Out. 17, 2018 11:49 UTC
  • Opiniões do líder da Revolução Islâmica do Irã (grandeza, poder e invencibilidade 2)

Pars Today - Na edição anterior deste programa, apresentam uma parte d o discurso do líder da Revolução Islâmica do Irã, aiatolá Seyed Ali Khamenei, em um encontro com os jovens das forças populares de Basiji.

Na primeira parte, o Líder enfatizou a grandeza e a força da República Islâmica do Irã e a invencibilidade do povo iraniano, e elogiou o papel dos jovens em diferentes áreas da República Islâmica. Ele também se referiu aos obstáculos que os inimigos do país criaram no caminho de progresso e o desenvolvimento do país e insistiu na necessidade de enfrentá-los. De acordo com o líder persa, os dois passos necessários para neutralizar esses obstáculos foram “sentir a presença do inimigo e desfrutar da autoconfiança”.

O terceiro passo para enfrentar as conspirações dos inimigos no caminho do progresso do Irã, segundo o Líder, é conhecer bem as áreas e os pontos, de onde o inimigo penetra e  interessa entrar e atacar.

"Temos que conhecer bem a ameaça do inimigo, suas dimensões e a área onde a invasão acontece ... eles precisam saber onde o inimigo está atacando", disse o líder iraniano.

Em outra parte de seu discurso, o Líder listou alguns dos campos onde o inimigo procura atacar e declarou que o mais relevante interesse do inimigo é atingir o Islã e a Revolução Islâmica. A fé islâmica da nação persa, sempre foi o motivo da sua resistência perante a invasão do inimigo e isso, precisamente, é à base da Revolução Islâmica do Irã.

Por outro lado, o aiatolá Khamenei descreveu algumas das maneiras pelas quais inimigos estrangeiros penetraram no Irã antes da Revolução Islâmica e apontou algumas de suas intervenções nos campos político, econômico e cultural e, em seguida, afirmou que o Islã e A Revolução Islâmica sempre foram os motivos de afastamento do inimigo e aguarda-los longe do Irã.

"Eles sentem certo ressentimento no início desta Revolução e no começo do grande movimento da nação iraniana. Eles temem a existência de uma grande potência islâmica na região e a consideram um obstáculo em seus planos gananciosos nessa área. Eles temem o poder islâmico e a força revolucionária, por isso buscam eliminar os elementos poderosos”, disse o aiatolá Khamenei.

O líder da Revolução Islâmica do Irã determinou ainda que alguns elementos do poder da República Islâmica são sua estabilidade política, segurança social, unidade nacional, adesão aos princípios da Revolução, desenvolvimento e aprofundamento cultural, estado revolucionário e islâmico, o avanço científico e tecnológico, o avanço militar, o poder dos mísseis e a presença do Irã na região.

Segundo as declarações do Líder, outra área do enfrentamento dos inimigos à nação persa é a sua tentativa de apresentar uma falsa imagem da situação do país e acrescentou que o bom entendimento do povo das realidades do país, isso machuca os inimigos. O aiatolá Khamenei sublinhou que os meios pelos quais os inimigos pretendem atingir este objetivo são os meios de comunicação e "através da falsificação da realidade, procuram desviar a opinião da nação iraniana;  procurando demonstrar uma imagem distorcida do Irã, da própria população e da situação na região”.

Da mesma forma, insistiu que eles possuem algumas ferramentas de poder, como dinheiro, armas, tecnologias avançadas e a dominação midiática; No entanto, nos confrontos mundiais, a prioridade é o poder do software e isso significa: lógica, raciocínio e uma nova palavra que define a vida. "Eles não têm nada de novo para dizer; Eles também não têm lógicos. No campo de poder de software, EUA são muito fracos, eles são obsessivos, gostam de uma lógica fraca e sua democracia liberal representa um escândalo", explicou.

Aiatolá Khamenei, exemplificou a verdadeira imagem dos Estados Unidos no mundo, se referiu a seus fracassos em diferentes partes, como no Iraque, na Síria, no Líbano e no Afeganistão.

Outra das conspirações dos inimigos é a tentativa de dar a conhecer uma imagem fraca do Irã e do sistema islâmico. Essas tentativas fizeram com que até mesmo algumas das autoridades ocidentais caíssem na armadilha. "Recentemente, ouvi dizer que o presidente dos EUA tinha dito a alguns dos líderes europeus para que esperassem dois ou três meses, para ver como a República Islâmica iria se render a pressões das norte-americanas", lembrou o aiatolá Khamenei.

Então, o Líder referiu-se aos primeiros dias do florescimento da Revolução Islâmica e disse que os ocidentais e seus agentes internos, na época, estavam falando sobre a derrota do sistema da República Islâmica em poucos meses. "Já se passaram 40 anos desde aquele momento e (a Revolução Islâmica) de uma planta frágil se tornou esta árvore forte e robusta que hoje o mundo se vê", acrescentou.

O Líder da Revolução Islâmica, concluiu dizendo que o ingênuo presidente dos Estados Unidos “ainda não conheceu o povo do Irã, o inimigo não sabe da Revolução e do espírito da fé revolucionária e esta falsa análise levou os norte-americanos a cometer erros durante todos esses anos”. 

O aiatolá Khamenei considera os problemas econômicos do Irã como um dilema, mas diz que o principal problema e a maior desvantagem para o país é o desamino na resolução do problema.   

"O inimigo quer que a nação iraniana se sentasse parada, e não haveria outra solução senão a buscar o refúgio nos Estados Unidos e ajoelhar-se e render-se aos Estados Unidos. É claro que isso não vai acontecer, eu não vou permitir que isso aconteça no país, seguramente a força divina vos acompanhará sempre", disse ele.

Por outro lado, o Líder elogiou a verdadeira imagem do Irã como um país poderoso e orgulhoso e acrescentou: "Políticos e especialistas, mesmo nos Estados Unidos, no Ocidente e em países europeus que não têm um bom relacionamento conosco, elogiam o povo iraniano; porque, durante quarenta anos, esta nação não apenas falhou em recuar ante a pressão dos inimigos, mas também progrediu e se tornou um poder; isso é admirável ", disse ele.

A outra realidade sobre a situação atual no país persa é a enorme capacidade que o aiatolá Khamenei descreveu: "Há poucos países no mundo que têm toda essa capacidade: potencialidade geográfica, capacidade climática, um potencial recursos humanos, recursos subterrâneos, capacidade das instalações no campo. A potencialidade do país para continuar progredindo são muito importantes ".

Além disso, o Líder considerou os jovens fiéis como uma das capacidades mais importantes do país. "Os jovens fiéis do país que desfrutam tanto de capacidade defensiva quanto de talentos científicos, aqueles que são tão talentosos em assuntos culturais como em assuntos sociais e em muitos cenários demonstraram essas capacidades; Esta é a verdadeira imagem do país ", disse o aiatolá Khamenei.

O líder da Revolução Islâmica declarou que o significado da imposição de sanções contra o Irã mostra que o governo dos EUA já está frustrado de outras planos para ameaçar o país persa. A este respeito, o Líder enfatizou que "as sanções econômicas são mais frágeis do que a economia nacional. Nossa economia nacional é capaz de superar sanções e, pela graça de Deus e pela vontade de Deus, venceremos a essas sanções, e o fracasso das sanções é o fracasso dos Estados Unidos. "

Em outra parte de seu discurso, o líder persa alegou que outra das faces verdadeiras do Irã é o maciço e popular movimento Basiji, que não tem medo das ameaças do inimigo e se tornou um exemplo para outros países.

No final de suas palavras, o aiatolá Khamenei alertou as pessoas e os presentes na arena desportiva de Azadi sobre alguns pontos. 

Segundo o líder iraniano, os meios de comunicação do inimigo são tão perigosos quanto às armas químicas em uma guerra, já que não destroem os armamentos militares, mas eliminam o povo. A mídia, através de mudanças na opinião pública, tira das pessoas o poder de diagnosticar o inimigo e resisti-lo. 

Outro ponto sobre o qual o Líder insistiu foi à necessidade de manter a unidade nacional e aumentar a qualidade da responsabilidade entre os cidadãos.

Comentários