Out. 11, 2018 12:06 UTC
  • A violação de direitos humanos no Ocidente, da ilusão à realidade (29-2018)

ParsToday -Estamos com outro programa da série de artigos intitulados "Violação dos direitos humanos no Ocidente, da ilusão à realidade", na edição de hoje, aludindo à declaração de 22 de agosto do Relator Especial do Às Nações Unidas sobre a situação dos direitos humanos na República Islâmica do Irã em relação às sanções ilegais dos EUA contra o país persa, analisamos ainda a violação dos direitos humanos de Washington a esse respeito.

A imposição de sanções econômicas, sob as condições especiais, pela Organização das Nações Unidas (ONU), é uma das estratégias na luta contra a violação dos direitos humanos dos governos, questão também estabelecida na Carta Magna da ONU. De acordo com documentos internacionais em relação a embargos econômicos, devemos considerar os direitos humanos e primários dos povos. No entanto, no momento, infelizmente, essa estratégia se tornou um instrumento da pressão e força que algumas potências mundiais usam para fazer com que outros países convirjam com seus interesses. 

Agora estamos testemunhando o estabelecimento de sanções econômicas e embargos sem qualquer base legal e com motivos políticos por parte dos poderes expansionistas, o que se traduz em uma violação evidente dos direitos dos povos inocentes. Os EUA são um dos países pioneiros na imposição de embargos difíceis, sistemáticos e ilegais contra os países do mundo. Washington aproveita as relações políticas e usa seu grande poder para impor graves embargos econômicos, sem qualquer fundamento lógico.

Os relatos de ativistas de direitos humanos mostram que, embora as sanções sejam aplicadas sob o pretexto de exercer pressão sobre outros governos, na realidade, essas medidas punitivas injustas pressionaram os cidadãos inocentes desses países e atropelam seus direitos humanos primários, deixando más consequências nefastas.

Um dos países que sempre enfrenta múltiplos embargos econômicos é a República Islâmica do Irã. Precisamente, após a vitória de Donald Trump, os iranianos enfrentam uma dura onda de sanções injustas e ilegais.

A esse respeito, a declaração de 22 de agosto do Relator Especial das Nações Unidas sobre a situação dos direitos humanos na República Islâmica do Irã, Idriss Jazairy, critica as sanções econômicas reintroduzidas pelos EUA como "injustas e cruéis" contra o Irã, adverte sobre uma ampla guerra econômica contra o povo persa e manifesta preocupação com a violação dos direitos humanos dos iranianos através dessas medidas dos EUA. 

Jazairy ressalta que essas sanções injustas e ilegais prejudicam a situação econômica e financeira do Irã, direcionam vários milhões de iranianos à pobreza e destroem a possibilidade de importação de produtos, causando escassez de medicamentos e, consequentemente, muitas pessoas perderão vida silenciosamente nos hospitais.

 Garantir direitos humanos fundamentais na execução de embargos econômicos é um dos princípios internacionais importantes. Com base na Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns direitos humanos são de especial importância e devem ser meticulosamente abordados na imposição de sanções. Estes princípios são: o direito à vida, o direito de se afastar de tratamentos desumanos ou humilhantes, o direito a ter um bom padrão de vida, isto é, acesso à alimentação, habitação e serviços médicos, este último também inclui o direito de segurança social, particularmente mães e filhos.

Da mesma forma, o Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais e o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos insistem no direito a um padrão de vida adequado, o direito à saúde, o direito à educação e o direito à educação. 

O Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais que observa a execução desses pactos, em uma análise intitulada "A relação entre embargos econômicos e respeito aos direitos econômicos, sociais e culturais", ressalta que ao impor sanções econômicas, sempre tem que considerar os princípios escritos nos pactos acima mencionados. Para estabelecer embargos, é necessário atentar para aqueles princípios que estão ligados aos direitos fundamentais do ser humano.

 Da mesma forma, a Comissão para a Elevação e Apoio aos Direitos Humanos, em uma resolução assinada em 1997, sob o título "As consequências nefastas dos embargos econômicos em direitos humanos", adverte que as sanções econômicas deixam graves influências negativas em pessoas inocentes, especialmente, sobre os pobres, os fracos, as mulheres e as crianças, e agravam ainda mais a lacuna de distribuição de renda. Quando essa comissão foi aprovada em 1999, foi novamente especificado que certas medidas, como embargos econômicos, devem ter uma limitação de tempo e nunca devem prejudicar cidadãos inocentes.

 Um dos principais objetivos dos embargos econômicos é limitar o acesso a fontes econômicas, como o comércio exterior. Portanto, o governo perde instrumentos especiais para suprir as necessidades materiais da sociedade, de modo que as fontes necessárias para o avanço dos objetivos de direitos humanos não existem. Os severos embargos ilegais dos EUA contra o Irã fizeram com que o relator especial das Nações Unidas protestasse contra isso e considerasse que eles violam os direitos humanos dos iranianos. 

Edris Jazairy, em uma declaração sobre o assunto, anunciou que outros membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas (UNSC), na verdade, quase todos os parceiros internacionais, confirmaram a natureza ilegítima de tais embargos. Este tipo de medidas coercivas internacionais tem que observar algumas considerações legais e concordantes e não deve prejudicar os cidadãos comuns. No entanto, nenhum desses critérios foi respeitado em relação aos embargos do governo dos EUA contra a República Islâmica do Irã. 

Embargos econômicos ameaçam a maioria dos direitos fundamentais dos cidadãos iranianos. Após medidas punitivas contra o Irã, os bancos dos EUA, por medo de punição do Departamento do Tesouro dos EUA, se recusaram a conceder qualquer crédito aos bancos iranianos. Portanto, na prática, a compra de medicamentos e equipamentos médicos tornou-se impossível. 

A esse respeito, após o restabelecimento das sanções, a maioria dos pacientes que sofrem de câncer, devido ao rápido aumento dos preços dos medicamentos, foi confrontada com o problema do fornecimento de medicamentos e a continuação do processo de tratamento. Em relação a algumas doenças especiais, outros medicamentos foram substituídos, mas alguns pacientes não conseguem tolerar os novos medicamentos. 

Os embargos relacionados ao setor de aviação civil também são outra medida ilegal que ameaça a vida da maioria dos passageiros. Além das sanções diretas relacionadas à venda ao Irã de peças de aeronaves de passageiros, algumas companhias aéreas iranianas foram proibidas de receber qualquer serviço. Estas medidas aumentaram seriamente o perigo do voo de aviões não militares iranianos e puseram em perigo a vida dos cidadãos.

O Irã, ao assinar o acordo nuclear - oficialmente chamado de Plano Integral de Ação Conjunta (JCPOA) - e cumprindo seus compromissos deste pacto internacional, que tem sido corroborado por vários círculos internacionais, mostrou na prática sua vontade séria com a ordem internacional normal baseada em interesses nacionais. Mas, a saída unilateral dos EUA deste pacto, mostrou que este país não apenas não está alinhado com a implementação de acordos internacionais, mas os utiliza apenas para promover seus próprios interesses, como elevar sua potência hegemônica em todo o mundo.  

A violação dos direitos humanos tem diferentes formas e não está apenas ligada à limitação de direitos e liberdades cívicas ou à tortura, abuso e massacre de pessoas. As sanções econômicas são também um dos aspectos brandos da violação dos direitos humanos. 

Após a Segunda Guerra Mundial, os EUA repetidamente usaram a alavanca das sanções contra a República Islâmica do Irã para alcançar seus objetivos e tentar impor suas políticas. Nenhum país como o Irã enfrentou tanto os embargos dos EUA nas últimas quatro décadas. 

Após a queda do governo ditatorial do Xá Mohamad Reza Pahlavi e a vitória da Revolução Islâmica do Irã, os EUA se tornaram o maior inimigo dos iranianos. Um ano após a vitória da Revolução no Irã, os EUA impuseram uma série de sanções econômicas contra o país persa, juntamente com medidas políticas e militares intervencionistas, a fim de destruir o novo sistema da República Islâmica do Irã. O governo dos EUA impõe essas medidas sob o título de democracia e apoio aos iranianos. 

Atualmente, da mesma forma, o presidente dos EUA, Donald Trump, com esses slogans demagógicos, acredita que, reimpondo as sanções ao Irã, ele pode influenciar o povo persa. É por isso que, ao abandonar o acordo nuclear internacional, isto é, o JCPOA, não só ignorou um pacto que foi ratificado por uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, mas violou os direitos dos cidadãos iranianos. Consequências diretas desses embargos recaem sobre as pessoas, especialmente das camadas fracas da sociedade. 

O governo dos EUA, através de sanções, se esforça para destruir as bases econômicas do Irã. Washington, baixando a renda nacional e pressionando os iranianos, quer, na realidade, alcançar seus objetivos políticos. Enquanto essas medidas hostis dos EUA contradizem os objetivos da Carta Magna das Nações Unidas sobre direitos humanos.

 

Tags

Comentários