Mar 22, 2018 11:55 UTC
  • Líbano: Nasrallah esboça planos para eleições parlamentares

Pars Today- O secretário-geral do Hezbollah anunciou o programa eleitoral do movimento de resistência libanês para as próximas eleições legislativas, em um discurso televisionado.

Segundo relatos, Sayyed Hassan Nasrallah disse: "Esta plataforma eleitoral não é um documento político, mas se concentra em uma série de manchetes que o Hezbollah busca alcançar através de sua presença no Parlamento".

Nasrallah acrescentou: "Nós lideramos essas pesquisas para permanecer a verdadeira voz expressando as aspirações do povo e em defesa de nossa nação contra os inimigos israelenses e takfiri".

Tocando nas políticas econômicas e financeiras, o líder do Hezbollah destacou a obrigação de controlar e racionalizar os gastos públicos em conformidade com as necessidades básicas das pessoas, resolver as crises de desperdício e eletricidade, elaborar planos de desenvolvimento para todas as regiões e fornecer seguro de saúde abrangente para todos os cidadãos.

Ele também mencionou a necessidade de aumentar as capacidades dos hospitais governamentais e trabalhar na redução da conta médica, promover o nível de educação pública e melhorar o papel da Universidade Libanesa, elaborar um plano para abordar a situação de resíduos sólidos e uma estratégia de transporte público. e retomar o reembolso das indenizações de guerra de julho e aprovar a lei geral de anistia em conformidade com as restrições que especificam as que são dignas de perdão.

Nasrallah também afirmou que os refugiados sírios devem retornar às áreas seguras dentro da Síria.

Enfrentando a Conferência de Roma II, Sayyed Nasrallah enfatizou que o Hezbollah não se opõe a qualquer tentativa de financiar e apoiar o Exército Libanês.

No entanto, ele observou que a conferência não oferecerá apoio por meio da ajuda, mas por meio de empréstimos, ressaltando que tais questões devem ser abordadas no parlamento e no gabinete, em vez de negligenciá-las, impondo-as e aumentando a dívida pública.

Nasrallah acrescentou: "Esta questão precisa de mais consultas no parlamento e no gabinete".

 

Tags

Comentários