• Dia Mundial da Alimentação

Pars Today- A humanidade há muito se preocupa com a escassez de alimentos e se esforça para encontrar maneiras de produzir o máximo de comida possível. Essa preocupação se intensificou hoje em dia, pois as previsões sugerem que a população mundial crescerá para 9 bilhões até meados do século 21 e que a produção de alimentos precisa de 70% de aumento.

Enquanto isso, de acordo com os últimos relatórios da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a fome no mundo aumentou mais uma vez. Agora, mais de 815 milhões de pessoas sofrem de desnutrição crônica. Assim, a FAO definiu o Dia Mundial da Alimentação como uma das questões mais importantes do mundo a cada ano.

16 de outubro, o dia em que a FAO foi fundada em 1945, foi designado como Dia Mundial da Alimentação. O dia é marcado por muitas agências de segurança alimentar, incluindo o Programa Mundial de Alimentos e o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola, com o objetivo de fornecer informações sobre alimentos e planejar crises alimentares ao redor do mundo. Nós preparamos um programa especial no evento.

Embora os líderes mundiais em 1996 tenham concordado em reduzir pela metade o número de pessoas famintas até 2015 e investirem no setor público e privado da agricultura, eles também reiteraram esse compromisso na cúpula de 2005 na sede da ONU em Nova York. Mas, de acordo com a Situação Mundial de Insegurança Alimentar, apenas 63 países alcançaram metas globais para reduzir as taxas de fome. A mais recente crise alimentar global mostrou um aumento notável na fome global. Até 2017, 124 milhões de pessoas em 51 países sofreram de insegurança alimentar grave, ou seja, 11 milhões a mais do que no ano anterior.

No Iêmen, 17 milhões de pessoas (60% da população) enfrentam insegurança alimentar absoluta devido a mais de 3 anos de guerra ilegal saudita. No Sudão do Sul, a insegurança alimentar absoluta é vista entre 4,8 milhões. Os outros países que sofrem com os mais altos níveis de insegurança alimentar incluem a Síria, o Líbano, a República Centro-Africana, a Ucrânia, o Afeganistão e a Somália, respectivamente. O relatório diz que o número de pessoas na República do Congo que sofrem de fome absoluta aumentou dramaticamente, e agora 7,7 milhões de pessoas estão em estado crítico. O número de pessoas que sofrem de fome absoluta no Afeganistão subiu de 3,3 milhões para 7,6 milhões.

Descobertas de vários estudos indicam que a crise alimentar é cada vez mais devida a fatores multifacetados, como guerras, mudanças climáticas severas e altos preços dos principais alimentos que freqüentemente ocorrem simultaneamente. No entanto, as guerras e carnificinas lançadas pelos poderes dominadores e intimidadores, especialmente os EUA e seus parceiros no crime, são a principal causa de insegurança alimentar em 18 países. 15 desses países estão na África ou na Ásia Ocidental.

Em entrevista ao Guardian, o chefe do Programa Mundial de Alimentos, Francis Mwanza, disse: O custo do WFP em tempo de guerra é muito alto e cerca de 80% do custo do programa é dedicado a áreas devastadas pela guerra. O relatório da crise alimentar de 2017 também confirmou que a guerra é a principal causa de insegurança alimentar e que a intensificação da fome na última década está relacionada a massacre e insegurança em Mianmar, Nordeste da Nigéria, República Democrática do Congo, Sudão do Sul e Iêmen. Isso mostra uma forte ligação entre paz e segurança alimentar, que não tem lugar nas políticas da Arrogância Global, encabeçada pelo Grande Satã, os Estados Unidos da América.

As consequências das mudanças climáticas, especialmente a seca, são outra importante fonte de crise alimentar em 23 países, dois terços dos quais na África. De acordo com um relatório global de crise alimentar, os desastres naturais causam a insegurança alimentar aguda para 39 milhões de pessoas em todo o mundo. Segundo a FAO, devido às mudanças climáticas, os níveis de água subterrânea nos países em desenvolvimento serão reduzidos em até 50% dentro de 8 anos, o que enfrentará as pessoas nessas áreas com grave crise alimentar. Até 2025, os efeitos das mudanças climáticas terão um impacto tão grande no planeta, que o encolhimento das águas subterrâneas nos países em desenvolvimento intensificará a crise alimentar, especialmente no leste e sul da África e ameaçará principalmente o Sudão do Sul, Somália, Iêmen e Nigéria. 

Segundo os especialistas, uma das principais causas da pobreza e da fome no mundo é o desempenho opressivo dos sistemas econômicos e políticos mundiais. Hoje, enquanto centenas de milhões de pessoas passam fome em vários países, 672 milhões de pessoas sofrem de obesidade e mais de um bilhão de pessoas estão acima do peso. Por outro lado, de acordo com os números da FAO, enquanto mais de 800 milhões de pessoas sofrem de escassez de alimentos em todo o mundo, a cada ano, 1,3 bilhão de toneladas de todos os tipos de produtos alimentícios são perdidos ou desperdiçados.

Isso, ao evitar o desperdício de alimentos, pode atender às necessidades dessas pessoas e melhorar a segurança alimentar no mundo. O desperdício de alimentos não apenas privou centenas de milhões de pessoas do mundo da nutrição adequada, como também tem efeitos muito negativos sobre o meio ambiente; desperdiça recursos valiosos, como água, energia, mão-de-obra, capital e terra, e provoca mais emissões de gases de efeito estufa.

Em vista da situação atual, o Relatório Global de 2017 sobre Crise Alimentar enfatizou que, sem uma ação séria e contínua, as pessoas que sofrem de insegurança alimentar aguda podem piorar e gradualmente tornarem-se mais famintas. Portanto, para evitar a crise alimentar, temos que contemplar e encontrar a solução certa. Caso contrário, devido à escassez de alimentos, diferentes países estarão suscetíveis ao caos doméstico, regional e global. Assim, hoje há uma necessidade premente de ação consistente e coordenada para salvar vidas e destruir as causas profundas da crise alimentar. Com essa abordagem, o lema do Dia Mundial da Alimentação de 2018 foi "Fome Zero até 2030".

O lema do Dia Mundial da Alimentação em 2018 foi anunciado pela FAO, e a organização enfatizou que os países ricos precisam encontrar condições para cooperação científica, regional e territorial para alcançar um mundo sem fome. As atividades executivas colocarão em ação o slogan de um mundo sem fome, produzindo novos e adequados alimentos no mundo. Isso inclui aumentar o acesso a alimentos, outros substitutos de alimentos, mudar hábitos alimentares e uma nutrição mais saudável, estabelecer um Banco Mundial de Alimentos para os pobres e administrar a nutrição global. Além disso, especialistas enfatizam uma distribuição justa e igual de alimentos entre diferentes nações e etnias.

Deve-se notar que um dos fatores mais importantes que podem ajudar a melhorar a segurança alimentar global é a parceria social e o valioso papel das famílias dos agricultores. O representante da FAO no Irã, Serge Nakouzi, acredita que o sucesso das guerras contra a fome e a insegurança alimentar depende em grande parte da participação das famílias dos agricultores. Os agricultores, como o motor do desenvolvimento em todos os países, desempenham um papel fundamental nos programas de combate à pobreza e à fome. Ele também acredita que, uma vez que os programas apropriados sejam implementados e que as instalações necessárias estejam disponíveis, os agricultores pobres e suas famílias podem aplicar rapidamente seu potencial de produtividade para erradicar a pobreza e alcançar a segurança alimentar no mundo.
 

Tags

Oct 16, 2018 09:43 UTC
Comentários