• Imam Kazim (A.S), um lutador paciente (especial por ocasião do aniversário de seu martírio)

Pars Today- Hoje coincide com o aniversário do martírio de uma grande personalidade que iniciou sua missão como Imame em um dos momentos mais difíceis e sofreu muitas dores e dificuldades durante sua valiosa vida.

Um imã que, com sua extraordinária resistência e paciência, na situação mais crítica da sociedade, nos ensinou as melhores lições de vida. Os seguidores da família do grande profeta do Islã, Hazrat Mohamad (P), tomam um exemplo da vida e comportamento desse imã para alcançar o auge da felicidade.

Expressamos nossas condolências pelo aniversário do martírio de Imam Musa Kazim (A.S) e esperamos que vocês se juntem a nós durante este programa, preparado no aniversário do martírio deste Imame, o sétimo Imame da geração infalível do grande profeta do Islã.

Durante a vida desse grande Imam, dois dos mais poderosos califas de Bani Abbas, Mansur e Harun governaram. O reino islâmico se expandiu devido às novas conquistas, e as abundantes botas e propriedades aumentaram o poder da monarquia abássida. Por outro lado, algumas das correntes perceptivas e ideológicas desviantes espalharam-se rapidamente. Em tal condição, as mentes do povo estavam cheias de contradições que prejudicavam a consciência islâmica e política do povo. Os governantes aproveitaram a negligência do povo para aumentar seu controle. Este ambiente escuro da comunidade islâmica na era do Imam Kazim impediu as atividades dos estudiosos de estender os puros ensinamentos islâmicos.

A este respeito, o líder da Revolução Islâmica do Irã, Aiatolá Seyed Ali Khamenei, em uma descrição do tempo difícil que ele viveu para Imam Kazim (A.S), disse que na época, até mesmo poemas, artes, a jurisprudência, os ditos e outras expressões estavam a serviço dos líderes do poder, de modo que complementavam seu poder e sua riqueza. O califa do turno não ignorou a profunda e crescente influência do chamado da família do Profeta. Naquela época, a única coisa que poderia fazer a luta e o movimento intelectual e político da família do Profeta (que a paz esteja com ele) e seus verdadeiros companheiros continuarem foi o esforço incansável dessas mesmas pessoas e permanecer sob o Taqiya (ocultação). Desta forma, a incrível grandeza da luta do Imam Kazim (A.S) foi revelada.

As tristezas do Imam Musa Kazim, comparadas com os outros imames, após o acontecimento de Karbala, foram mais fortes. Este grande Imame passou todo o período de sua liderança no exílio ou na prisão, mas, no entanto, graças ao seu dinamismo, realizou atividades extensas, conseguindo direcionar muitos corações para a fonte de felicidade, mesmo nas situações mais difíceis.

Imam Kazim assumiu a liderança da comunidade quando era jovem e quando Mansur Abbasí, então califa, estava no auge de seu poder e mantinha uma grande inimizade com a família do Profeta. A política comum dos califas abássidas foi destacada pelo assassinato e tortura dos seguidores da família do Profeta. Mansur matou muitos seguidores, personalidades proeminentes e membros da família do Profeta e deixou seus corpos em um lugar desconhecido, descoberto após a morte daquele califa. Imam Kazim, desde o início de seu imamato, que coincidiu com o califado de Mansur, estava sob a mais estrita supervisão, de tal forma que os seguidores da família do Profeta, após o martírio de Imam Sadiq (P), enfrentaram muitos dificuldades para visitar o Imam Kazim. Este Imam enfatizou que os crentes devem seguir o caminho de Taqiya. Ele lhes disse o seguinte: "Se eles descobrirem que você ouve minhas palavras e meus ensinamentos e está em contato comigo, eles vão te matar, então tenha cuidado e fique em Taqiya (ocultação)."

Apesar das restrições, o Hazrat Kazim ensinou muitos preceitos aos interessados. A este respeito, Seyed bin Tavus disse: "Um grande número de xiitas e seguidores do Imam veio até ele para tomar suas valiosas palavras e ele respondeu a todas as suas perguntas."

Este Imam, como seus ancestrais, gozou de muita sabedoria e educou muitos estudiosos. Imam Kazim, em um plano abrangente e prático para a vida disse: "Durante a vida, tente viver o seu tempo em quatro partes: uma, dedique-a a orar, outra, a se esforçar para ganhar dinheiro legalmente , a terceira, para se comunicar com seus entes queridos e pessoas de confiança e que são verdadeiramente honestos de tal forma que eles digam quais são os seus defeitos e, um quarto, para desfrutar e ser grato, o último é possível enquanto os outros três passarem ".

Com essa divisão, entendemos que, diferentemente de escolas aparentemente místicas que descrevem o mundo como repugnante e odioso, a escola do Islã apresenta um belo plano para a vida mundana. Um programa que serve tanto a este mundo como aos seus prazeres, assim como ao outro mundo. Nesse sentido, há outro ditado do Imam Kazim que diz: "Cumpra suas exigências deste mundo de maneira lícita, sem prejudicar sua dignidade e não seja excessivo ao usar esse benefício lícito; porque se diz que quem deixa o mundo em busca de religião ou deixa a religião para o mundo não está no caminho do Islã ".

Sim, aspirações e desejos internos são realidades irrefutáveis e essas necessidades, do ponto de vista religioso, estão divididas em duas partes: lícitas e ilícitas. Se você se opõe totalmente a essas demandas, como acreditam os defensores da auto-repressão, você deve ter em mente que uma alma reprimida não pode cooperar em assuntos religiosos. Imam Kazim recomenda que o homem dê uma resposta positiva e calculada aos seus desejos lícitos de preparar o caminho para a realização de assuntos religiosos.

O Imam Kazim (A.S) passou muito tempo, entre 7 e 10 anos em diferentes prisões de Harun. A última vez que este Imam foi prisioneiro, ele sofreu muito desconforto. Nessa ocasião, ele estava em uma prisão de muitas masmorras dirigidas por Sindi Bin Shahek, um dos mais cruéis funcionários do governo de Harun, que se vingou contra esse imame. Em uma parte da carta de peregrinação do Imam Kazim lemos: "Saudações àqueles torturados nas profundezas das prisões e na escuridão das masmorras".

Imam Musa Kazim, depois de 35 anos de luta, aprisionamento, exílio, vivendo em uma atmosfera de intimidação, encontrando amigos com dificuldade, espalhando ordens divinas sob a repressão do aparato dominante daqueles dias, foi envenenado em 183 por Sindi. Bin Shahek, por ordem de Harun Al-Rashid e martirizado na prisão. Harun, depois de envenenar o Imam, para desviar a opinião pública, enviou esta mensagem: "Deus amaldiçoa Sindhi ibn Shaçak. Ele deu esse passo sem a minha permissão. "

 

 

 

Tags

Apr 12, 2018 07:05 UTC
Comentários