Out. 11, 2018 12:02 UTC
  • A violação de direitos humanos no Ocidente, da ilusão à realidade (27-2018)

Pars Today - Nesta edição, estudamos o apoio dos países que autoproclamam os defensores dos direitos humanos pelo horrendo crime do regime de Al Saúd, que causou a morte de 50 crianças iemenitas em 9 de agosto.

Em 26 de Março, 2015, a Arábia Saudita começou extensos ataques aéreos e da terra ao Iêmen. Uma guerra que, de acordo com vários relatórios de organizações internacionais e de direitos humanos, deixou marcas humanas terríveis. O regime de Al Saud, além de seu violento e hostil atitude contra o povo inocente e indefeso no Iémen e massacre de milhares de civis, incluindo mulheres e crianças, e o despejo de muitas famílias, mantém um cerco multilateral apertado sobre o seu vizinho do sul, impedindo iemenitas a acessar a produtos alimentares e de higiene e recursos terapêuticos, médicos e Etc.

No entanto, um dos crimes mais horríveis na Arábia Saudita, que foi realizado recentemente contra o povo do Iêmen, foi o massacre de dezenas de crianças inocentes. No ataque de 9 de agosto, as forças lideradas pela Arábia Saudita bombardearam um ônibus que transportava crianças iemenitas em Dahyan, na província de Saada. Muitas das crianças estavam em uma excursão depois de se formarem na escola de verão. 

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha, em um relatório, anunciou que o número de fatalidades do ataque do invasor saudita contra o ônibus foi de 50 pessoas, a maioria com menos de 15 anos, e indicou que outras 77 crianças ficaram feridas. 

A Cruz Vermelha afirma que as crianças não devem ser punidas por uma guerra que os adultos iniciaram e deplora que os civis tenham se tornado alvo de ataques dos militares da coalizão liderada por Riad. Isso ocorre enquanto a violação dos direitos das crianças em conflitos armados é considerada um crime internacional. 

As autoridades locais também especificaram os números do ataque aéreo no ônibus. Eles notaram que 50 pessoas entre eles, 40 crianças perderam a vida. A maioria das vítimas tinha entre 10 e 13 anos de idade. 

A princípio, a coalizão liderada pela Arábia Saudita considerou legítimo esse ataque, mas depois anunciou que investigaria as circunstâncias da tragédia. O porta-voz da coalizão, liderada pela Arábia Saudita, Coronel Turki al-Maleki, a respeito dos ataques de caças sauditas contra o norte do Iêmen, considerou esses bombardeios legítimos e adequados às operações militares. Al-Maleki também alegou que os ataques da coalizão saudita contra civis e estudantes iemenitas são conduzidos em conformidade com os regulamentos internacionais de direitos humanos.

O ministro dos Negócios Estrangeiros dos Emirados Árabes Unidos, um país que faz parte da coligação liderada pela Arábia Saudita na guerra contra o Iémen, justificou em certa medida este tipo de ataques aéreos que deixam vítimas civis. De acordo com o relatório da Associated Press, Anvar Gargash disse que a guerra nem sempre é uma operação limpa e saudável.

Enquanto isso, os responsáveis ​​pelo movimento popular iemenita Ansarollá consideravam o ataque de ônibus escolar um crime perpetrado pelos EUA e seus aliados contra as crianças iemenitas. Além disso, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) chamou o ataque aos ônibus escolar iemenitas de um crime horrível e disse que isso deveria ser considerado como um elemento para acabar com o conflito no Iêmen. 

O Secretário Geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, também solicitou uma investigação independente e imediata deste ataque aéreo.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita que está atuando contra os rebeldes iemenitas recebe ajuda dos EUA, do Reino Unido e da França. O que fica evidente na agressão da Arábia Saudita ao Iêmen é que as áreas e regiões civis, especialmente as infraestruturas sanitárias e educacionais, tornaram-se repetidamente alvos do bombardeio de combatentes sauditas; de modo que quase 80% das infra-estruturas civis em diferentes regiões do Iêmen foram destruídas pelo bombardeio da coalizão árabe.

Sem dúvida, medidas violentas e hostis contra o povo inocente do Iêmen, em particular contra crianças, são consideradas crimes de guerra. Crimes de guerra violam os regulamentos, leis e costumes das corridas de guerra e incluem comportamento inadequado com as pessoas, como a expulsão de moradores das regiões ocupadas, massacres, violação dos direitos dos prisioneiros de guerra ou detidos, assassinato dos reféns, saques de casas e destruição intencional de cidades e aldeias. Segundo os números, milhões de iemenitas foram despejados no país dos quais metades são crianças. 

No entanto, o que é interessante sobre isso é a reação dos países que proclamam os defensores de direitos humanos, incluindo os Estados Unidos. O porta-voz do secretário de Estado dos EUA, em uma reunião com a imprensa, absteve-se de condenar o ataque da coalizão saudita contra o ônibus das crianças iemenitas e até mesmo defendeu-o. O porta-voz americano, em resposta à pergunta do correspondente da Associated Press, se Washington iria apoiar uma investigação internacional independente sobre o ataque da coalizão da Arábia Saudita contra o ônibus iemenita e se isso iria condenar aquele bombardeio, enfatizou que a Arábia Saudita é um parceiro estratégico importante dos Estados Unidos e preferiu não responder, destacando a posição de Washington sobre os crimes de Riad no Iêmen.

 Até agora, a Arábia Saudita, com o apoio dos EUA e de seus dólares do petróleo, tem sido capaz de evitar qualquer investigação internacional independente sobre os crimes que comete contra os civis iemenitas.

A guerra não é considerada um pretexto lógico para prejudicar a população civil inocente e a violação dos direitos humanos desses inocentes não deve ser ignorado. Sem dúvida, o ataque contra civis em todas as partes do mundo, tanto a leste como a oeste, no norte e no sul, é proibido, sob qualquer visão e qualquer pretexto.

A Arábia Saudita não respeita os direitos da guerra, como princípio da separação entre militares e civis, de forma a atacar hospitais, centros médicos e estádios. Também não respeita o princípio de prevenir a dor desnecessária, por exemplo, usa armas proibidas, como produtos químicos, em seus ataques, o que também viola os regulamentos de direitos humanos, especialmente as convenções multidimensionais de Genebra. Portanto, entidades criminosas internacionais devem investigar Riad e seus aliados.  

 O ataque realizado em 9 de agosto pela Arábia Saudita no Iêmen é um exemplo dos crimes descritos nos estatutos do Tribunal Penal Internacional em Haia. Crianças inocentes iemenitas tornaram-se alvos de combatentes sauditas. Além disso, este não é o primeiro crime de Al Saud, as forças de Riad cometeram vários crimes semelhantes. A razão para esse comportamento dos sauditas é a indiferença das potências e entidades mundiais.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas realizou uma reunião de emergência sobre o ataque às crianças iemenitas, mas nem sequer emitiu uma declaração. A representante permanente dos EUA na ONU, Nikki Haley, mesmo no encontro, acusou Ansarrollah de usar as crianças iemenitas como escudos humanos, sem levar em conta que os sauditas mataram os escolares que voltaram alegremente de uma caminhada. Infelizmente, neste ambiente horrível, continuaremos a testemunhar os crimes de Al Saud contra as crianças.

Tags

Comentários