Out. 11, 2018 12:04 UTC
  • A violação de direitos humanos no Ocidente, da ilusão à realidade(28-2018)

ParsToday- Nesta edição estudamos as medidas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, contra os meios de comunicação em massa do mundo.

Atualmente, a mídia desempenha um papel fundamental e importante na transmissão de informação a todas as pessoas a nível nacional e internacional, e é considerada um dos elementos fundamentais na criação da cultura dos diferentes povos. Todos estão bem informados sobre a situação e a importância dos meios de comunicação, que até são considerados a quarta coluna da democracia. Como a liberdade de expressão e informação, o livre acesso à informação, a liberdade de imprensa e a mídia em geral é elemento reconhecido em documentos internacionais. Neste sentido, a Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), em sua 48ª Cúpula realizada em 20 de dezembro de 1993, adotou a resolução número 48-432,

Pelo qual além de mídia livre, não se deve ignorar o papel dos correspondentes que, devido às suas atividades, em alguns casos enfrentam diferentes desafios, tensões, obstáculos e limitações, mas não abandonam o importante dever de manter os cidadãos informados de uma sociedade. 

Os repórteres e correspondentes da mídia, como os representantes da opinião pública, têm a difícil responsabilidade de publicar a realidade das sociedades. Por essa mesma razão, a necessidade de abordar o papel, a importância, o status e os serviços efetivos dos correspondentes é um dos princípios aceitos no mundo e essa questão é mencionada nas leis e regulamentos de diferentes países.

Na realidade, os correspondentes exigem o direito à liberdade de expressão e liberdade de informação nas sociedades. Inicialmente, a liberdade de informação foi oficialmente reconhecida como um direito fundamental pela ONU. 

Em 1946, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou uma resolução, segundo a qual a liberdade de informação é um direito fundamental do ser humano e é considerada a base de todas as liberdades aceitas por essa organização. 

 A Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada em 10 de dezembro de 1948, reconhece a identidade de todos os membros da sociedade humana com direitos iguais, como a base da liberdade, justiça e paz no mundo e, reconhecendo oficialmente Liberdade de pensamento e lógica, enfatiza que cada pessoa tem direito à liberdade de expressão. Na realidade, ninguém tem que ter medo de expressar sua opinião e todos são livres para obter informações e publicá-las através de todos os meios de comunicação, sem qualquer consideração de fronteira.

 Da mesma forma, o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos (PIDCP), aprovado em 16 de dezembro de 1966, considera que o direito à liberdade de expressão consiste na liberdade de estudar e publicar informação em forma escrita e verbal, respeitando os direitos especiais e necessários de outros e a manutenção da segurança nacional, ordem geral e saúde pública.

 Portanto, os correspondentes no momento de desenvolver sua importante tarefa enfrentam múltiplas dificuldades e obstáculos. Muitos perigos ameaçam a vida dos correspondentes, coletando informações em regiões de guerra e conflitosas, perigosas e revelando corrupções econômicas e políticas; até mesmo, em muitos casos, eles sofrem de ameaças, sendo sequestrados, torturados e mortos. Isso ocorre enquanto os governos precisam fornecer o terreno para manter a situação humana e garantira a vida dos correspondentes.

 Nos sistemas democráticos e populares, a liberdade de expressão é considerada um direito da mídia e é o dever de governo prover esse direito evidente. Outro direito importante a esse respeito é o reconhecimento oficial pelo governo de garantir a situação moral, humana e profissional dos correspondentes e ativistas no campo dos meios de comunicação em todos os países. Além disso, promovendo um sistema legal e jurídico, apoiando multilateralmente os correspondentes, jornalistas e os repórteres. Os jornalistas também têm o direito de ter garantias legais e políticas necessárias para proporcionar sua tranquilidade e segurança neste importante e perigoso trabalho.

 Sem dúvida, neste ambiente, os países democráticos e desenvolvidos têm que respeitar ainda mais os jornais, jornalismo e o direito à liberdade de expressão e informação. No entanto, infelizmente, relatórios e testemunhos mostram que o desempenho de alguns países e autoridades políticas não só não é em linha com a preservação da situação humana dos jornalistas, mas tem uma influência negativa sobre eles. 

Desta forma, Donald Trump que, desde o período de sua candidatura e sua eleição como presidente dos Estados Unidos, sempre foi sujeito de notícias quentes por suas ações que violam os regulamentos e os direitos humanos, incluindo o sindicato dos jornalistas. Assim que o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR), Raad Zeid Al Hussein, se refere: “Trump está minando a liberdade de imprensa, enquanto eventos perigosos já em andamento podem levar a um aumento da violência contra jornalistas, apontando as acusações de Trump de que a mídia produz notícias falsas, o famoso termo cunhado pelo presidente para se referir a mentiras ou notícias falsas, e seus ataques verbais repetidos contra jornais ou televisão em seu país. 

Recentemente, este funcionário  das Nações Unidas, em uma declaração sobre o assunto, afirmou que o presidente dos EUA, Donald Trump, tem uma forte responsabilidade perante a mídia e meios de comunicações e suas palavras podem ter uma influência negativa sobre o trabalho dos correspondentes e jornais do seu país e em detrimento de jornalistas de outros países do mundo.

 Trump considera continuamente mentiras ou notícias distorcidas da mídia do mundo. Ele não participou da festa anual dos jornalistas e em algumas de suas conferências impede a entrada de alguns correspondentes de meios de comunicação foi interditada. 

O inquilino da Casa Branca, em seus comentários, acusa os jornais de promover a desconfiança em seu país e, nesse sentido, disse no Twitter: "A mídia falsa me odeia quando eu digo que  são os inimigos da mídia." pessoas só porque sabem que é verdade. Estou prestando um excelente serviço explicando isso ao povo americano. Eles causam uma grande divisão e desconfiança de propósito. Eles também podem causar uma guerra! Eles são muito perigosos e doentios!" Escreveu o chefe de Estado dos EUA. 

Os jornais norte-americanos, reagindo ao comportamento inadequado de Trump contra os correspondentes, de maneira coordenada, dedicaram manchetes de jornais em apoio à liberdade de expressão.

As ações de Donald Trump e suas contínuas pressões contra os correspondentes são contrárias à situação humana da imprensa e seu dever de fornecer o fundamento para o cumprimento dos direitos fundamentais das pessoas, como a liberdade de expressão e o acesso à informação. A oposição contínua e infundada aos jornais é considerada um grande obstáculo ao princípio de manter a opinião pública bem informada e se tornou um hábito das autoridades políticas do mundo, o que levará a consequências destrutivas e perigosas para os direitos do público dos meios de comunicações e, em geral, nos direitos fundamentais dos cidadãos dos países. De fato, todas as pessoas do mundo têm o direito de acessar a imprensa livre e aprender sobre as notícias e a realidade de sua sociedade.

 

Tags

Comentários