Out. 17, 2018 10:21 UTC
  • Opiniões do líder da Revolução Islâmica do Irã (grandeza, poder e invencibilidade 1)

Pars Today- A Força da Resistência Popular do Irã (Basiji, literalmente Mobilização), oficialmente, Nirouye Moqavemate Basij, é uma entidade milícia paramilitar voluntaria composta por milhões de iranianos honestos e revolucionários, fundada em 1980 por ordem do falecido Imam Khomeini (que descanse em paz).

As forças voluntárias desta organização popular desempenharam um papel decisivo durante os oito anos da guerra e altura de Defesa Sagrada do povo iraniano perante a invasão do exército de Saddam Hussein e, posteriormente, em vários campos, apoiar o desenvolvimento e o avanço do país. Centenas de milhares de membros do Basij prestaram muitos serviços em áreas desfavorecidas do país para melhorar sua saúde, cultura e educação. 

Em 4 de outubro, eles realizaram um grande comício em Teerã, no qual o líder da Revolução Islâmica, o aiatolá Seyed Ali Khamenei, ao participar proferiu um discurso, oferecendo observações importantes.

O Líder, primeiro, observou que o agrupamento de centenas de milhares de membros do Basij em Teerã ocorreu em condições críticas e num momento crucial para o país. Por um lado, a ameaças de sanções econômicas e pressões dos EUA contra os esforços dos jovens crentes e suas sucessivas vitórias em diferentes campos, e, por outro lado, os problemas econômicos do país, os esforços intelectuais e práticos dessa elite para resolver esses problemas.

Líder na primeira parte de suas observações apontou três assuntos importantes- a Grandeza do Irã, o Poderio da República Islâmica do Irã e a Invencibilidade de pessoas e a nação iraniana. A este respeito, o aiatolá Khamenei disse: "Estas são realidades, o que o inimigo quer que a nação iraniana não saiba ou negligência ou fazer falsas suposições sobre a situação do país e as suas capacidades.”.

Aiatolá Khamenei afirmou que a grandeza do Irã é um fato histórico. A este respeito, ele disse: "Antes da vitória da Revolução Islâmica (ou seja, desde a época da dinastia de Qajar até o fim da era Pahlavi), os últimos 200 anos, o nosso querido Irã tem sido um precursor entre todas as nações muçulmanas no campo da ciência, filosofia, política e arte. É uma realidade clara e qualquer pessoa justa confirma este facto e realidade", disse o líder.

O líder da Revolução Islâmica também afirmou que a salvação do Irã de  dominação tirânica dos Estados Unidos e do Reino Unido é suficiente para demonstrar o poder da Revolução Islâmica. Sobre este ponto, ele acrescentou: "As fracas de tramas dos inimigos nos últimos 40 anos pela nação e o aumento da credibilidade do Irã na região e no mundo são outra manifestação do poder da República Islâmica".

Após o estabelecimento da República Islâmica do Irã, numerosos apoio interno e externo para derrubar a República Islâmica e foram feitas variadas conspirações , mas povo e o sistema da República Islâmica impediu a concretização deste objetivo. Talvez o mais importante para acabar com este sistema popular foi à imposição de uma guerra de oito anos contra o Irã por Saddam, o ditador cruel do Iraque, um plano que terminou em fracasso devido à bravura dos combatentes e resistência do povo Iraniano.

A este respeito, o aiatolá Khamenei disse: "Antes da criação da República Islâmica, durante a era de Pahlavi e Qajar, em qualquer guerra que eclodiu, o inimigo conseguia separar uma parte do território do país ou mantido uma presença militar no país, desta forma humilhando a nação. Mas nos oito anos da guerra imposta (1980), a República Islâmica alcançou descarrilar a grande frente de inimigos, pela primeira vez nos últimos séculos, expulsando os agressores e preservando a integridade territorial do país. Isso significa o poder e perseverança", disse o aiatolá Khamenei.

Ele também se referiu à “Invencibilidade” da nação iraniana, que na sua opinião considerava uma bênção oferecida pelo Islã. "Esta invencibilidade pode ser vista no triunfo desta grande nação na Revolução Islâmica e na Sagrada Defesa, bem como na resistência contra todos os planos conspiratórios dos últimos 40 anos, porque a nação nunca sentiu fraqueza e fadiga e retrocedeu perante as conspirações e varias ações do inimigo”, acrescentou o Líder.

Mesmo assim, e tendo em conta a força do sistema e do povo do Irã, o Líder da Revolução alertou que não deveríamos nos orgulhar desses sucessos e, assim, explicar: "Tenha orgulho da vitória, da falta de um plano, da falta de iniciativa de continuar com as vitórias, sem dúvida, terminará em nosso atraso diante do inimigo e causará a vitória do inimigo. Devemos continuar com os esforços, a luta, a iniciativa e o uso das nossas capacidades e potencialidades”, disse ele.

Para esclarecer ainda mais este assunto, o aiatolá Khamenei disse: "Estamos a meio caminho do início de uma estrada, e devemos alcançar o ponto que a Revolução Islâmica tem planejado a chegar. Requer esforço, coragem e prudência, mas o importante para os jovens é que eles neste campo fértil são a locomotiva deste trem”, disse ele, dirigindo-se à grande multidão presente na reunião.

O aiatolá Khamenei, neste discurso e em muitas outras observações, mostrava sempre sua atenção, sua confiança e sua esperança na juventude, como as gerações construtoras do futuro do país e um capital confiável. Segundo o guia supremo iraniano, neste discurso, "durante os últimos 40 anos (depois da vitória da revolução) deixamos superamos muitas lutas e, em todas essas lutas, os jovens estiveram na linha de frente, abriram o caminho. Eles têm sido a ponta da flecha da luta".

Ele citou vários exemplos do papel da juventude nos sucessos do país, tais como: a luta contra o regime Pahlavi na era antes da Revolução Islâmica e as atividades que terminaram em sua vitória; a luta contra separatistas e terroristas nos primeiros anos da revolução; participação na construção e desenvolvimento do país, a luta contra os agressores nos oito anos da defesa sagrada e na reconstrução do país, os esforços para promover a ciência e tecnologia do país, a luta contra o terrorismo Takfiri e também em a luta científica e prática para resolver problemas econômicos.

O líder da Revolução Islâmica disse que a existência de dezenas de milhares de jovens em grupos diligentes ativos em todo o país e seus serviços incessantes, especialmente para os pobres, anuncia um futuro melhor para o Irã.

O Líder, similarmente, considerou os jovens donos do país e protagonistas da solução dos problemas. Nesse sentido, ele disse: "Hoje, graças a Deus, nossa juventude assume a sua responsabilidade, corajosamente e com ideias, perante resolução de problemas que o país enfrenta.”.

O aiatolá Khamenei dedicou a segunda parte de suas palavras às maneiras de neutralizar e retirar os obstáculos ao progresso da República Islâmica do Irã. No início, ele enfatizou: “O caminho para o progresso no país é aberto, mas nesta estrada há obstáculos e altos e baixos que devemos superar”. Existem algumas condições para percorrer o caminho do progresso e remover obstáculos neste percurso e, um primeiro passo é “entender e sentir a existência e presença do inimigo”, porque enquanto não se sente "a presença do inimigo não constrói um refúgio para mesmo ou estar equipado com as armas necessárias”, explicou.

Segundo o aiatolá Khamenei, a segunda condição para seguir o caminho do progresso é "autoconfiança e firme vontade de resistir". Ele acrescentou: "As pessoas que são desencorajadas, covardes, desencorajadas, preguiçosas, oportunistas e autocríticas, não podem assumir nenhum papel neste campo, estão deprimidas, desencorajadas e desestimulam os outros".

Aiatolá Khamenei referiu-se ao versículo 47 da surata, O arrependimento (Tauba), que diz: “Se (os infiéis) tivessem marchado convosco, não teriam feito mais do que confundir-vos e suscitar dissensões em vossas fileiras, incitando-vos à rebelião. Entre vós há quem os escuta. Porém, Allah bem conhece os injustos”.

O Líder da Revolução Islâmica enfatizou: "É claro que os jovens do país, durante todas as lutas que mencionei, nunca tinham sido afetados por essa praga, e sempre foram seguros de si mesmos e corajosos, sem dúvida, não temerosos ou covardes”.

 

Tags

Comentários