Aug 15, 2018 05:47 UTC
  • Nasrollah: Hezbollah vencerá em qualquer guerra e vencerá na Síria

Pars Today- O sectário-geral do movimento de resistência libanesa do Hezbollah, Sayed Hassan Nasrollah, ressaltou que os EUA e Israel são muito fracos para travar uma nova guerra como as guerras anteriores.

Nasrollah fez as declarações na terça-feira durante um discurso na terça-feira para marcar o 12º aniversário do triunfo do movimento libanês na guerra de 33 dias contra Israel em 2006. Ele acrescentou que o Hezbollah não tem medo de uma guerra em potencial com Israel.

"Ninguém deve nos ameaçar com a guerra e ninguém deve nos assustar com a guerra... Não estamos com medo ou preocupados com a guerra e estamos prontos para isso e seremos vitoriosos."

"A guerra de 2006 foi desencadeada pelos Estados Unidos poderia materializar seu objetivo de dominar a região (...) A resistência do Líbano fez com que todos os cenários dos EUA e o regime sionista fracassassem. O líder do Movimento de Resistência Islâmica do Líbano (Hezbollah) agradeceu ao Irã e à Síria por ajudar o Líbano nos 33 dias de guerra com o regime israelense; um confronto que deixou um equilíbrio assimétrico de fatalidades: 1200 libaneses, a maioria dos civis, em comparação com 159 israelenses. A declaração de guerra de Israel em 2006, acrescenta Nasrollah, buscou "desarmar a Resistência" para abrir caminho para o "desdobramento de forças multinacionais" no Líbano. No entanto, ele lembrou, a resistência conseguiu frustrar "os planos que tinham".

Explicou que, se o Líbano tinha sido desmoronado na guerra mencionada, o plano de Israel e dos Estados Unidos teria continuado com a "extensão do conflito em direção à Síria e (o confronto com) a resistência da Palestina, finalizando então cercar o Irã".

Como Israel admitiu, "o Hezbollah já é uma das forças mais poderosas do Oriente Médio" e foi isso que tirou a coragem desse regime de "iniciar e travar uma nova guerra" assegurou.

Exército do Líbano promete enfrentar "qualquer agressão israelense"

O chefe do exército libanês avisa Israel contra a realização de uma nova guerra no país, prometendo usar todos os meios disponíveis para impedir tal ato de agressão. "A resistência no Líbano hoje, bem equipada e capacitada militarmente e com membros e quadros e capacidade e competência e experiência, e também da fé e determinação e coragem e vontade, é mais forte do que em qualquer momento desde o seu lançamento na região”, salientou o Nasrollah. Nasrollah criticou também o chamado "Acordo do Século" de Washington para Israel e os palestinos, ressaltando que há uma única facção palestina que o apoia.

O chamado acordo, um plano de macabro para supostamente chegar a um acordo de paz entre Israel e os palestinos, foi proposto pelo governo dos EUA no final do ano passado. Embora o plano não tivesse sido divulgado, os vazamentos indicavam que ele consistiria das mesmas ideias experimentadas e fracassadas.

Os palestinos acreditam que o plano elaborado pelos EUA exige manter as fronteiras e a segurança sob controle israelense, ao mesmo tempo em que mantém as fronteiras finais dos assentamentos israelenses a serem discutidas em negociações posteriores.

Nasrollah fez as declarações na terça-feira durante um discurso na terça-feira para marcar o 12º aniversário do triunfo do movimento libanês na guerra de 33 dias contra Israel em 2006.

Nasrollah também denunciou as tentativas dos EUA, da Arábia Saudita e de Israel de derrubar o governo sírio. O líder do Hezbollah ressaltou ainda que o Irã resistirá às sanções impostas pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. "O Irã vem enfrentando sanções desde a vitória da Revolução Islâmica em 1979... Ele (Trump) está fortalecendo as sanções, mas elas estão lá desde 1979 e o Irã permaneceu e celebrará o 40º aniversário da vitória de sua revolução", ele adicionou.

Trump anunciou em 8 de maio que Washington estava se  afastando do acordo nuclear, alcançado entre o Irã e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - EUA, Grã-Bretanha, França. , Rússia e China - mais a Alemanha em 2015.

Trump também disse que iria restabelecer as sanções nucleares dos EUA ao Irã e impor "o mais alto nível" de proibições econômicas à República Islâmica. Desacreditando das advertências da União Europeia, dos signatários do JCPOA e de muitos atores internacionais, o presidente Trump assinou uma ordem executiva em 6 de agosto, impondo nova rodada de sanções ao Irã, que foram levantadas sob o acordo nuclear para arrecadar "máximo pressão "sobre a República Islâmica.

"Eu posso dizer a você e tenho informações precisas que eles estão sonhando, estratégias e projetos para que o Irã caísse em caos e colapso. Isso é ilusão, isso é imaginação e não tem nada a ver com a realidade", observou Nasrollah.

Na segunda-feira, o líder da Revolução Islâmica, o aiatolá Seyed Ali Khamenei, disse que os EUA não travariam uma nova guerra e a República Islâmica não entraria em novas negociações com os Estados Unidos devido à natureza trapaceira e intimidadora de seu governo.

Tags

Comentários