O Profeta perguntou por que ele não o matou desde o começo. Então, Ali disse: "Ele insultou minha mãe e cuspiu na cara dela. Eu temia que, se o matasse, fosse por causa de sua própria raiva, deixei-o para acalmar minha raiva e depois o matei ".

Ali, no oitavo ano da hijra, o ano da conquista de Meca, junto com o Profeta, purificou a Caaba dos ídolos da ignorância e sentiu a vitória sem guerra. O Profeta de Deus visitou seu Senhor dois meses após sua última peregrinação e, a caminho, apresentou Ali a todos como seu sucessor.

Ali assumiu a liderança do governo após 25 anos da morte do Profeta. Naquela época, muitos valores foram modificados e as ordenanças divinas distorcidas.A administração de Beit-ol-mal (bens públicos) foi colocada nas mãos erradas e os costumes ignorantes dominaram o povo. Seu califado deu à luz outro nascimento; o nascimento da justiça e da honestidade. Ali foi o baluarte da justiça e mostrou a mais alta manifestação desse valor humano. O mundo reconheceu a justiça desde a existência de Ali e reconheceu o significado da humanidade, significando que a justiça é um ramo da humanidade.

O Imam Ali tinha uma visão abrangente ao lidar com as pessoas. Na sua opinião, as pessoas são socialmente divididas em duas categorias. Um grupo são os irmãos religiosos e o outro são os próprios muçulmanos. Por isso, considerou que cada um deles deveria ser tratado de acordo com a proporção de sua dignidade e dignidade humana.

Jafar ibn Mohammad (que a paz esteja com ele) narrou: "Ali dividiu suas atividades em , ambas as partes foram direcionadas para agradar a Deus. Ele sempre escolheu o que foi mais difícil ". O imã Mohammad ibn Ali também disse: "Ali, em Kufa, ele deu pão e carne às pessoas e sua refeição foi muito simples".

De fato, conhecer o Imam Ali é visualizar os valores religiosos e o Islã, o ser humano no auge do misticismo, da adoração, do comportamento e, ao mesmo tempo, da política e da sociedade. Ele ensinou o rigor da aplicação da lei com misericórdia e bênçãos aos crentes. Ele nunca sacrificou a verdade por seus interesses. Em sua opinião, apenas ciência e prática fazem a personalidade do ser humano se desenvolver e aproximá-lo de Deus.

Mar 30, 2018 19:34 UTC
Comentários