Out. 02, 2018 06:43 UTC
  • Austríaca FM apoia retorno 'incondicional' de refugiados sírios

Pars Today- O ministro das Relações Exteriores da Áustria disse que o retorno dos refugiados, a estabilização e a reconstrução na Síria não devem ser rigidamente condicionados a um processo político.

Karin Kneissl diz segunda-feira durante uma visita ao vizinho Líbano que o mundo deve aproveitar "uma nova dinâmica" em desenvolvimento na Síria, que está atolada na guerra civil há mais de sete anos.

Kneissl falou que nenhum refugiado sírio seria forçado a retornar, mas que a Áustria ajudaria  aqueles que estavam dispostos a retornar como fez com os refugiados bósnios após o fim do conflito.

O ministro libanês das Relações Exteriores, Gebran Bassil, disse que o Líbano, que abrigava mais de um milhão de refugiados sírios, estava trabalhando para garantir seu retorno "rápido, seguro, honrado e sustentável". Ele diz que "a segurança agora prevalece" na maior parte da Síria, possibilitando o retorno dos refugiados.

Desde abril, mais de 2 mil sírios voltaram para casa do Líbano em tais retornos, coordenados pelas autoridades de Beirute e Damasco, segundo uma   contagem de figuras oficiais da AFP. Grupos de direitos humanos alertaram que os sírios que retornam à sua terra natal deveriam fazê-lo voluntariamente e com pleno conhecimento dos riscos.

De acordo com a agência de refugiados da ONU, o ACNUR, cerca de 13.000 sírios retornaram a casa do Líbano durante os primeiros seis meses deste ano. Embora muitos refugiados tivessem dito que seu retorno foi voluntário, outros disseram que  as condições de vida  se tornaram tão ruins que não tiveram escolha a não ser deixar o país. 

Outras razões também incluem uma nova lei de propriedade que será promulgada em breve, que visa confiscar casas evacuadas durante a guerra. Muitos também são céticos quanto à "garantia" de que aqueles que retornam não serão detidos.

O regime de Bashar al-Assad é bem conhecido por sua brutal perseguição contra aqueles que têm, ou acreditam ter, manifestado oposição ao governo. Em agosto, a Rússia apresentou aos EUA  planos para o retorno coordenado de refugiados  à Síria, com o objetivo de repatriar cerca de 890.000 sírios do Líbano, apesar do alarme dos refugiados que temem a detenção e até a morte na chegada.

 

Tags

Comentários